O rei do cimento acerta contas com a China

Felix Abt


Talvez seja melhor lidar com as fontes originais lendo, por exemplo, os discursos de Xi Jinping ou Vladimir Putin, e não apenas com as palavras postas na sua boca por meios tendenciosos, para não dizer anti-chineses e anti-russos


Max Amstutz, o antigo chefe da maior empresa de cimento do mundo, Holcim, tal como muitos outros belicistas ocidentais antes dele, apela à Europa para se armar militarmente contra a China e a Rússia e preparar-se para o inevitável grande confronto.

O grupo falhou no maior mercado de produção e consumo de cimento do mundo. É difícil culpar o Partido Comunista Chinês por isto, porque a empresa não se saiu melhor na Índia, o segundo maior mas muito mais pequeno mercado de cimento. São as "uvas azedas" que a estão a conduzir?

(Gráfico da Statista)

Completamente a-histórico e sem provas, ele afirma que a China quer subjugar e dominar o mundo. Na sua longa história, terá a China alguma vez tido a ambição de dominar o mundo como potências europeias e os EUA tiveram e têm?

Apesar do seu estatuto histórico como a potência económica mais influente do mundo durante muitos séculos, a China não aspirou a tornar-se nada como uma superpotência global. A Iniciativa Belt and Road é um ambicioso projecto global de infra-estruturas e investimento que visa criar ligações comerciais através da Eurásia, reavivando as antigas Rotas da Seda. Ao longo da história do país, houve também incursões, geralmente confinadas aos territórios vizinhos, e conflitos fronteiriços.

(Manchete da Bloomberg)

Vamos ficar por terra e fazer as contas, Sr. Amstutz: Os Estados Unidos e a China têm um produto nacional bruto quase igual. Os EUA mantêm mais de 750 bases em pelo menos 80 países em todo o mundo e gasta mais nas suas forças armadas do que os seguintes 10 países combinados. 90% de todas as bases militares estrangeiras são norte-americanas. Quantas bases militares estrangeiras a China precisaria para fazer frente aos EUA, e quantas é que ela realmente tem?

É claro que o Sr. Amstutz não é cem por cento responsável pelo seu mau julgamento, pois depende dos meios de comunicação social que, por exemplo, desviaram estas citações do discurso de Xi Jinping no Congresso do Partido:

"Trabalhar em conjunto com os povos do mundo para construir um futuro melhor para a humanidade"!

"Promover a paz e o desenvolvimento mundiais e promover a construção de uma comunidade com um futuro comum para a humanidade".

Isto provavelmente não é nada de novo sob "Tianxia", ou seja, o céu chinês: os governantes das dinastias chinesas anteriores podem ter-se expressado da mesma forma ou de formas semelhantes. E também soa bastante como a antítese da chamada para pegar em armas e conquistar o mundo.

"Temos travado uma luta contra a corrupção sem precedentes na nossa história, na qual ousámos ofender milhares em vez de decepcionar 1,4 mil milhões".

A luta contra a corrupção nos últimos dez anos, durante os quais cinco milhões de membros do partido foram investigados por corrupção e não poucos foram punidos, é apresentada pelo Sr. Amstutz sem provas como a luta pessoal de Xi Jinping para eliminar os rivais.

"Devemos (…) inabalavelmente encorajar e apoiar o desenvolvimento do sector privado e desempenhar plenamente o papel decisivo do mercado na atribuição de recursos (…)".

No entanto, os meios de comunicação e os chamados peritos afirmam que Xi Jinping é o "novo Mao" que está a abolir o sector privado.

O que se pode aprender com isto? Talvez seja melhor lidar com as fontes originais lendo, por exemplo, os discursos de Xi Jinping ou Vladimir Putin, e não apenas com as palavras postas na sua boca por meios tendenciosos, para não dizer anti-chineses e anti-russos, e as interpretações enganosas e especulações selvagens.

Ao fazê-lo, corre-se o risco de ser rotulado como um malvado intérprete da Rússia e da China numa época em que o entendimento foi radicalmente abolido - desde crianças-soldados e futuros inquisidores nas salas de imprensa transformadas em galerias de tiroteio até grandes e poderosos CEOs corporativos que foram abandonados por todos os bons espíritos. A história parece estar a repetir-se: o belicismo está de novo em voga na Europa e está mais uma vez a apoderar-se de todos, tal como acontecia antes da Primeira Guerra Mundial.

Imagem de capa por Stanley Zimny sob licença CC BY-NC 2.0

Peça traduzida do alemão para GeoPol desde Apolut


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Felix Abt
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply