A única coisa de Borrell que faz notícia são as suas birras. Não pode a UE fazer melhor do que isto?

Martin Jay

Jornalista de Política Internacional


Na realidade tudo o que a Borrell faz, é lamentar-se. Ele queixa-se do seu próprio fracasso. E ele tende a fazê-lo bastante, particularmente com a implosão das economias da UE na sequência das sanções da UE contra a Rússia


O que está errado com o infeliz Josep Borrell, um homem tão interminavelmente aborrecido que ninguém aparentemente o leva a sério ou ouve as suas tiradas patéticas. Será este cretino diplomata da UE totalmente ineficaz a ajudar realmente a UE a desenvolver uma identidade como actor global, ou estará ele a piorar a situação e apenas a garantir que o bloco nunca possa ter uma política externa sólida e apenas falar de ter uma? Em suma, será ele parte do problema e não da solução?

Desde que o Tratado de Lisboa foi adoptado em 2007, a UE acredita que pode ser um actor em todo o mundo, impondo os seus pontos de vista e hegemonia, normalmente ligados a enormes sacos de dinheiro que distribui ao Sul Global. E, estranhamente, escolheu também um socialista de um país mediterrânico para ser o seu principal diplomata para presidir ao novo corpo diplomático da UE, composto por mais de 120 “embaixadores” baseados nas missões da UE em todo o mundo.

No entanto, a UE sabe que nunca obterá o apoio necessário dos estados membros para avançar com grandes ideias políticas, pelo que costuma escolher um político de terceira classe, que desde há muito tempo tem sido forçado no seu próprio país, para ocupar o lugar cimeiro em Bruxelas.

E não há realmente ninguém mais abaixo de Borrell que tenha sido leal à elite da UE durante a maior parte do último período da sua chamada carreira e que não tenha realmente para onde ir em busca de um emprego. E no entanto, este pateta está a ser notabilizado por ser o pato coxo que é em todo o mundo e como ele e a UE estão impotentes no palco mundial. Tudo o que Borrell faz, de facto, é lamentar-se. Ele queixa-se do seu próprio fracasso. E ele tende a fazê-lo bastante, particularmente com a implosão das economias da UE na sequência das sanções contra a Rússia.

Quem poderia esquecer a birra que ele fez em relação ao ministro dos Negócios Estrangeiros russo em julho? Foi amplamente noticiado que se queixou da “cobertura maciça” de Sergey Lavrov pelos media, afirmando que “as mentiras circulam mais depressa do que a verdade”.

Aparentemente surdo à forma como se deparou como um falhado, Borrell disse a uma estação de rádio espanhola que protestava que Lavrov recebia mais atenção dos meios de comunicação social ocidentais e acrescentou que isso dava ao russo uma “vantagem”. A recente visita de Lavrov aos países africanos – República Democrática do Congo, Etiópia e Uganda – levou o diplomata russo a convencer os africanos de que as sanções impostas pelo Ocidente tinham conduzido à crise global. Pobre Borrell. Ninguém o ouve ou lê os seus comunicados de imprensa ou discursos.

Deve ser difícil ser o principal enviado da UE quando ninguém o leva a sério e fica como espectador dos acontecimentos, como a decisão dos ministros dos Negócios Estrangeiros da UE de reprimir os russos que procuram vistos da UE. Ah bem, pelo menos provavelmente foi uma das primeiras pessoas a ouvir falar disso.

Talvez não.

Uma das coisas mais notáveis sobre o político espanhol é o quão mal informado está sobre os acontecimentos globais. Esta ignorância só é correspondida pela sua relação de caniche que tem com Antony Blinken que, na realidade, provavelmente o considera como um animal de estimação servil em miniatura. O diplomata americano diz literalmente ao seu homólogo da UE como pensar, falar, funcionar.

Ainda recentemente, alguns ficaram chocados com a admissão de Borrell de que estava tão mal informado sobre o avanço da invasão russa da Ucrânia, que recebeu uma chamada telefónica dos americanos dois dias antes de isso acontecer, avisando-o disso. E este é o principal diplomata da UE que ofereceu à Ucrânia um acordo especial de adesão em 2014! Como é possível que alguém tão importante seja tão fabulosamente ignorante de uma região chave que a UE está tão interessada em manipular para os seus próprios ganhos geopolíticos?

Esta pequena notícia em particular saiu, durante uma outra das lamentáveis birras de Borrell, em que ele se irrompe essencialmente em lágrimas e borbulhas sobre como nada está a funcionar para ele, o que normalmente o leva a apontar o dedo.

Desta vez foi nos seus próprios diplomatas que trabalham para ele numa conferência. Numa explosão extraordinária durante um briefing ao Serviço Europeu de Acção Externa, Borrell disse que estava farto de descobrir informações dos jornais antes de as ouvir dos seus próprios funcionários.

“Este não é um momento em que vamos enviar flores a todos vocês dizendo que são lindos, que trabalham muito bem e que somos muito felizes, somos uma grande família”, disse Borrell.

“Não quero culpar e envergonhar, mas isto é algo que tenho de vos dizer”. Quero que sejais mais reactivos, 24 horas por dia”. Preciso que comuniquem rapidamente, em tempo real, o que está a acontecer nos vossos países”, disse Borrell. “Quero ser informado por si, não pela imprensa. Por vezes, eu sabia mais do que estava a acontecer algures ao ler os jornais do que ao ler os vossos relatórios”.

E assim, o grande projecto que custa mil milhões de dólares por ano para pagar os salários destes diplomatas é um fracasso, pois os próprios funcionários são mais ou menos inúteis. Não há aí grandes notícias. Mas se a equipa for liderada por alguém que redefina a palavra ‘inútil’, então alguns argumentarão que não é surpresa que nada esteja a funcionar. Cegos a liderar cegos.

Borrell permanecerá sempre alguém que continua a ser inútil em Bruxelas. O incrível é que ele não compreende que esta é a agenda dos que têm poder real dentro da UE. Ele é suposto ser ineficaz. Mas não deixe que isso o impeça de sair do guião por vezes para compensar o facto de ser espectador de um enorme jogo que está a ser jogado e que ele deveria ter a sorte de ser convidado a assistir.

Recentemente, outro estranhíssimo discurso de crise de meia-idade foi proferido por Borrell, que se referiu à UE como um “jardim” e tudo para além das suas fronteiras como uma “selva”. Estaria ele a referir-se a África, cujos migrantes continuam a penetrar no baixo-ventre macio da Europa através da costa sul do seu próprio país? Este momento de Joseph Conrad talvez revele o quê e quem é Borrell, mas também lança uma sombra sobre o que a UE é e será sempre: uma organização supremacista branca. Que falhado. E que discurso espantoso. Talvez o velho tolo pense que é o Tarzan e a Ursula von der Leyen é a Jane.

Imagem de capa por Ministerio de Asuntos Exteriores y de Cooperación sob licença CC BY-NC-ND 2.0


Peça traduzida do inglês para GeoPol desde Strategic Culture


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Martin Jay
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply