Do suicídio à morte e enterro… A Alemanha provoca agora a China

Finian Cunningham

Finian Cunningham

Jornalista, escritor e antigo editor de política internacional


Não contente com o suicídio económico da sua nação devido à deterioração das relações com a Rússia, o governo alemão quer agora enterrar o cadáver, sabotando as relações comerciais com a China


Robert Habeck, ministro alemão da Economia, irritou Pequim ao dizer a uma cimeira do G7 na semana passada que Berlim pretendia adoptar uma nova política para a China a fim de "reduzir a dependência económica". Habeck disse que a Alemanha se esforçaria por assumir um controlo mais rigoroso sobre o investimento estrangeiro chinês e afastar-se da dependência alemã em relação à China no que diz respeito a produtos-chave, tais como semicondutores, baterias e outros produtos electrónicos.

Soando duro perante outros membros ocidentais do fórum do G7 (um clube de elite redundante, se é que alguma vez existiu), Habeck disse, "a ingenuidade em relação à China acabou". Ele disse que as relações comerciais deixariam de ser vistas isoladamente de alegadas violações dos direitos humanos e outras preocupações internacionais, presumivelmente significando a alegada hostilidade da China em relação a Taiwan.

Pequim bateu nas observações de Habeck e retorquiu que era ele quem estava a ser "ingénuo" na tentativa de prejudicar as relações bilaterais mutuamente benéficas.

O chanceler alemão Olaf Scholz redobrou a provocação no fim-de-semana, quando foi questionado sobre a posição da China em relação a Taiwan. Scholz deu a entender que Pequim foi a parte hostil nas recentes tensões sobre o território da ilha separatista. Ele advertiu a China: "É importante que banamos a violência das relações internacionais".

Foi outra bandeira vermelha a ser acenada por Berlim na cara da China. Scholz parece não perceber, ou não quer perceber, que Taiwan é uma parte soberana da China. Este é o facto legal dos tratados das Nações Unidas e da política "Uma só China" internacionalmente aceite. São os Estados Unidos, Grã-Bretanha, Austrália, França e Alemanha que estão cada vez mais a destacar forças militares nas águas territoriais da China que estão a causar tensões perigosas e a obrigar Pequim a tomar uma posição mais dura na defesa da sua soberania, incluindo as suas legítimas reivindicações sobre Taiwan.

O que é que os líderes alemães estão a fazer? A imprudência da sua posição e os danos infligidos à economia da nação fazem-nos questionar de quem são os seus interesses ao serviço. Certamente, ao que parece, não os interesses da população alemã.

A Alemanha, o motor económico da União Europeia, está a bater de cabeça com a sua sabotagem insana do comércio de energia com a Rússia. Faz lembrar aqueles testes de colisão de carros em câmara lenta, em que os bonecos são atirados para o pára-brisas. Agora está a dirigir-se para uma muralha chinesa.

O corte auto-imposto no fornecimento de gás da Rússia está a destruir a indústria alemã e a mergulhar a população num Inverno de miséria e privação incalculáveis. Muitos observadores, incluindo o presidente russo Vladimir Putin, estão perplexos com o abraço voluntário do suicídio económico que o governo alemão está a precipitar.

Durante décadas, a economia alemã orientada para a exportação tem sido impulsionada por um fornecimento abundante de gás natural e petróleo russo a baixo preço. O governo de coligação em Berlim, que substituiu a administração de Angela Merkel no final do ano passado, cortou as ligações com Moscovo como parte do seu apoio à política de Washington de isolamento da Rússia. A Alemanha fez tudo para apoiar o regime de Kiev apoiado pelos EUA com armas pesadas fornecidas à Ucrânia numa guerra com a Rússia.

Lá se vai a admoestação de Scholz à China para "proibir o uso da violência nas relações internacionais". Berlim está a alimentar o conflito na Ucrânia e, juntamente com os EUA e outras potências da NATO, está a impedir qualquer processo diplomático para encontrar uma resolução pacífica com a Rússia.

Se o golpe de morte para a economia alemã não foi suficientemente mau devido à política imprudente em relação à Rússia, agora Berlim quer matar as relações com Pequim.

A China é o principal parceiro comercial da Alemanha durante os últimos seis anos. O comércio bilateral tem crescido de forma constante. O comércio deste ano vai ultrapassar o recorde de mais de 240 mil milhões de dólares no comércio entre a China e a Alemanha, em 2021.

Com os seus 1,4 mil milhões de habitantes, a China é um mercado vital para os exportadores alemães, especialmente a importantíssima indústria automóvel que impulsiona a economia alemã. Quase 40 por cento das vendas globais da Volkswagen, Audi, BMW e Mercedes estão na China, impulsionadas pelo fenomenal desenvolvimento económico desta última.

O governo de Berlim está a pôr em risco a sua linha de vida económica com a China ao adoptar uma política de provocação irresponsável a Pequim. Nisto, os "líderes" alemães estão a seguir a licitação de Washington. Fizeram-no no que respeita à sabotagem das relações russas. Agora estão inclinados a repetir a insensatez em relação à China.

É notável que Habeck, o ministro alemão responsável pelo comércio, seja membro dos Verdes no governo de coligação com os sociais-democratas de Scholz. O outro membro sénior dos Verdes na coligação é Annalena Baerbock, que é a ministra dos Negócios Estrangeiros. Ambos estão a empurrar uma posição ideológica irracional de prejudicar as relações com a Rússia e a China. Os Verdes querem converter a Alemanha a fontes de energia renováveis como o vento e a energia solar. É assim que eles justificam a eliminação dos hidrocarbonetos russos. Mas o cálculo é terrivelmente errado. As indústrias alemãs e a população em geral precisam do gás russo para gerir as suas fábricas e aquecer as suas casas. A insensatez de cortar a energia russa está a fazer muito mal. O absurdo é que a Alemanha está agora a voltar ao combustível sujo do carvão, a fim de preencher desesperadamente o vácuo de energia que foi auto-infligido pelos ideólogos dos Verdes.

Mais do que a ideologia verde, porém, é a verdadeira ideologia subjacente à russofobia e à sinofobia. Habeck e Baerbock estão cegos pela sua subserviência à agenda transatlântica de Washington de dividir a Europa de ter relações de vizinhança normais com a Rússia e a China.

A agenda de Washington consiste em promover a hegemonia dos EUA e o seu presumível domínio unipolar nas relações internacionais. Em suma, o imperialismo americano.

Uma extensão dessa agenda é a de incitar ao antagonismo em relação à China. O cerco da Rússia anda de mãos dadas com o cerco da China. Não é por acaso que, à medida que Washington aumenta as tensões com Moscovo sobre a Ucrânia e a intromissão da NATO, está também a incitar febrilmente tensões com a China sobre Taiwan e alegações duvidosas de violações dos direitos humanos por parte de Pequim.

A administração do presidente dos EUA Joe Biden e o Congresso estão a bombear armas para a Ucrânia e Taiwan, numa tentativa deliberada e poderia dizer-se criminosa de provocar um confronto militar. A economia capitalista dos EUA precisa de tensões e conflitos para sustentar o seu complexo militar-industrial, o coração pulsante do capitalismo americano.

Se o chanceler alemão Scholz tivesse alguma independência de pensamento, seria melhor que se repreendesse com Washington sobre o uso da violência nas relações internacionais.

Mas não há qualquer hipótese de Scholz e o seu governo alguma vez o fazerem. São lacaios para Washington e estão irremediavelmente lavados do cérebro com disparates ideológicos, russofobia e sinofobia.

Este Inverno já está a chegar com pavor para a Alemanha e para a população europeia em geral sobre a escolha política de destruir a pedra angular das relações energéticas russas. Com os danos adicionais nas relações germano-chinesas, a elite política de Berlim está a disparar duas vezes na cabeça da Alemanha e da Europa.

As indústrias, empresas e trabalhadores alemães estão indignados com a estupidez do seu chamado governo, que é descrito com mais precisão como um regime apoiado por Washington em Berlim. Os protestos furiosos nas ruas testemunhados nas últimas semanas na Alemanha e em toda a Europa contra a miséria económica auto-infligida são apenas um prenúncio da explosiva agitação social que se está a formar.

Imagem de capa por Heinrich-Böll-Stiftung sob licença CC BY-SA 2.0


Peça traduzida do inglês para GeoPol desde Strategic Culture


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Finian Cunningham
Latest posts by geopol.pt (see all)

1 Comment

Leave a Reply