Baerbock e Habeck: sicários da classe média alemã?

Christian Kreiß

Christan Kreiß


Os dois principais políticos dos Verdes estão a prejudicar activamente a nossa classe média, a base da nossa prosperidade


Muitas medidas políticas e económicas recentes estão obviamente a prejudicar gravemente a nossa classe média, a espinha dorsal da nossa prosperidade. Os principais representantes empresariais dizem: "A substância da indústria está ameaçada"[1] ou: "Estamos simplesmente a ficar mais pobres. Vou pintar-lhe um quadro para a Alemanha: Não ficaria surpreendido se acabássemos 20 a 30% mais pobres"[2] O conservador Handelsblatt fala do perigo de uma desindustrialização da Alemanha[3] Decisivamente envolvida neste declínio está a política da nossa ministra dos Negócios Estrangeiros e do nosso ministro da Economia. Quais são os efeitos desta política, quais poderiam ser os seus motivos e quem beneficia com ela?

Política energética

Mesmo antes do início da guerra da Ucrânia, a 3 de fevereiro de 2022, Annalena Baerbock disse: "Apenas uma pessoa beneficia do Nord Stream 2: o sistema Putin"[4]. Esta afirmação é falsa. O gasoduto russo barato e extremamente amigo do ambiente beneficia em grande medida as nossas pequenas e médias empresas e os nossos cidadãos. Fornece energia barata para as nossas famílias e custos competitivos para as empresas no nosso país. A declaração mostra bem os óculos de um olho e ideológicos através dos quais a ministra dos Negócios Estrangeiros vê o mundo. Os interesses do povo e das empresas deste país aparentemente não desempenham um papel significativo para ela.

Política de sanções e difamação da Rússia

Desde a guerra da Ucrânia, a Sra. Baerbock tem vindo a agitar o ressentimento contra a Rússia em grande medida, denegrindo o país e o seu povo, alimentando assim ainda mais a guerra e impedindo quaisquer tentativas de negociações de paz. Declarações como "Isto arruinará a Rússia"[5] em 25.2.2022, por ocasião do primeiro pacote de sanções, ou as suas observações de que quer prejudicar a Rússia de tal forma que "não será capaz de se recompor economicamente durante anos"[6] alimentam aversão e hostilidade contra o povo russo e impedem antecipadamente todos os esforços no sentido da paz. As constantes exigências dos políticos Verdes por cada vez mais entregas de armas contradizem décadas de princípios da política verde.

Uma nota secundária: para mim, é um escândalo da primeira ordem que o ministro da Saúde Lauterbach possa declarar guerra à Rússia via Twitter e não ser imediatamente destituído do cargo por má conduta diplomática de enormes proporções.

A política de sanções alemã contra a Rússia está a prejudicar o máximo possível as pequenas e médias empresas alemãs. Este Verão, os preços do gás para a indústria alemã foram cerca de oito vezes superiores aos da concorrência norte-americana [7]. As nossas PMEs não sobreviverão a isto por muito tempo. Além disso, há falhas de entrega relacionadas com sanções e faltas de material que também afectam a produção.

Também do ponto de vista ambiental, a política energética dos dois principais políticos dos Verdes é fatalmente deficiente. Em vez de obter gás directamente da Rússia através dos gasodutos, passa a ser liquefeito, enviado para todo o mundo e acaba por regressar ao mercado europeu a preços muito inflacionados. Além disso, maiores quantidades do que anteriormente de gás de fracking norte-americano extremamente prejudicial para o ambiente estão agora a chegar à Europa a preços muito mais elevados do que o gás canalizado russo. Algo semelhante está a acontecer com o petróleo russo, que está agora finalmente a regressar ao mercado europeu através de acordos triangulares dispendiosos e prejudiciais para o ambiente devido às sanções. Isto é absurdo, massivamente prejudicial em termos ambientais e económicos para a política verde.

Política económica

O ministro da Economia Habeck brilha através da incompetência, ziguezagues de política económica e julgamentos errados. Alguns exemplos. O ministro acreditava que a Bafin era responsável pela verificação das contas dos comerciantes[8]. Face ao aumento dramático dos preços do gás, ele queria introduzir uma sobretaxa que teria aumentado ainda mais os preços do gás para os utilizadores finais. Em seguida, apareceu a ideia de um limite de preço do gás, ou seja, exactamente o oposto. A ideia do Sr. Habeck de encerrar as três centrais nucleares restantes a 1 de janeiro de 2023, quando começa a fazer muito frio, é difícil de vencer em termos de miopia económica. Em vez de elaborar um roteiro energético detalhado ao longo dos meses de Inverno baseado no modelo suíço, o ministro da Economia parece preferir ter esperança num Inverno ameno e boa sorte.

Declarações como, que não temos um problema de electricidade, mas um problema de gás, ou que as lojas não são insolventes, simplesmente já não vendem, falam as associações profissionais. Para as empresas, a competência, a segurança e a fiabilidade do planeamento são importantes. Estes pilares básicos da economia estão a ser arruinados por um tal ministro da Economia.

Posso portanto concordar plenamente com a declaração de Sahra Wagenknecht, "Os Verdes são o partido mais perigoso do Bundestag"[9]. Além disso, as políticas dos dois principais políticos dos Verdes não ajudam de modo algum a Ucrânia e, na minha opinião, prejudicam a economia russa muito menos do que a economia alemã.

Quem beneficia?

Coloca-se então a questão: porque é que os nossos líderes dos Verdes fazem tais políticas anti-empresariais à custa dos cidadãos?[10] O luto de um homem é a alegria de outro homem. Nem todos estão insatisfeitos com esta política dos Verdes que prejudica as pequenas e médias empresas. Há anos que os EUA querem cortar o abastecimento de gás natural russo barato à Alemanha. O Nord Stream 2 tem sido um espinho para os EUA há anos. Mesmo antes da guerra da Ucrânia, o presidente americano Biden disse a 8 de fevereiro de 2022 que “se a Rússia invadir a Ucrânia, o gasoduto Nord Stream 2 não tem futuro". […] Perguntado como iria gerir isto com um projecto sob controlo alemão, Biden disse: "Prometo-vos que o podemos fazer"[11] Desde então, isto tem sido conseguido. O economista de topo dos EUA Jeffrey Sachs suspeita que os EUA fizeram a explosão [12].

Este corte final dos gasodutos Nord Stream na Europa Central foi descrito pelo secretário de Estado norte-americano Antony Blinken como uma "tremenda oportunidade" seis dias após as explosões, a 2 de outubro.[13] Para além do aumento das exportações de gás de fracking, o enfraquecimento da classe média alemã também significa oportunidades de entrada muito boas e sobretudo baratas para compradores empresariais dos EUA.

Já em 2018, grandes empresas de investimento americanas como a BlackRock ou a Vanguard detinham 34,6 por cento das acções de todas as empresas do DAX [Índice de Frankfurt]. Outros 20% pertenciam a gestores de activos britânicos e irlandeses[14]. O problema é que este modelo de negócio não funciona para empresas de média dimensão porque estas não estão cotadas na bolsa mas são familiares e as famílias não querem vender no curso normal dos negócios. A política de dinheiro barato dos EUA nos últimos 15 anos criou muito dinheiro em busca de investimento que agora está desesperado por uma exploração lucrativa[15].

Se de facto houver um enfraquecimento e hemorragia da classe média alemã, isto oferece uma "tremenda oportunidade", uma grande oportunidade para comprar muitos deles a baixo preço. As explosões da Nord Stream cimentaram esta oportunidade favorável.

De que lado estão os nossos líderes (dos Verdes)?

E assim surge a questão: de que lado estão os nossos políticos de topo? De quem representam os interesses? Os interesses da nossa classe média, dos nossos cidadãos ou outros interesses?

Já nos tempos da política de lockdown, os políticos Verdes distinguiram-se com exigências de lockdowns que eram tão longas e duras quanto possível. A política de encerramento enfraqueceu enormemente as pequenas e médias empresas. Todos os dias de lockdown trouxeram lucros adicionais de milhares de milhões às grandes corporações e aos bilionários que as apoiavam[16]. Mesmo durante o período de lockdown, enquanto os Verdes ainda estavam na oposição, fizeram o seu melhor para prosseguir políticas que eram hostis às pequenas e médias empresas e prejudiciais para elas.

Agora, através de políticas energéticas e de sanções profundamente anti-negócios, as políticas verdes estão mais uma vez a apoiar os interesses das grandes empresas internacionais à custa das pequenas e médias empresas nacionais. Na minha opinião, isto pode estar relacionado com o facto de a Sra. Baerbock ser membro dos "Jovens Líderes Globais" do Fórum Económico Mundial em Davos[17].

No final de agosto, na sua agora infame declaração, a nossa ministra dos Negócios Estrangeiros deixou claro de que lado estava: "Não importa o que os meus eleitores alemães pensem", as sanções que prejudicam a economia e o povo alemães permanecerão, mesmo que haja agitação durante o Inverno. A própria Sra. Baerbock considerou, no final de agosto, que as pessoas na Alemanha "iriam para as ruas e diriam que não podem pagar os preços da energia"[18] No entanto, disse ela, quer manter as sanções a todo o custo, mesmo contra os interesses dos eleitores alemães.

Neste contexto, as declarações de Oskar Lafontaine de agosto de 2022 são talvez esclarecedoras: "A Alemanha não é um país soberano. […] A Alemanha actua como vassalo dos EUA na guerra da Ucrânia. […] Os principais políticos do governo do semáforo, Scholz, Baerbock, Habeck e Lindner são vassalos leais dos EUA". Os Verdes tinham-se "transformado no pior partido de guerra do Bundestag alemão". As declarações de "Annalena Baerbock de que devemos "arruinar a Rússia" devem ser chamadas de fascistóides. […] A política externa alemã prejudica os interesses do nosso país e não é uma contribuição para a paz na Europa"[19].

O antigo político do SPD e ex-presidente da Câmara de Hamburgo, Klaus von Dohnanyi, escreve de forma semelhante no seu livro publicado em janeiro de 2022: "A Alemanha e a Europa de hoje não são soberanas em matéria de segurança e política externa. São os EUA que definem a direcção aqui na Europa. Estão eles também a perseguir os nossos interesses no processo? Estão a conduzir a Europa para um futuro pacífico em termos de política externa e de segurança? Tenho as minhas dúvidas"[20] Estas são palavras quase proféticas.

O que fazer?

Os dois principais políticos dos Verdes estão a prejudicar activamente a nossa classe média, a base da nossa prosperidade. Em particular, a nossa ministra dos Negócios Estrangeiros, pela sua própria admissão, não está a seguir uma política para os seus eleitores alemães, mas sim, na minha opinião, como Jovem Líder Global, está a promover os interesses de grandes empresas internacionais cujos proprietários e patrões se encontram regularmente com ela em Davos.

A solução para esta situação desagradável seria concebivelmente simples, nomeadamente o que Oskar Lafontaine sugere: "Empurrar para um cessar-fogo, a apresentação de um plano de paz e a entrada em funcionamento do Nord Stream 2"[21]. Mas pelo menos um tubo de Nord Stream aparentemente ainda está intacto e poderia ser posto em funcionamento. Isto melhoraria consideravelmente o nosso aprovisionamento energético, especialmente nos meses críticos de Inverno, e assim aliviaria o fardo da nossa classe média e dos nossos lares.

Gostaria de acrescentar às propostas de Oskar Lafontaine: Desmontar as sanções e tomar medidas pessoais. Com um pouco de senso comum, só se pode realmente aderir à hashtag #BaerbockRuecktritt (Baerbock Demissão) do Twitter. Mas não só a Sra. Baerbock: a melhor solução seria a dissolução do semáforo que apoia esta política e novas eleições.

Imagem de capa por Matthias Berg sob licença CC BY-NC-ND 2.0


Peça traduzida do alemão para GeoPol desde NachDenkSeiten


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Christian Kreiß
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply