Zelenski tentou a terceira guerra mundial, mentindo-nos

Rainer Rupp

Jornalista e ex-agente de Inteligência


A AP, o oficial da inteligência americana sem nome, e Zelensky, tinham ambos agido com perigosa desinformação


Quando, na quarta-feira desta semana, a “imprensa sucata” ocidental noticiou que os russos também tinham agora atacado a Polónia com mísseis e que também tinham havido mortes, políticos e jornalistas sensatos teriam feito uma pausa por um momento. Em situações tão perigosas, o esclarecimento calmo e sóbrio dos factos deve ter precedência sobre os instantâneos jornalísticos. Em vez disso, porém, a maioria dos “jornalistas de qualidade” alemães – como gostam de se chamar a si próprios – deitaram gasolina sobre o fogo dos falcões da NATO com notícias de última hora sensacionalistas.

De facto, ficou-se com a impressão de que para estas pessoas a Terceira Guerra Mundial contra a Rússia não pode começar suficientemente cedo, a fim de libertar todos os belos recursos naturais dos “sub-humanos russos”. Para não negociar com os russos em circunstância alguma, a política de guerra do FDP, Marie-Agnes Strack-Zimmermann, fez o seu melhor imediatamente após o ataque de mísseis na pequena aldeia polaca na fronteira com a Ucrânia ter ficado conhecida.

Naquela mesma noite ela tweetou [1]:

“Não só os mísseis russos aparentemente atingiram a Polónia e, portanto, o território da NATO, como também conduziram a mortes. Esta é a Rússia com a qual alguns aqui ainda querem, absurdamente, negociar”.

De facto, o ódio irracional de tudo o que é russo já há muito que se espalhou da Ucrânia para a Alemanha. O desejo e a vontade declarada de destruir a Rússia e matar o seu povo, incluindo crianças, este fascismo ucraniano chegou à Alemanha. Não tanto no NPD, mas ainda mais no meio da paisagem política e mediática, desde os jornais de esgoto como o BILD, aos chamados “meios de comunicação de qualidade” até à cena literária, onde são agora atribuídos prémios à sujidade castanha nazi, às “obras” que glorificam a violência contra o povo russo.

Mas voltemos ao alegado ataque com mísseis russos à Polónia. A Polónia é um membro da NATO. Então a questão surgiu imediatamente, quer isto dizer que o ataque russo foi também um ataque à NATO? Então poderia eventualmente ser posto em marcha um mecanismo em que a NATO, ou certos países da NATO, se sentissem obrigados a atacar a Rússia para lhe dar uma lição. Mas a Rússia tem o maior arsenal nuclear do mundo, o que poderia facilmente levar à Terceira Guerra Mundial e à aniquilação nuclear de centenas de milhões de pessoas.

Assim, a notícia precipitada do alegado ataque russo à Polónia não foi uma história marginal com uma classificação X. Era uma história feita das coisas de que nasceu a Primeira Guerra Mundial. Mas de onde veio esta história? A agência noticiosa norte-americana “Associated Press” (AP) tinha-o colocado no mundo e – como é habitual com notícias falsas – citou como sua fonte um “membro não nomeado de alto nível do circo da inteligência do governo dos EUA” (The Intelligence Community).

De acordo com este funcionário anónimo dos serviços secretos, a Rússia tinha lançado um primeiro ataque completamente não provocado contra a Polónia, matando duas pessoas numa quinta e destruindo um celeiro. Segundo a AP, este foi por definição um caso para invocar o infame artigo 5º da Carta da NATO, que se baseia no princípio da defesa colectiva. E entre vários políticos – especialmente o presidente Zelensky – a baba começou a correr, porque a tão esperada guerra da NATO contra Vladimir Putin parecia estar ao nosso alcance.

Zelensky instou literalmente os EUA a declarar agora guerra à Rússia – em reacção à história dos mísseis na Polónia. Na televisão, na quarta-feira de manhã, afirmou ele:

“Aquilo com que temos estado preocupados desde há muito tempo, aconteceu hoje. Sempre dissemos que este terror (russo) não se limita às nossas fronteiras nacionais, mas já se estendeu ao território da Moldávia. Hoje os mísseis russos atingiram a Polónia. Foram disparados mísseis no território de um país amigo, em território da NATO. Este é um ataque russo de mísseis à segurança colectiva, é uma escalada muito significativa. Temos de agir”!

Zelensky utilizou palavras-chave tais como “ataque à segurança colectiva”, que significam não só a Polónia, mas também os Estados Unidos. É um ataque da Rússia aos EUA e ele insistiu – como se a Ucrânia já fosse um Estado líder da NATO que pode exigir acção: “Temos de agir”. E com isso, exigiu que Washington começasse imediatamente a Terceira Guerra Mundial.

Houve um senão: o problema é que a história da AP era completamente falsa. A AP, o oficial da inteligência americana sem nome, e Zelensky, tinham ambos agido com perigosa desinformação. Felizmente, isto tinha-se tornado claro poucas horas depois de imagens do míssil explodido aparecerem nas redes sociais. Não demorou muito tempo aos peritos ocidentais, que são bem versados nos detalhes dos sistemas de armas russos, para identificar o fragmento do motor do míssil que explodiu no celeiro polaco mostrado nas fotos. A conclusão, entretanto confirmada por todas as partes, é que o míssil pertence a um antigo sistema de voo e defesa anti-míssil S-300 de concepção soviética como utilizado apenas pelos militares ucranianos, e não pelos russos.

Este míssil S-300 não pode ser utilizado para atacar alvos terrestres. Além disso, não tem alcance suficiente para se deslocar da linha da frente russa no extremo oeste de Donbass até à fronteira polaco-ucraniana. Portanto, não poderia ter sido um ataque militar russo. Muito provavelmente, o S-300 tinha sido abatido para interceptar um míssil russo dirigido a Lviv e, ao fazê-lo, falhou o seu alvo e depois caiu em algum momento, infelizmente na quinta polaca. Mesmo o governo polaco, que numa primeira reacção tinha convocado uma reunião de emergência ao abrigo do Artigo 4º da Carta da NATO, foi forçado a admitir mesmo antes da reunião que não foram os russos mas a Ucrânia que disparou o míssil e matou dois polacos.

Mas eis o que é interessante, que o conhecido apresentador de televisão norte-americano Tucker Carlson, no seu programa de quarta-feira (16/11), pôs em evidência. Abaixo, traduzi uma passagem chave do seu programa:

“O interessante sobre isto, e isto é relevante para nós (americanos), é que a Ucrânia não o admitiu (com o S-300). E que Zelensky mentiu na televisão. Quando governa um país onde a imprensa livre foi proibida, como é o caso da Ucrânia, pode não se aperceber de que o resto do mundo não é obrigado a acreditar nele. Afinal de contas, não se pode mandar o mundo inteiro para a prisão. Mas ele (Zelensky) continuou a dizer-lhe coisas que sabe muito bem que não são verdade”.

Nesta altura, Carlson desaparece num vídeo de Zelensky. Um actor treinado, Zelenski fala com fervor à câmara, dizendo, cito:

“Não tenho dúvidas de que este não é um míssil nosso. Estou convencido de que se tratava de um míssil russo, com base nos nossos relatórios militares”.

Esta declaração de Zelensky é posteriormente comentada por Tucker Carlson como se segue:

“Isto não só não é verdade, como é uma mentira que pode custar a milhões de vidas americanas. Então temos de nos perguntar a nós próprios, será altura de deixar de apoiar este tipo? Poderá o risco ser demasiado elevado? Ele está deliberadamente a mentir para nos levar para uma guerra. Talvez ele não fosse digno do nosso apoio para começar. Talvez ele seja apenas um daqueles governantes corruptos da Europa de Leste num fato de treino, ficando tão rico quanto possível graças a esmolas americanas”.

O ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano Dmitri Kuleba, que é muito estimado pelo governo “semáforo” alemão, também viu chegar a sua hora imediatamente após o impacto do S-300 na Polónia para atrair a NATO para uma guerra aberta contra a Rússia. Para tal, ele já ditou à NATO o que esta tinha de fazer:

“A resposta colectiva às acções russas deve ser dura e baseada em princípios. As medidas imediatas incluem uma cimeira da NATO com a participação da Ucrânia para desenvolver mais acções conjuntas que forçarão a Rússia a alterar o seu curso de escalada, fornecendo à Ucrânia aviões modernos como os F-15 e F-16, bem como sistemas de defesa aérea, para que possamos interceptar todos os mísseis russos. Hoje, proteger os céus da Ucrânia também significa proteger a NATO”,

escreveu Kuleba no Twitter na terça-feira 15 de novembro. [2]

Com tanta insolência perigosa da liderança política ucraniana, Tucker Carlson não foi o único americano a distanciar-se claramente de Kiev. Representando muitos republicanos, Donald Trump Jr. disse na quarta-feira que era agora “altura de parar a ajuda à Ucrânia”.

“Uma vez que foi um míssil ucraniano que atingiu a nossa aliada da NATO Polónia, podemos pelo menos parar de gastar milhares de milhões nas suas armas agora?” escreveu o filho do ex-presidente dos EUA.

Ao mesmo tempo, a agora dominada pelos republicanos Câmara dos Representantes dos EUA declarou na quinta-feira que pretende criar uma comissão de investigação para esclarecer o que aconteceu às dezenas de milhares de milhões de dólares em dinheiro e armas que o presidente Biden enviou à altamente corrupta Ucrânia.

Uma reacção interessante ao ataque de mísseis também veio do antigo chefe do conselho municipal da grande cidade polaca de Lublin, Jaroslaw Pakula, que apelou a uma revisão da política da Polónia em relação à Ucrânia no Facebook [3].

“Não compreendo de todo as acções do nosso presidente e do nosso governo… Este é um míssil ucraniano. Isto é uma provocação por parte das autoridades ucranianas… O míssil não poderia ter sido lançado acidentalmente a 100 km na direcção oposta. O objectivo da provocação é acelerar a entrega de armas à Ucrânia, intimidar a Europa com uma Rússia assustadora, para que a sociedade civil exija que os governos europeus aumentem a ajuda à Ucrânia. Hoje, o nosso presidente não deveria tentar tranquilizar-nos com histórias como “quando o míssil atingiu, não foi tanto a explosão de explosivos mas sim de combustível” e “foi um acidente”, mas deveria deixar claro a Zelensky que a Polónia não tolerará mais tal comportamento por parte das autoridades ucranianas! Peço-vos que reconsiderem a posição da Polónia nesta guerra no caso de a linha vermelha ser novamente ultrapassada!”

Aparentemente, a relação entre a Polónia e a Ucrânia abaixo do nível de governo não é toda solarenga. Parece estar a ferver um pouco.

Embora fosse claro em toda a NATO em poucas horas que o ataque com mísseis na Polónia não foi um ataque russo mas um acidente causado por um míssil antiaéreo ucraniano, de Washington a Londres e de Berlim a Varsóvia, a narrativa tem sido que a Rússia é, no entanto, a culpada, incluindo pela morte dos dois polacos inocentes. Como é que isso funciona, pode-se perguntar? Muito simplesmente, se os russos não tivessem lançado mísseis, a Ucrânia não teria tido de lançar um S-300 defeituoso.

De acordo com esta lógica, porém, os EUA são os culpados pela morte dos dois polacos, porque a cadeia de acontecimentos não começou apenas esta semana. Pois se os EUA não tivessem orquestrado o violento golpe na Ucrânia em 2014 e ajudado os nazis ao poder, não teria havido opressão dos ucranianos orientais no Donbass e, por conseguinte, nenhuma operação especial russa para impedir o bombardeamento de civis no Donbass pelos ukro-nazis, e então os russos não teriam tido de disparar mísseis.

Esta lógica insana das bestas dos serviços de inteligência da NATO também pode ser aplicada a outros acontecimentos, por exemplo, o 11 de Setembro de 2001. De acordo com a sua lógica, o próprio governo americano é culpado pelos ataques terroristas, porque se não tivesse fomentado e travado guerras e terror em todo o Médio Oriente, ninguém teria tido a ideia de levar a cabo ataques terroristas contra o World Trade Center.

Imagem de capa por Tim Dennell sob licença CC BY-NC 2.0

Peça traduzida do alemão para GeoPol desde Apolut


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Rainer Rupp
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply