Joe Biden e a “crise energética” no Ocidente

Salman Rafi Sheikh

Doutorando na SOAS University of London


O fracasso diplomático de Biden na Arábia Saudita poderia traduzir-se num fracasso muito mais amplo da sua presidência em manter aliados com Washington


A decisão da OPEP+ de introduzir um corte profundo na sua produção de petróleo foi definitivamente um choque para o Ocidente (os EUA e a UE). Os democratas norte-americanos, incluindo Joe Biden, foram rápidos a apontar os dedos à Arábia Saudita como culpada. De facto, muitos democratas já estão a exigir que o Reino seja penalizado pelas suas acções. Um projecto de lei já foi introduzido no Congresso dos EUA por alguns democratas sugerindo que Washington retirasse as tropas dos EUA da Arábia Saudita “no meio de um corte drástico na produção de petróleo“. Mas o facto de os democratas, incluindo o próprio Biden, estarem a sinalizar a Arábia Saudita nada mais é do que uma táctica política que ajuda o partido no poder a desviar a atenção do fracasso diplomático da presidência Biden para melhorar os laços dos EUA com a Arábia Saudita. De facto, tal como está, a administração Biden é directamente responsável por afastar a Arábia Saudita, implicando directamente Muhammad bin Salman (MBS) no assassinato de Jamal Khashoggi.

Mas Biden percebeu, logo após o início do conflito Rússia-Ucrânia, que Washington precisa da ajuda de Riade contra Moscovo. Com isso em mente, fez uma visita à Arábia Saudita em julho e informou ter tido uma conversa cordial com MBS. Mas essa conversa, como é evidente agora, não produziu qualquer resultado significativo, levando muitos nos EUA a questionar a diplomacia de Biden, incluindo a sua decisão de tornar público o relatório de assassinato, alegando fazer da Arábia Saudita um estado “pária” e acabando depois por visitar a Arábia Saudita para o alistar como aliado contra a Rússia. O fracasso desta massiva u-tun levou agora os Democratas e alguns aliados da Casa Branca a negar que o objectivo da visita de Biden era a produção de petróleo. Dizem agora, como meio de mascarar o fracasso de Biden, que o objectivo da visita era “o Médio Oriente” e as relações com Israel.

Mascarar este fracasso foi/é crucial na medida em que se receava que este fracasso – e o subsequente aumento dos preços da energia – causasse danos significativos aos democratas nas eleições intercalares. Por outras palavras, a administração Biden acredita agora que os sauditas estão deliberadamente a criar condições para que os democratas percam a maioria no Congresso dos EUA e para que Biden acabe por perder as eleições presidenciais. Muitos na Casa Branca acreditam que os sauditas estão a fazê-lo como resultado da adesão de Riade ao “nexo russo”.

Por outras palavras, os democratas, em vez de se aperceberem do seu próprio folclore, estão a usar a profunda russofobia embutida nos EUA para explicar a ‘crise energética’. Mas é pouco provável que esta estratégia funcione, pelo menos em termos de ter ou não um impacto nas políticas sauditas. De facto, Riade não se está a retrair. Há uma reacção por parte deles, tornando muito mais complicado e difícil para Washington gerir a crise do que tem sido o caso.

A 13 de outubro, funcionários sauditas rejeitaram as alegações dos EUA de que Riade estava necessariamente a trabalhar em conjunto com Moscovo. O funcionário saudita foi rápido em salientar que a decisão da OPEP+ foi a opinião unânime dos membros do grupo e que considerações puramente económicas, em vez de geopolíticas, estavam por detrás disso. O funcionário saudita também fez uma revelação surpreendente de que a administração Biden tentou de facto convencer Riade a adiar a decisão da OPEP+ por um mês, expondo assim a mentira da Casa Branca de que o objectivo da visita de Biden não era “petróleo” e que a visita não foi um fracasso.

As revelações sauditas não só revelam que os laços EUA-AS, pelo menos no cenário actual, são sustentados pelo petróleo, mas que Washington falhou completamente em fazer um seus antigos e mais próximos aliados a seguir a sua linha de política externa. Este fracasso, por outras palavras, mostra o desaparecimento rápido e contínuo da influência global dos EUA. A decisão de se retirar da Arábia Saudita e do Médio Oriente, neste contexto particular, apenas irá acelerar esta queda.

Mas Biden está no bom caminho para contribuir para esta queda, uma vez que pretende tornar-se um pouco mais agressivo para com os sauditas. De facto, foi isto que Biden disse numa recente entrevista à CNN: “Vai haver algumas consequências para o que eles (sauditas) fizeram, com a Rússia”. Não vou entrar no que eu consideraria e no que tenho em mente. Mas vai haver – vai haver consequências”. Um funcionário da Casa Branca esclareceu mais tarde que a administração Biden iria analisar de novo os laços dos EUA com a Arábia Saudita para avaliar se estes laços serviam ou não os interesses de segurança nacional dos EUA.

No entanto, o fracasso em convencer os sauditas também tem repercussões noutros locais, especialmente na Europa. Muitos estados europeus já estão a comprar gás aos EUA para reduzir/terminar a sua dependência da Rússia. Mas isto não pôs fim à sua “crise energética”, na medida em que as empresas americanas estão a cobrar preços extremamente elevados. O ministro alemão da Economia acusou os EUA de cobrarem preços “excessivos” do gás que estão a importar. Isto levou muitos na Europa a acreditarem que os EUA efectivamente os jogaram.

Enquanto os europeus estavam felizes por pagar o preço elevado para terem gás suficiente para fornecer para uso residencial durante a próxima estação de Inverno, ainda não têm gás suficiente para fornecer à indústria. Esta recessão industrial vai ter um forte impacto na economia europeia, com consequências políticas a seguir inevitavelmente. A instabilidade económica já está a conduzir à instabilidade política no Reino Unido. Se isso se espalhar, a Europa poderá ser forçada a rever os termos da sua aliança com os EUA e/ou a sua posição sobre o conflito Rússia-Ucrânia. Uma tal revisão também pode ter lugar quando os europeus se aperceberem que a administração Biden utilizou o seu apoio apenas para lhes vender gás caro e manter a indústria norte-americana a funcionar à sua custa.

Por outras palavras, o fracasso diplomático de Biden na Arábia Saudita poderia traduzir-se num fracasso muito mais amplo da sua presidência em manter aliados com Washington.

Imagem de capa por Patrick Hesse sob licença CC BY-NC-ND 2.0


Peça traduzida do inglês para GeoPol desde New Eastern Outlook


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Salman Rafi Sheikh
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply