Putin namorisca com a Liga Árabe de 22 nações para a “nova ordem multipolar soberana”

Alfredo Jalife-Rahme

Analista geopolítico, autor e docente


Até a revista The Economist admite que a crise energética e a geopolítica criam uma nova face do Golfo Pérsico, que será “mais rico, mais poderoso – e mais volátil”


O discurso meta-histórico de Putin no Club Valdai onde propôs a nova ordem financeira global da multipolaridade soberanista (bit.ly/3TWMjSi) ainda está a reverberar.

À escala global, Nikolay Patrushev do compacto Grupo de São Petersburgo, responsável pelo Conselho de Segurança, criticou os EUA por terem minado a estabilidade estratégica que catalisou a crise global, a fim de impor o seu domínio (bit.ly/3hfoEy3). À escala regional no Médio Oriente, as eleições em Israel deram impulso a Netanyahu – um aliado de Trump e do seu genro Jared Kushner – sustentado por sionistas religiosos (sic), como novo primeiro-ministro (bit.ly/3t4asdY). O Brasil não é Israel.

No Líbano – talvez o país mais anti-gravitacional da Via Láctea – o vácuo do seu ramo executivo está a aprofundar-se em busca do seu outrora lendário equilíbrio perdido, enquanto no Ocidente (seja o que for que isso signifique), a guerra de propaganda está a intensificar-se, com a dupla anglo-saxónica a predominar (https://bit.ly/3fAgqjs).

Em contraponto, Putin está a jogar a carta árabe ao expressar na véspera da 31ª Cimeira da Liga Árabe na Argélia a sua vontade de aprofundar os laços da Rússia com os 22 países que compõem a Liga (bit.ly/3WKjElk). Putin convidou os quase (sic) 500 milhões de habitantes da 22ª Liga Árabe a formar um sistema multipolar de relações internacionais (bit.ly/3T2s18E).

A Liga Árabe tem mais de 406 milhões de habitantes, uma maioria sunita muçulmana – 15 milhões de cristãos (3,7%) cada vez mais diminuída pelas guerras ocidentais a favor da liberdade no Iraque e na Síria – com um PIB nominal de 2,7 biliões de dólares ($2.7 trillion – oitavo no mundo!) e 13,1 quilómetros quadrados de terra (bit.ly/3DIvL9T). A Liga Árabe é nostálgica pelo seu passado brilhante e negligenciou o seu potencial encontro com o seu futuro promissor.

Putin considerou que “as questões políticas e militares enfrentadas pelo Norte de África e pelo Médio Oriente – incluindo as crises na Síria e na Líbia e os conflitos no Iémen e em Israel com a Palestina – devem ser resolvidas no pleno respeito pela soberania (sic) e pela integridade territorial dos países”.

A cimeira de dois dias da 22ª Liga Árabe na Argélia não contou com a participação da Síria, que tem estado suspensa desde 2011. O presidente palestiniano Mahmoud Abbas tinha anteriormente condenado a normalização das relações do Sudão com Israel (https://bit.ly/3fA3ASr). Para além do tema perene da 22ª Liga Árabe, foi também discutida a dupla grave crise energética e alimentar resultante da guerra na Ucrânia.

No seu 13º boletim de subscrição, o portal francês de Thierry Meyssan, Réseau Voltaire – classificado em primeiro lugar no ranking geopolítico global – resume muito bem a situação actual no Médio Oriente e Norte de África. Felizmente, os participantes na cimeira da Argélia recuperaram a memória de que a Palestina ainda existe. O documento final da Cimeira da Liga Árabe não incluiu uma condenação da Etiópia, embora reflectisse os argumentos do Sudão e do Egipto contra a construção da Barragem do Renascimento do Rio Nilo (Réseau Voltaire). Houve demasiadas questões para a reunião de dois dias dos 22 países, onde se pronunciaram a favor do regresso dos refugiados sírios ao seu país de origem.

Para além do espectacular Campeonato Mundial de Futebol no Qatar, onde, curiosamente, os Estados Unidos têm a sua principal base militar no Golfo Pérsico, hoje o centro de gravidade financeiro da Liga Árabe é detido pelas seis petro-monarquias do Golfo Pérsico, devido à crise energética global como reverberação da guerra na Ucrânia. Até a revista monárquica globalista The Economist admite que a crise energética e a geopolítica criam uma nova face do Golfo Pérsico, que será “mais rico, mais poderoso – e mais volátil” (econ.st/3E2SkXT), com uma bonança de 3,5 biliões de dólares!

Por enquanto, o Irão – que não é um país árabe – já alcançou um espantoso décimo primeiro lugar no PIB global com 1,9 biliões de dólares, de acordo com dados do FMI de 2022, apesar das sanções ocidentais, mas graças ao gás.


Peça traduzida do espanhol para GeoPol desde La Jornada


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Alfredo Jalife-Rahme
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply