Crimes sexuais da ONU: o encobrimento draconiano de Guterres pode acabar em breve

A resposta da ONU para encobrir os crimes sexuais da ONU e punir os jornalistas pode estar a chegar ao fim, uma vez que há sinais de que os estados membros estão fartos. Irá o governo britânico liderar uma nova causa?


Por Martin Jay

É praticamente impossível hoje em dia procurar no Google a palavra “ONU” sem se deparar com a onda de artigos sobre os seus casos de assédio sexual, que nos últimos anos, sob a liderança de António Guterres, parece ter-se transformado em algo de pandémico. Mesmo apoiantes fiéis da ONU perguntarão a si próprios como pode uma organização global que se apresenta na cena mundial como árbitro dos direitos humanos, ser o pior infractor? Quando é que a organização atinge o seu ponto de viragem em termos de credibilidade, quando as notícias na imprensa dominante das forças de manutenção da paz da ONU que violam mulheres e crianças em focos de tensão africanos eclipsam a sua outra cobertura mediática e os seus objectivos?

Alguns poderão argumentar que já lá estamos, pois poucos acreditam na posição do novo chefe das Nações Unidas sobre a repressão ao assédio e exploração sexual, simplesmente higienizando o assunto com o seu próprio toque pessoal de preocupação e aparente zelo para o resolver. Razoavelmente, poderíamos perguntar se Guterres, com a sua chamada repressão, simplesmente lançou uma luz mais forte sobre a exploração sexual, pelo que as suas próprias iniciativas para investigar e expor os culpados dá a impressão de que os números estão a crescer ao ritmo alarmante que parecem ser? Estudos recentes mostraram que esta pandemia alastrou até ao assédio sexual e até à violação dentro dos próprios corredores da ONU, uma vez que os chefes da ONU escapam à acusação sob a sua imunidade e são mesmo ajudados por um sistema corrupto que destrói aqueles que apontam o dedo. Os números falam por si. Um estudo recente mostrou que tanto como um TERÇO das trabalhadoras nas agências da ONU tinha sofrido alguma forma de assédio sexual no escritório. E os números daqueles que o processo interno da ONU apanhou? Nem sequer um.

O argumento de que estes novos números alarmantes poderiam ser devidos a uma nova campanha de sensibilização do próprio chefe da ONU poderia ter resistido bem se não fosse o espectacular fracasso da ONU em fazer justiça aos autores de crimes sexuais, o apoio do chefe da ONU a uma caça às bruxas draconiana e vil contra jornalistas de investigação que a expõem e, talvez mais importante ainda, o próprio passado e a própria relação com a corrupção.

A vingança do chefe da ONU contra o jornalista

Guterres tem um enorme problema de corrupção no seio da ONU com o assédio sexual no seu cerne, mas é o seu próprio toque pessoal para com os jornalistas que desejam investigar mais a fundo que é realmente o problema.

Segundo um deles, uma organização com sede em Lisboa que pagou a Guterres em 2016 – mas que o jornalista afirma não ter declarado como rendimentos – está a ser ligada a Patrick Ho, o homem de negócios político de Hong Kong que está agora na prisão por subornar funcionários da ONU. As perguntas sobre um acordo proposto pela organização de Lisboa para a venda de um serviço de energia a uma empresa chinesa em 2018 continuam a ser uma nuvem negra que paira sobre o chefe da ONU que parece, pelo menos, ter quebrado o molde da corrupção, em comparação com Ban Ki-moon e Kofi Anan antes dele.

O jornalista que destapou o mau cheiro das suas ligações à mina de ouro de Lisboa e que continua a expor escândalos sexuais e o tsunami de encobrimentos de Guterres e a sua administração é Matthew R Lee, que vive em Nova Iorque e é vítima de uma grotesca caça às bruxas maquiavélica que normalmente se associaria a países que a ONU assiste em África, onde os jornalistas são espancados, torturados e finalmente acabam por desaparecer.

Lee relata sobre corrupção e escândalos da ONU e quer permanecer objectivo e não cair na armadilha que quase todos os jornalistas caem quando se deslocam para cobrir organizações multinacionais como a ONU ou a UE: tornar-se uma extensão da propaganda da organização.

Ele é o único jornalista que se recusa a ser alimentado à colher e a responsabilizar a ONU por subornos e encobrimentos desde o coração da sua instituição, na sua sede em Nova Iorque. Mas como é que Guterres reage ao facto de ser responsabilizado?

Desde julho de 2018, Lee teve a sua acreditação de imprensa revogada, na sequência de uma série de artigos de escândalos sexuais que publicou na Innercity Press.

Mas recentemente, se isso não fosse suficiente, o chefe da ONU foi mais longe, bloqueando Lee até mesmo o acesso em linha a briefings de imprensa e até o seu próprio sítio web a ser bloqueado.

Esta técnica é directamente retirada do manual de ditadores vis que optaram por poupar as vidas dos jornalistas que lhes causavam problemas, ostracizando-os da fonte de informação oficial. Quando uma instituição bloqueia o acesso de um jornalista, como parte da caça às bruxas, isto é invariavelmente seguido por desacreditar o seu trabalho, explicando que o trabalho do jornalista não pode ter qualquer credibilidade devido à falta de acesso a funcionários, briefings, etc.

Drogar e violar mulheres no Iraque

Lee afirma que a mais recente repressão contra ele – bloqueando-lhe o acesso a briefings online – veio depois da Inner City Press ter publicado a 23 de junho de 2020 em Telavive, um vídeo exclusivo da exploração sexual da ONU, que expôs os trabalhadores da organização que ainda estão na folha de pagamentos (Guterres nega-o).

Os trabalhadores da ONU que praticam agressões sexuais acreditam firmemente que a sua imunidade os protegerá de processos judiciais. Desde que permaneçam na folha de pagamentos da ONU.

Um escândalo mais recente envolveu o ex-agente da ONU Karim Elkorany por drogar e violar mulheres no Iraque. Lee afirma que “Tudo o que Guterres fez em relação a isso foi permitir que Elkorany voltasse para Nova Jersey”.

Curiosamente, Elkorany foi recentemente acusado não de violação ou agressão sexual, mas de mentir aos agentes do FBI que o entrevistaram em 2017. Não é claro como é que o sistema de imunidade os impediu de o fazer nessa altura, mas é provável que tivesse impedido uma acusação se Elkorany tivesse continuado a trabalhar para a ONU. Ele demitiu-se em 2018, tornando assim a sua imunidade inválida.

Mas estes casos e muitos outros mais, formam a base de uma política de “cobertura zero” que a ONU tem em matéria de relatórios aprofundados. Guterres e o porta-voz Stephane Dujarric recusaram todas as perguntas da imprensa sobre o assunto, tal como o fizeram sobre as ligações de Guterres com a CEFC China Energy, cujo representante da ONU Patrick Ho foi condenado por suborno/FCPA por violações na SDNY.

E, em consonância com um apagão total dos meios de comunicação social, a campanha contra Lee muda de velocidade.

A 5 de setembro, a Inner City Press solicitou o acesso, mencionando especificamente briefings em linha do tipo em que é autorizada a participar no FMI e na OMS.

Dujarric foi questionado sobre o assunto no briefing do meio-dia de 17 de setembro e disse: “O estatuto do Sr. Lee mantém-se inalterado”.

O caso contra Elkorany é importante uma vez que, até à data, de acordo com a investigação do autor, existem apenas três casos de violação da ONU que viram a luz do dia. O principal, que os críticos apontam ter levado 18 anos a resolver, foi contra um trabalhador refugiado empregado pela ACNUR. Dois factos espantosos emergem deste caso pelo observador erudito. Um, o investigador principal do caso interno que estava empregado e que parecia fazer um trabalho demasiado bom para estabelecer factos, foi despedido pelo chefe do ACNUR. E segundo, esse chefe na altura era António Guterres.

Um segundo caso de violação, que foi mais recente, e que foi levado a cabo numa agência da ONU na Suíça, ainda não foi resolvido, uma vez que beneficiou do tratamento total da máquina de encobrimento da ONU.

O padrão é sempre o mesmo com casos de violação e agressão sexual dentro da ONU e não se alterou. As investigações internas são concebidas para desacreditar e difamar as vítimas, se não mesmo destruir a sua confiança. São normalmente concebidas para proteger o perpetrador que é normalmente transferido para outro emprego de topo noutro país, enquanto a vítima é deixada a lutar com um sistema corrupto que, no final, lhe retira energia, dinheiro e auto-confiança – em muitos casos levando as vítimas a tornarem-se mentalmente instáveis e dependentes de ajuda profissional.

Relatório do parlamento britânico

Um relatório recente publicado pelo parlamento britânico a 15 de janeiro foi compilado por um grupo de deputados que desejam fazer algo sobre este tipo de encobrimento no sector da ajuda – e tem um capítulo específico sobre a ONU e a sua incapacidade de investigar com justiça e processar os perpetradores – faz declarações ousadas sobre o apoio às vítimas com um mecanismo genuíno que as pode ajudar. Apela também ao levantamento da imunidade dos funcionários da ONU e apela ao próprio governo do Reino Unido para liderar uma iniciativa que reprime os terríveis casos de milhares de vítimas de agressão sexual, exploração e violação, tanto pelos trabalhadores humanitários no terreno como pelos funcionários da ONU. É um passo na direcção certa, pois as vítimas do encobrimento da ONU queixam-se sempre – e com razão – que a ONU se safa desta prática repugnante para proteger os seus próprios funcionários, principalmente (homens) com um livro de regras de balneários que lhes permite explorar sexualmente os funcionários de escritório sem absolutamente nenhum receio de jamais serem processados. Isto tem de acabar e a referência no relatório ao sistema de imunidade que está a ser levantado é encorajadora.

Mas não faz sentido os estados membros responsabilizarem a ONU se esta for autorizada a continuar sua prática maculada de destruir jornalistas que noticiam a sua corrupção. A campanha equivocada, assinada por Guterres, para encerrar Matthew R Lee é absolutamente vergonhosa e tem de ser exposta também pelos estados membros. Sem qualquer responsabilidade sobre a própria ONU e as suas práticas obscuras contra a imprensa, de pouco serve qualquer outra iniciativa. Em breve, as palavras “violação” e “ONU” vão ser tão complementares como “cavalo e carroça”. Se o governo britânico leva a sério as suas reivindicações no seu relatório de 70 páginas, deveria começar por não permitir que Guterres continue com a sua vingança pessoal contra um jornalista que relata a sua própria negligência e não apoiar um segundo mandato para o Sr. Guterres, que está atolado em escândalos de corrupção, encobrimento e suborno.

Traduzido de Strategic Culture

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube