Rolf Mützenich e a lista de terror da Ucrânia

Wolfgang Bittner

Wolfgang Bittner

Escritor e antigo advogado


A ameaça é ainda grave e está a ser escandalosamente minimizada por uma maioria de políticos e jornalistas - no quadro da "solidariedade inquebrável" com a Ucrânia imposta por Washington


Em julho deste ano, um tal "Centro de Combate à Desinformação" ucraniano, subordinado ao Conselho Nacional de Segurança e Defesa do presidente Volodymyr Zelensky, publicou uma lista negra que incluía também personalidades da Alemanha, entre elas o líder do grupo parlamentar do SPD Rolf Mützenich. A lista com nome, fotografia, título do trabalho e uma breve explicação da "má conduta" esteve disponível na internet durante cerca de três semanas.

O chefe do Centro de Combate à Desinformação, Andriy Shapovalov, descreveu as pessoas da lista negra como "terroristas da informação" que devem esperar ser processados como "criminosos de guerra". A isto, Scott Ritter, antigo oficial de inteligência do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA e inspector de armas da ONU, que também está preocupado, escreveu que a Ucrânia "no passado transformou 'listas negras' deste tipo em 'listas de morte', para que aqueles que se pronunciam contra as políticas do governo ucraniano sejam assassinados ou ameaçados de violência".

Rolf Mützenich, que se sente ameaçado, afirmou numa convenção de debate do SPD no dia 5 de novembro:

"Já me irritou o facto de ter sido colocado numa lista de terror pelo governo ucraniano com o argumento de que estou a defender um cessar-fogo ou a possibilidade de tomar outras medidas diplomáticas através de cessar-fogos locais".

E acrescentou:

"Com base no facto de sermos colocados na lista de terroristas do governo ucraniano, também recebemos ameaças secundárias, por assim dizer. Não é exactamente fácil lidar com nenhum dos dois".

Seguiu-se uma verdadeira campanha contra Rolf Mützenich. Representantes do governo ucraniano negaram a existência de tal lista de terror, apesar das provas claras. O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Oleh Nikolenko, afirmou no Facebook:

"O governo ucraniano não mantém uma lista de terror".

E o ex-embaixador ucraniano na Alemanha, Andrij Melnyk, atacou Mützenich no Twitter:

"Não existe uma 'lista de terror' do governo ucraniano. Pare de se apresentar como uma 'vítima inocente' por uma vez".

Nos media alemães, Mützenich foi acusado, entre outras coisas, de "falsas acusações" e questionou-se se a lista negra ucraniana é uma lista de terror. O Tagesspiegel intitulou "Mützenich perturba a Ucrânia", no Frankfurter Allgemeine Zeitung ele foi acusado de aumentar a "desconfiança" da Ucrânia em relação à Alemanha, o Zeit insinuou que "Mützenich perturba a Ucrânia com alegações de "lista de terror"" e que a indignação do Spiegel Mützenich é "detonada".

O [principal telejornal público] ARD Tagesschau disse:

"Propaganda e desinformação - já eram uma parte importante da guerra híbrida contra a Ucrânia antes do início da guerra no leste da Ucrânia, em 2014. Conduzido não só no campo de batalha, mas também no espaço de informação, nos meios de comunicação, na internet, na Ucrânia, mas também no estrangeiro. Já durante os protestos das Maidan em Kiev no Inverno de 2013, a Rússia espalhou a alegação de que se tratava de um golpe fascista. Um mito… A Ucrânia também se vê a si própria numa guerra de informação - e está a tentar vencê-la. O 'Centro de Combate à Desinformação' é apenas uma contra-medida".

Obviamente, o objectivo é desacreditar e silenciar Rolf Mützenich, um dos poucos políticos em Berlim que ainda são sinceros. Embora o líder do partido SPD Lars Klingbeil tenha tomado uma posição a favor de Mützenich:

"Para ser bastante claro, um líder do partido parlamentar do SPD, a maior facção governamental, não pertence a essa lista. E ele tem a total solidariedade do SPD, estamos todos do vosso lado".

Mas o que é que esta declaração, que dificilmente se tornou pública, alcançou? A ameaça é ainda grave e está a ser escandalosamente minimizada por uma maioria de políticos e jornalistas - no quadro da "solidariedade inquebrável" com a Ucrânia imposta por Washington - em detrimento das pessoas afectadas.

É de notar que a exibição de pessoas que falaram criticamente da política ucraniana numa lista de terror é uma vergonha e um sinal claro das condições reais na Ucrânia. Embora esta lista de inimigos tenha sido retirada do site do Centro de Combate à Desinformação, é claro que não desapareceu. Continua a circular e ainda pode, por exemplo, ser acedido num arquivo para ver o estado anterior de um sítio web. O facto de ainda estar a ter efeito é demonstrado pela situação de ameaça de que não só Rolf Mützenich e Scott Ritter falam. Em vez de levar isto a sério, é simplesmente relativizado e apresentado como um exagero - um sinal da depravação de pessoas politicamente responsáveis e dos seus meios de comunicação social.

Imagem de capa por NATO North Atlantic Treaty sob licença CC BY-NC-ND 2.0


Peça traduzida do alemão para GeoPol desde NachDenkSeiten


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Wolfgang Bittner
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply