A Ucrânia chantageia o Sul Global ao exigir armas por trigo

Andrew Korybko

Andrew Korybko

Analista geopolítico norte-americano sediado em Moscovo


O chamado “impasse” na resolução da crise alimentar global é tão artificialmente fabricado como as suas origens, desde que Kiev declarou agora oficialmente que não retomará as exportações de trigo por mar para o Sul Global, a menos que receba primeiro mísseis anti-navios


O embaixador da Ucrânia na Turquia, Vasily Bodnar exigiu oficialmente armas em troca da retomada das exportações de trigo por via marítima, o que equivale à chantagem flagrante ao Sul Global no meio da crise alimentar artificialmente fabricada. Ele disse que “são necessárias garantias de segurança eficazes para que os carregamentos marítimos sejam retomados”. Estas garantias devem ser fornecidas através do fornecimento de armas adequadas à Ucrânia para proteger as suas costas contra ameaças marítimas e o envolvimento das marinhas de países terceiros na protecção da parte relevante do Mar Negro”. Isto desmascara de forma extensiva as notícias falsas da imprensa ocidental, liderada pelos EUA, de que a Rússia é a que supostamente mantém o Sul Global refém, ao alegadamente bloquear os portos ucranianos.

O contexto de fundo é que o embaixador russo na ONU Vasily Nebenzya já explicou as origens artificialmente fabricadas da crise alimentar global no final do mês passado. Em suma, ele culpou-a às consequências económicas causadas pela resposta do Ocidente à COVID (particularmente no que diz respeito ao aumento da inflação e influência na procura de alimentos); à exploração mineira dos seus próprios portos pela Ucrânia; e às sanções anti-russas. O presidente Putin reiterou posteriormente estas causas numa entrevista televisiva que deu pouco mais de uma semana depois, no mesmo dia em que se encontrou com Macky Sall, o presidente da União Africana. O seu convidado deu crédito à explicação do Kremlin ao declarar que “as sanções anti-Rússia pioraram esta situação e agora não temos acesso aos cereais da Rússia, principalmente ao trigo”.

Durante todo este tempo e apesar das origens artificialmente fabricadas da crise alimentar que estão totalmente fora do controlo da Rússia, Moscovo tem feito o seu melhor para encorajar Kiev a, no mínimo, retomar as suas exportações de trigo para o Sul Global. Para o efeito, propôs quatro corredores potenciais: o Mar de Azov; o Mar Negro; por terra, através da Bielorrússia, a caminho dos portos do Báltico; e através da Europa Ocidental. Basta dizer que Kiev recusou categoricamente empregar qualquer um destes meios, embora também valha a pena notar que Nebenzya mencionou no seu discurso no final do mês passado que a Rússia tem “suspeitas razoáveis” de que Kiev está a exportar trigo para os países da Europa Ocidental que já possuem reservas copiosas deste produto, em troca de armas exactamente como aconteceu com as Potências Centrais perto do final da Primeira Guerra Mundial.

Isto sugere que a UE está a armazenar trigo que nem sequer precisa para o manter fora do mercado global, talvez para mais tarde “recompensar” governos cumpridores em todo o Sul Global com algumas migalhas em troca de lhe oferecerem acesso privilegiado aos seus recursos naturais, que o bloco está a procurar substituir da Rússia depois dos EUA o terem coagido a “desacoplar” unilateralmente daquele país. Seja como for, Kiev poderia ainda em teoria, simplesmente exportar o seu trigo através do Mar de Azov, recentemente controlado pela Rússia, mas recusa-se a fazê-lo a menos que receba mísseis anti-navios. A razão pela qual está a fazer tal exigência neste momento particular é porque as conversações entre a Rússia e a Turquia sobre a criação do chamado “corredor dos cereais” no Mar Negro parecem estar a fazer progressos.

O plano relatado que ainda não foi oficialmente confirmado é que a Turquia ajude Kiev a desminar as águas perto de Odessa e depois escoltará os seus navios com grãos para águas internacionais, após o que os navios de guerra russos os escoltarão até ao Bósforo. De facto, muitos acreditam que foi precisamente este plano que levou o ministro dos Negócios Estrangeiros Lavrov a visitar a Turquia na quarta-feira a fim de discutir mais intimamente os seus detalhes mais sensíveis. Após a conclusão das suas conversações, ele disse que a Rússia concordou em garantir a segurança dos navios de cereais ucranianos, mas manifestou pessimismo quanto à vontade de Kiev de levar por diante esta proposta. No entanto, é intrigante salientar que o ministro turco da Agricultura e Florestas anunciou, no dia anterior, que Kiev concordou em dar ao seu país um desconto de 25% no trigo.

Isto indica que Kiev poderá, de facto, estar a encarar seriamente esta proposta, embora a sua inesperada procura pública de armas em troca da retomada da exportação de trigo por via marítima possa significar que acredita que o acordo está suficientemente próximo para que alguém no Ocidente liderado pelos EUA lhe dê o que quer para que isso aconteça. Deve ser dito, no entanto, que não existe qualquer ligação objectiva entre os mísseis anti-navio e o reinício da exportação de trigo por mar, uma vez que o plano proposto apela à Turquia, membro da NATO, para escoltar os navios de Kiev até às águas internacionais, após o que serão escoltados por navios de guerra russos até ao Bósforo. Não há nenhum cenário credível em que a Rússia ataque a Turquia, especialmente não depois de cooperar com ela para alcançar este acordo, pelo que Kiev não precisa realmente de mísseis anti-navio para a sua segurança.

A conclusão é que o chamado “impasse” na resolução da crise alimentar global é tão artificialmente fabricado como as suas origens, uma vez que Kiev declarou agora oficialmente que não retomará as exportações de trigo por mar para o Sul Global a menos que receba primeiro mísseis anti-navio. Tudo o que a imprensa ocidental liderados pelos EUA tinham afirmado sobre a Rússia ter feito reféns os países em desenvolvimento, é na realidade verdade dos seus procuradores em Kiev, o que o presidente da União Africana Sall já tinha percebido, daí que tenha alargado a sua credibilidade às afirmações do Kremlin de que não é responsável por esta crise. Agora que Kiev mantém oficialmente o Sul Global refém, estes países não têm qualquer razão para voltar a confiar nos seus patronos ocidentais depois de terem aprovado a sua procuração de exportação de armas alimentares para os países em desenvolvimento.


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Andrew Korybko
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply