Os EUA ‘permitem’ à Venezuela exportar petróleo

Peter Haisenko


A arrogância imperial dos EUA é intolerável. Atrevem-se a proibir ou permitir o comércio com países estrangeiros sempre que lhes apetece. Com que direito é que fazem isto? Não com o direito internacional, em todo o caso


Desde há 60 anos, Cuba sofre de sanções impostas pelos EUA contra o Estado das Caraíbas. Cuba era o casino dos EUA, com todos os seus efeitos secundários, tais como drogas, prostituição, a máfia e lavagem de dinheiro. Castro pôs um fim a isto com a sua revolução. Porque ele lhes tinha tirado o recreio aos cavalheiros em Washington, estavam tão zangados que queriam levar a cabo um derrube violento. Mas a acção na “Baía dos Porcos” correu miseravelmente mal e assim, após a sua vergonha, os EUA impuseram embargos e sanções maciças contra Cuba. O objectivo era e é derrubar o governo eleito da Havana e substituí-lo novamente por um regime de apoio americano. Este objectivo não pôde ser alcançado durante os últimos 60 anos, embora estas sanções não tenham sido retiradas desde então.

O verdadeiro escândalo deste processo é que o Ocidente colectivo se submeteu a estes ataques de mão-dura e nem sequer protestou com seriedade contra eles, embora tudo isto tenha ido além de qualquer lei internacional. Os EUA ainda mantêm uma base militar em Cuba, nomeadamente Guantánamo. Os EUA têm ali operado uma prisão de tortura há mais de 20 anos, e o Ocidente tem permitido que isto continue sem protestos maciços. Afinal de contas, “nós” somos os bons da fita e estamos, portanto, acima do direito internacional.

As acções dos EUA violam o direito internacional

Quando Hugo Chavez foi eleito presidente da Venezuela em 2002, os americanos não gostaram nada. Chávez prosseguiu uma política que Washington não queria aceitar, e assim começou a ronda de sanções contra o país rico em recursos naturais. Desde então, a população tem tido de sofrer dificuldades porque Washington assim o quer. Evidentemente, o objectivo era, mais uma vez, derrubar o governo eleito. Tal como em todos os outros países aos quais os EUA impuseram sanções e embargos. O escândalo disto é… Veja-se acima. Quando Chávez já não podia exercer funções, a CIA lançou grandes operações no país que levaram à agitação. Washington, por sua vez, determinou autocraticamente que o não eleito Juan Guaidó era agora o presidente da Venezuela. Isto mesmo depois de Nicolás Maduro ter sido eleito presidente e desde então tem sido reeleito.

Nota lateral: Se escrever “venezuela president” no Bing, a primeira coisa que aparece é Juan Guaidó. Você que tire as suas concluões.

Após esta derrota dos EUA, a onda de sanções começou realmente. Em 2019, os EUA proibiram a Venezuela de exportar petróleo e outras mercadorias. Apoiaram isto com a ameaça da força militar. Não precisa de mais explicações de que esta acção dos EUA também viola todo o direito internacional. Os EUA arrogam-se a si mesmos o direito de decidir quem pode negociar com quem. Também aqui, o verdadeiro escândalo é… veja-se acima. E agora veio a crise da Ucrânia. Os EUA ordenaram mais sanções contra a Rússia e quiseram deixar de comprar petróleo à Rússia. Então os peritos aperceberam-se de que a qualidade do petróleo russo não pode ser substituída tão facilmente. É necessário, por exemplo, para a produção de gasóleo, incluindo parafina para aviões a jacto civis e militares.

Na sua angústia, os EUA pediram à Venezuela, sim, pediram à Venezuela, para voltar a fornecer petróleo aos EUA. O petróleo venezuelano é muito próximo, em qualidade, ao petróleo russo. No entanto, a Venezuela não pôde satisfazer este pedido porque as instalações de produção de petróleo já não eram totalmente produtivas devido aos embargos. Assim, Washington não só retomou calmamente as suas importações de petróleo da Rússia, como até as aumentou. A Europa, por outro lado, ainda sonha em prescindir completamente do petróleo russo. Para apoiar isto, Washington fez a próxima cara sobre o assunto.

Os “Ocidente dos valores” aprova a abordagem arrogante dos EUA

De acordo com os especialistas, os EUA querem libertar novamente as exportações de petróleo da Venezuela para a Europa a fim de compensar parcialmente as falhas de abastecimento da Rússia. A empresa de energia italiana Eni e a sua concorrente espanhola Repsol poderiam começar a transportar petróleo venezuelano para a Europa já no próximo mês, cinco pessoas familiarizadas com as deliberações disseram à agência noticiosa Reuters. Contudo, as quantidades são provavelmente bastante pequenas, disse uma delas. Também não é provável que haja qualquer impacto significativo sobre o preço do petróleo. A condição principal é que o petróleo só pode ir para a Europa e não ser vendido noutro lugar. Neste momento, porém, a Venezuela fornece a maior parte do seu petróleo à China, e os EUA não podem evitar isto sem arriscar um grave conflito com Pequim, o que não acabaria bem para os EUA.

Face a esta abordagem arrogante dos EUA, há que pensar no estado do Ocidente em termos de valores. Os “valores” do Ocidente são ditados exclusivamente pelos EUA, e isso de acordo com o que convém aos EUA neste momento. O direito internacional é violado quando o Ocidente o viola, mas é admoestado quando os EUA o querem utilizar contra outros. Mas quando a China, por exemplo, exorta outros a respeitarem o direito internacional, não se faz eco no Ocidente e nos seus meios de comunicação social. Pode dizer-se que o direito internacional enquanto tal já não existe. Foi substituída pelas “normas” que os EUA ordenam ao mundo que siga a seu bel-prazer. Em nenhum caso os EUA são aconselhados pelos Valores Ocidentais a respeitarem o direito internacional. Pelo contrário, o resto dos valores do Ocidente salta imediatamente para a ajuda dos EUA quando este país ordena repetidamente e com grande mão as sanções e embargos contra todo o direito internacional.

Para ilustrar isto mais uma vez com o comportamento actual em relação à Venezuela, descreverei o processo ultrajante de forma resumida. É eleito um presidente na Venezuela que não se adequa aos EUA. Este presidente não é, de forma alguma, hostil aos EUA. No entanto, Washington ordena sanções contra a Venezuela e o Ocidente dos valores segue o mesmo caminho. Depois disto não ter sido bem sucedido e de ter sido eleito mais um presidente que não quer submeter-se às ordens de Washington, os EUA ordenam o isolamento económico total contra a Venezuela. Isto também não conduz ao sucesso desejado. Então os EUA têm de perceber que precisam de petróleo da Venezuela. Pedem óleo e não o recebem. O mercado mundial do petróleo ameaça descarrilar. Para amortecer esta situação, os EUA permitem que a Venezuela exporte petróleo sob condições.

Neste ponto, toda a incoerência arrogante dos EUA torna-se aparente. Levantam parcialmente as sanções quando não o podem evitar. Assim, a Venezuela deve agora ser autorizada a entregar petróleo, mas todas as restantes sanções permanecem em vigor. Também permanece em aberto a questão de saber se a Venezuela poderá utilizar as receitas desta venda de petróleo ou se estas acabarão em contas “congeladas”, como tentaram fazer com a Rússia.

O objectivo mundial deve ser o de quebrar o poder dos EUA

Assim, os EUA têm a audácia de ditar aos países de todo o mundo com quem podem comerciar e se podem ou não comerciar de todo. É assim que um tirano imperial se comporta e o Ocidente dos valores segue silenciosamente com ele. Sempre na esperança de que isso não os afecte. Mas também não é esse o caso, como se teve de aprender com os acontecimentos em torno do Nord Stream 2. Os EUA também “castigam” os países que não cumprem as suas sanções de mão pesada. Para poder aplicar isto, os EUA mantêm de longe a maior máquina militar, que também é financiada para eles pelo resto do mundo. Ver aqui.

Portanto, só posso concluir que o objectivo mais urgente do mundo deve ser o de quebrar o poder dos EUA. Só então o mundo terá uma oportunidade de paz. Será isto irrealista? Certamente que não, porque tudo o que o mundo tem de fazer é insistir que os EUA equilibrem o seu comércio. Pois então os EUA não terão mais dinheiro para a sua insana ofensiva militar com a qual ameaçam e dominam o mundo. A propósito, a crise da Ucrânia mostra agora que o exército dos EUA só tem sucesso quando ataca países indefesos. As unidades de transporte aéreo já perderam o seu poder se forem utilizadas contra uma nação indefesa ou mesmo contra uma potência nuclear. A Rússia e a China têm nos seus arsenais armas que podem destruir formações de porta-aviões americanos em todos os mares do mundo com um só golpe.

Haverá então uma guerra nuclear? Provavelmente não, porque a Rússia tem agora sistemas de defesa que podem interceptar os mísseis que se aproximam. Mas a Rússia tem armas hipersónicas e o novo “míssil Sarmat” que pode atingir todos os cantos da terra. Altamente preciso e uma defesa não é (ainda) possível. Assim, os EUA farão mal ao diabo e arriscar-se-ão a uma guerra nuclear com Moscovo, pois então Washington deixará de existir e as formações de porta-aviões também. A Rússia, presidente Putin, está apenas a terminar o século americano. Quando isso for feito, o mundo pode respirar um suspiro de alívio. Pode então negociar novamente, para o bem de todos, sem que um império pérfido determine as “regras” apenas para seu próprio benefício. Então os países podem voltar a governar-se a si próprios sem o perigo de serem forçados a entrar na democracia com bombas. Sim, poderia chegar um belo momento em que o mundo finalmente acordasse e isolasse o mal que tem a sua casa em Londres e Washington. E em mais lado nenhum.

Imagem de capa por ervega sob licença CC BY-NC-ND 2.0

AnderWelt Online


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Peter Haisenko
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply