Rússia e Irão: Quão distantes de uma parceria estratégica?

Por Andrey Kortunov

Devemos definir as actuais relações Rússia-Irão como uma parceria estratégica ou antes como uma aliança táctica entre países com aspirações e ambições divergentes em matéria de política externa? Para responder a esta pergunta, devemos esclarecer o que significa realmente parceria estratégica nas modernas relações internacionais.

Em primeiro lugar, para construir uma parceria estratégica, os Estados devem ter uma vasta gama de interesses comuns a longo prazo – interesses que não dependem das modalidades da situação política actual ou das acções de quaisquer terceiros. Ter um inimigo comum ou experimentar problemas de política externa semelhantes não é suficiente para uma parceria estratégica. Os problemas de política externa vêm e vão, e um inimigo único poderia facilmente tornar-se um aliado no futuro.

Em segundo lugar, as duas partes devem perseguir grandes objectivos estratégicos, que só podem alcançar através de esforços conjuntos sustentados. Isto é o que distingue uma parceria estratégica de uma aliança táctica. Na política global de hoje, existem muitas alianças tácticas, mas as verdadeiras parcerias estratégicas continuam a ser raras.

Terceiro, para que uma parceria estratégica funcione, as duas partes necessitam de um quadro jurídico e regulamentar bem desenvolvido para servir a sua interacção, bem como de mecanismos eficazes de cooperação em vários domínios. As declarações políticas produzidas em cimeiras ou reuniões ministeriais são uma condição necessária, mas insuficientes para que surja uma parceria estratégica.

Em quarto lugar, uma parceria estratégica implica um elevado nível de confiança entre os líderes políticos dos países envolvidos na parceria e um elevado nível de afecto mútuo, compreensão e confiança entre as duas sociedades. Sem um amplo apoio público de ambas as partes, mesmo a mais calorosa das amizades entre os líderes nacionais, mesmo uma interacção constante entre as máquinas burocráticas de dois países não é suficiente para assegurar relações estáveis.

Será que temos estas condições prévias preenchidas nas relações russo-iranianas? Infelizmente, não. Na melhor das hipóteses, podemos argumentar que os dois lados fizeram algum trabalho de base inicial para que uma parceria estratégica apareça em algum momento no futuro.

Comecemos por ter interesses comuns. Na Rússia, enfatizam os interesses comuns dos dois países em contrariar as políticas hegemónicas dos Estados Unidos no mundo em geral e no Médio Oriente em particular. Observam também que a Rússia e o Irão enfrentam desafios comuns de radicalismo político e extremismo nos seus vizinhanças comuns – do Afeganistão à Síria. Ou seja, os russos atribuem prioridade às questões de segurança e geopolítica.

A Rússia e o Irão competem, directa ou indirectamente, nos mercados globais de hidrocarbonetos. Moscovo e Teerão não podem ter posições idênticas em muitas questões regionais, mesmo na Síria. O Irão é um país xiita, enquanto que a maioria dos muçulmanos russos são muçulmanos sunitas. Nenhuma destas muitas outras diferenças de interesses parece irreconciliável, mas indicam que o equilíbrio de interesses comuns, sobrepostos e divergentes entre a Rússia e o Irão é muito mais complexo do que parece aos que gostam de construções geopolíticas simplificadas. Ignorar esta complexidade, tornando um quadro de muitas cores a preto e branco, conduzirá a inevitáveis desilusões e problemas.

E os objectivos estratégicos comuns? Muitas das realizações da interacção Rússia-Irão, não obstante a sua cooperação bilateral, têm sido, em grande parte, de natureza conjuntural. Ao longo dos últimos trinta anos, esta cooperação tem-se limitado na sua maioria a reacções paralelas mais ou menos bem sucedidas dos dois países a problemas emergentes. Estes problemas têm sido numerosos e diversos: a guerra civil no Tajiquistão, a intervenção dos Estados Unidos e dos seus aliados no Iraque, a Primavera Árabe, as crises na Síria e no Iémen, etc. Deve ser dado o devido crédito aos diplomatas russos e iranianos que, em regra, conseguiram encontrar abordagens adequadas e mutuamente aceitáveis para problemas regionais extremamente complicados.

Ainda assim, uma interacção atempada em crises não cria uma parceria estratégica. Outro requisito são os objectivos estratégicos comuns; isto é, a existência de um programa de acção positiva a longo prazo, que antecipe as crises em vez de se limitar a reagir a elas. A elaboração de propostas conjuntas Rússia-Irão sobre a criação de um sistema de segurança regional colectivo no Golfo Pérsico poderia ser um passo promissor nesta direcção. A região da “Grande Ásia Central” poderia tornar-se outra área para a apresentação de iniciativas conjuntas a longo prazo. Num contexto mais amplo, seria extremamente importante comparar os pontos de vista de Moscovo e Teerão sobre como restaurar a capacidade de gestão do sistema internacional global como um todo.

A base legislativa para as relações Rússia-Irão é extremamente insuficiente (especialmente em comparação com áreas da política externa russa como as relações da Rússia com a União Europeia). O mesmo se passa com os mecanismos de implementação de interacção em várias áreas. Por exemplo, na esfera económica, existem muitas comissões, conselhos e fóruns bilaterais, mas em muitos aspectos, são entidades puramente nominais. Isto explica em parte o estado inaceitável das relações comerciais e económicas entre a Rússia e o Irão, tanto em termos de volume como de estrutura.

Nas suas relações económicas, a Rússia e o Irão seguem o caminho da menor resistência, limitando-se a grandes projectos individuais “showcase” realizados com um apoio governamental activo, como a Central Nuclear de Bushehr e a cooperação técnica militar. Em 2007, as partes previram grandes planos para aumentar o volume de negócios anual para 200 mil milhões de dólares em dez anos, com cooperação nas áreas da energia, transportes, medicina, biotecnologia, metalurgia, exploração espacial, etc. A maioria destes planos permanece apenas no papel. Em suma, é prematuro falar de uma parceria estratégica sem uma base económica sólida, sem grandes grupos de interesse em ambos os países a fazer lóbi em projectos conjuntos de grande escala numa vasta gama de áreas. Os dois lados deveriam conduzir uma análise bilateral das principais razões pelas quais as relações Rússia-Irão estão apenas “a fazer girar as rodas” e depois identificar medidas prioritárias para corrigir a situação.

O problema da confiança entre os povos da Rússia e do Irão continua por resolver, quanto mais não seja porque têm muito pouco conhecimento um do outro. O que eles sabem é muitas vezes “rumores” recebidos principalmente de fontes ocidentais, que nem sempre são objectivas, para dizer o mínimo. Além disso, a história das relações bilaterais Rússia-Irão tem várias páginas, e provavelmente seria errado afirmar que as velhas queixas, estereótipos e preconceitos que se formaram ao longo dos séculos não têm qualquer influência no estado de espírito do público. Mesmo nos últimos anos, as relações entre os dois países tiveram os seus pontos negativos: no Verão de 2010, por exemplo, quando a Rússia adiou o fornecimento de sistemas de mísseis S-300 ao Irão. Após esta decisão, muitos entre os conservadores iranianos concluíram que Moscovo só via Teerão como uma moeda de troca no seu maior jogo com o Ocidente. No campo dos reformadores iranianos, eles consideram frequentemente a Rússia como uma potência estagnada arcaica incapaz de oferecer ao Irão qualquer coisa de substância.

Em suma, as relações entre Moscovo e Teerão contêm muitos elementos positivos, mas ainda não atingiram o nível de uma parceria estratégica. Esta parceria dificilmente se concretizará sem esforços persistentes de ambos os lados, sem vontade política, sem se sentar e trabalhar nos erros cometidos, e sem trazer novos intervenientes – tanto na Rússia como no Irão. Com certeza, não se pode “construir” uma parceria como a que se constrói uma casa; deve-se antes abordá-la como uma planta viva delicada que necessita de irrigação, fertilização e cuidados por um jardineiro experiente, empenhado e paciente.

Fonte: RIAC

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube