Como o CCG está a beneficiar-se com o conflito Rússia-Ucrânia

Salman Rafi Sheikh

Doutorando na SOAS University of London


A forma como mudou o abastecimento e os preços mundiais do petróleo – colocou os principais actores mundiais produtores de petróleo no centro da geoeconomia global


Os conflitos militares são um negócio mortífero – e dispendioso – especialmente para aqueles que os combatem directamente. Mas estes conflitos também beneficiam outros directa e indirectamente. Os envolvidos no complexo industrial-militar beneficiam tanto de conflitos reais como potenciais. Esta tem sido a história mais famosa nos EUA e continua a ser na era actual, como expliquei numa peça anterior escrita para a NEO. Mas o conflito militar em curso entre a Rússia e a Ucrânia – especialmente, a forma como mudou o abastecimento e os preços mundiais do petróleo – colocou os principais actores mundiais produtores de petróleo no centro da geoeconomia global. Por um lado, a Rússia procura manter o pacto OPEP+ para manter níveis estáveis de produção, abastecimento e preços do petróleo. Por outro lado, os EUA e a UE querem que países como a Arábia Saudita e os EAU quebrem o pacto da OPEP+ com a Rússia e produzam mais petróleo. Os EUA e a UE também tentaram (sem sucesso) convencer estes Estados a impor sanções à Rússia e a aderir ao comboio EUA/UE de “castigar economicamente” Moscovo.

Mas os principais países da OPEP com sede no Golfo continuam a recusar-se a tomar partido no conflito. A Arábia Saudita, embora manifestando o seu apoio a uma resolução política do conflito, recusou-se a condenar a Rússia e/ou a impor sanções. O mesmo continua a acontecer com os EAU. No entanto, embora estes Estados não tenham imposto sanções à Rússia – e é pouco provável que o façam – as sanções da UE sobre o petróleo russo abriram certamente uma possibilidade para estes Estados capturarem o mercado europeu de abastecimento de petróleo/gás.

De olho em “novos horizontes de cooperação”, o emir do Qatar, Sheikh Tamim, visitou recentemente a Europa – o Reino Unido, Espanha e Alemanha especificamente – para projectar a capacidade do Qatar de fornecer gás a estes países e, assim, garantir a “segurança energética” destes países que tem sido “ameaçada” pelo conflito em curso na Ucrânia. Por outras palavras, o Qatar ofereceu a estes países o fornecimento de gás e, assim, ajudar a controlar a subida dos preços da energia – e da electricidade – em toda a Europa. Na sua viagem à Alemanha, o emir do Qatar confirmou que o seu país começará a fornecer gás natural liquefeito (GNL) à Alemanha até 2024. Este acordo está a ser visto como parte dos esforços da Alemanha para reduzir a sua dependência do gás russo, que constitui actualmente a maior porção (55% em 2021) do total das importações de gás alemão.

O Qatar já é responsável pelo fornecimento de quase 45% do gás do Reino Unido e o Estado do Golfo está a procurar aumentar as suas vendas na sequência da subida dos preços do gás no Reino Unido. Embora o aumento dos preços do gás beneficie os países produtores, o que também beneficia mais o Qatar é a capacidade de exercer maior influência no Reino Unido, aumentando assim o seu perfil global da mesma forma que se espera que a realização do Campeonato do Mundo de Futebol venha a fazer.

Outros estados do Golfo, como a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, também encontraram no conflito Rússia-Ucrânia em curso uma oportunidade para carimbar a sua importância como estados capazes de moldar a política global. Para além do facto de os EUA terem estado a cortejar, tanto directa como indirectamente, a Arábia Saudita para sair do acordo OPEP+, o facto de a Rússia também ter aumentado o seu envolvimento com eles aumentou a sua importância global, permitindo-lhes jogar “em segurança” em ambos os lados do conflito e mantendo aquilo a que até o Lavrov da Rússia chamou uma “posição equilibrada”.

A “posição equilibrada” do Golfo – especialmente por terem sido capazes de manter esta posição face à pressão dos EUA/UE – permitiu à Rússia exercer pressão para aprofundar os seus laços com eles. Como Lavrov afirmou durante a sua recente viagem ao Golfo, os laços da Rússia com os Estados do Golfo contrastam hoje em dia fortemente com os laços de Moscovo com o Ocidente. Para o citar,

“Reafirmámos o nosso enfoque no desenvolvimento global da nossa parceria, inclusive nas novas condições que estão a surgir na economia mundial no contexto das políticas dos nossos colegas ocidentais”.

Estas condições emergentes são um resultado da forma como os EUA estão a tentar obter o controlo total do mercado global de petróleo e gás para isolar completamente a Rússia. A resposta russa tem sido a de aprofundar ainda mais os seus laços com o mais importante – e maior – bloco destes produtores. Este jogo de geopolítica permitiu aos Estados do Golfo como a Arábia Saudita forçarem os EUA a restabelecer os seus laços com Riade – especialmente, em termos de forçar Biden a fazer reparações com Mohammad bin Salman (MBS). Os EAU, por outro lado, estão também a obter ganhos semelhantes em relação aos EUA, que muito recentemente se recusaram a vender os prometidos F-35 a Abu Dhabi, forçando este último a comprar os jactos franceses Rafael. Agora que os EUA precisam destes dois Estados contra a Rússia significa que ambos os Estados têm uma oportunidade até agora indisponível de extrair concessões cruciais de Washington.

Será que isso significa que os Estados do Golfo irão curvar-se perante os EUA? Continua a ser improvável. Os seus maiores benefícios são servidos jogando com as duas superpotências e procurando concessões de ambos os lados. A manutenção da OPEP+ também serve estes Estados na medida em que as economias destes Estados, apesar dos esforços significativos de diversificação – permanecem profundamente ligadas à riqueza do petróleo. Além disso, as sanções ocidentais ao petróleo russo permitirão automaticamente que estes Estados produzam mais petróleo. Embora dependa da sua capacidade real de produzir petróleo adicional, estes Estados ainda podem beneficiar de uma maior produção sem violar a OPEP+ e/ou incomodar os EUA/UE.

A manutenção dos laços com os EUA/UE serve também outros países. Quando Antony Blinken telefonou ao seu homólogo saudita na véspera da visita de Lavrov, ele estava interessado em discutir o Iémen e outras questões regionais, tais como o Irão e a “crise alimentar”. A resposta saudita mostrou que o apelo não teve qualquer impacto significativo na posição saudita sobre a guerra, tal como o ministro saudita dos negócios estrangeiros confirmou após o seu encontro com Lavrov que “a posição do reino relativamente à crise na Ucrânia baseia-se nos princípios do direito internacional e no apoio aos esforços destinados a alcançar uma solução política para a crise”, acrescentando que o Golfo continua unido na sua resposta e posição sobre a guerra, uma posição que inclui uma oferta de mediação entre Moscovo e Kiev.

Mas o apoio saudita a uma solução política fica muito aquém dos esforços de Washington para afastar estes Estados da Rússia. Isto levou Biden a contemplar uma visita a Riade e cortejar os sauditas – especialmente, o próprio MBS. Para MBS, esta oportunidade não teria chegado sem a guerra da Ucrânia, fazendo com que os sauditas contemplassem as melhores formas possíveis de fazer o melhor uso possível da guerra. Por agora, os sauditas – que lideram a “posição unida do Golfo” na guerra – emergiram como um equilibrista crucial entre o Ocidente e o Oriente. Esta é, em si mesma, uma oportunidade estratégica sem precedentes para projectar o Golfo como um actor global.

Imagem de capa por vobios sob licença CC BY 2.0

New Eastern Outlook

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Telegram, VK e Facebook

Autor

Salman Rafi Sheikh

Leave a Reply