Desconectar-nos do SWIFT? Não, não ouvimos falar nisso

O Parlamento Europeu aprovou outra resolução sobre a Rússia. Ela reflecte as principais reivindicações políticas contra Moscovo, que recentemente têm estado na agenda oficial da União. Estas incluem o agravamento da situação na Ucrânia, o “caso Navalny”, o escândalo diplomático entre a Rússia e a República Checa relativo à explosão de um armazém militar em 2014. A resolução continha propostas radicais. Desligar a Rússia do SWIFT e parar as importações de recursos energéticos no caso de um agravamento do conflito no Donbass, reconsiderar as relações entre a Rússia e a UE, desenvolver novos regimes de sanções, etc. Estas propostas geraram manchetes nos meios de comunicação social. No entanto, as bolsas de valores ignoraram-nas. A resolução não provocou quaisquer flutuações do rublo ou das fichas azuis russas. Porque é que isto aconteceu e deve a resolução ser levada a sério?

À primeira vista, a resolução confirma o elevado consenso de um dos principais órgãos legislativos da UE (juntamente com o Conselho). Foi adoptada por 569 votos a favor, 67 contra, e com 46 abstenções. Kiev e Praga congratulam-se com a resolução. As suas posições políticas estão reflectidas sem compromissos no documento, embora, por exemplo, no caso da explosão num depósito militar checo, não haja consenso, mesmo na própria República Checa. Para não mencionar a situação em torno do Donbass, onde a acumulação militar foi levada a cabo por ambos os lados. De acordo com uma tradição já estabelecida, a Rússia é declarada culpada de todos os problemas óbvios e percebidos. Naturalmente, o documento reflecte também o “caso Navalny”. Anteriormente, o Parlamento Europeu já tinha emitido duas resoluções. Uma relacionada com o alegado envenenamento, e a outra após a detenção do youtuber opositor russo Navalny. Foram também propostas em resoluções anteriores medidas duras contra Moscovo. De certa forma, a sua intenção é coerente com os projectos de lei americanos sobre “sanções draconianas”, como o DASKA: designar um “menor denominador” e possíveis medidas que a União Europeia poderia potencialmente tomar. A ameaça de desconexão da SWIFT foi a “cereja no topo do bolo”, o que, como se esperava, foi popular na repercussão dos meios de comunicação social.

No entanto, os mercados ignoraram a resolução do Parlamento Europeu. Há várias razões para tal.

Em primeiro lugar, o período de agravamento da situação no Donbass está claramente terminado. Sim, o problema em si não foi resolvido. O conflito irá arrastar-se durante muito tempo, e novas rondas de escalada ainda se farão sentir. Não há perspectivas para a implementação dos acordos de Minsk. No entanto, a perspectiva de um confronto militar aberto, que se esboçava no horizonte há um mês atrás, voltou a ficar em segundo plano. A diplomacia ucraniana não conseguiu alcançar progressos no sentido da revisão dos acordos de Minsk, embora tenha devolvido temporariamente o tema do Donbass à corrente política e mediática. A Rússia demonstrou que está pronta a equilibrar a acumulação militar no Donbass sem hesitação e a responder a uma possível tentativa de solução militar. A próxima ronda de exacerbação tem, até ao momento, efervescido sem conduzir a mudanças qualitativas no regime de sanções contra a Rússia, ou nas posições políticas dos partidos.

Em segundo lugar, é pouco provável que as propostas radicais do Parlamento Europeu encontrem uma resposta na Comissão Europeia e no Conselho da UE. O chefe da diplomacia da UE, Josep Borrell, já observou que as decisões sobre restrições ao SWIFT e ao Nord Stream 2 não são da competência da União Europeia. É óbvio que desligar a Rússia do SWIFT levará a perdas colossais tanto para os negócios russos como para as empresas da UE que fazem negócios com a Rússia. A recusa de aquisição de recursos energéticos russos também conduzirá a custos significativos. O projecto Nord Stream 2 continua a ser do interesse da União Europeia e da Alemanha. Além disso, a desconexão do SWIFT, tendo em conta as suas consequências para a economia russa, pode ser simplesmente entendida por Moscovo como um acto de agressão com todas as consequências políticas daí decorrentes. A UE está a perder a oportunidade de reforçar e promover o papel do euro como um instrumento mais desejável para os pagamentos internacionais. Em particular, a quota-parte do euro é susceptível de crescer no comércio entre a Rússia e a RPC, expulsando o dólar dos EUA. A manipulação com a SWIFT irá prejudicar os planos de Bruxelas de promover o euro a nível mundial.

Finalmente, em terceiro lugar, a verdadeira magnitude das contradições políticas entre Moscovo e Bruxelas não está claramente à altura de medidas tão radicais. Sim, as relações entre a Rússia e a UE estão num estado deplorável. O diálogo político desaba periodicamente no meio de acusações mútuas. Não há formas de resolver as mais graves contradições até agora. Contudo, o “nível de apoio” das relações existentes, embora más, ainda é forte e a sua “ruptura até ao fundo” ainda não se verificou, mesmo apesar de alguns choques locais recentes. O “caso do armazém” na República Checa não gerou uma reacção em cadeia pan-europeia e prejudicou sobretudo as relações bilaterais entre Moscovo e Praga. A maioria dos membros da UE não está ansiosa por se envolver neste escândalo. O caso Navalny continuará a ser um bem tóxico durante muito tempo. Mas também ainda não levou a mudanças fundamentais. Quanto à Ucrânia, Moscovo não está claramente ansiosa por se envolver num conflito militar, embora tenha demonstrado a sua força. Em certa medida, tais manifestações reduzem mesmo a probabilidade de um cenário de violência na resolução do conflito. Ao mesmo tempo, não trazem soluções políticas mais próximas. Em geral, os problemas existentes são em grande escala. O seu efeito cumulativo irá aumentar. Mas o seu peso para as medidas propostas na resolução do Parlamento Europeu não é claramente suficiente.

A única inovação que tem actualmente uma perspectiva política é a proposta de um novo mecanismo de sanções contra a corrupção. Um mecanismo semelhante foi recentemente estabelecido no Reino Unido. Implica o congelamento dos bens de pessoas suspeitas de terem ligações à corrupção. A Comissão Europeia pode muito bem desenvolver propostas para um tal mecanismo e submetê-lo à consideração do Conselho da UE. As hipóteses da sua aprovação são muito elevadas. No entanto, mesmo que seja utilizado contra indivíduos russos, o seu impacto nos laços económicos entre a UE e a Rússia será extremamente baixo. Esta pode ser a razão para o possível sucesso de tal ideia. A Comissão Europeia e o Conselho da UE mostrarão que são leais a pelo menos algumas das exigências do Parlamento Europeu. Ao mesmo tempo, a utilização do mecanismo permanecerá nas suas mãos, e os riscos para o negócio serão mínimos.

Moscovo tirará também as suas conclusões dos exercícios retóricos do Parlamento Europeu. Apesar de os riscos de implementar as recomendações dos parlamentares serem negligenciáveis, este é mais um incentivo para as autoridades russas continuarem a trabalhar numa infraestrutura financeira alternativa em parceria com os seus parceiros estrangeiros, que são também alvo de medidas restritivas unilaterais.

Fonte: RIAC

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube