Pressão crescente dos EUA torna laços China-Rússia mais diversificados

Por Andrey Kortunov

Dois meses após a inauguração do presente Joe Biden, com a poeira política em Washington a assentar, torna-se cada vez mais claro que a política da administração democrática dos EUA em relação à Rússia e à China contém mais elementos de continuidade do que elementos de mudança. Infelizmente, esta continuidade não é algo que eles gostariam de observar em Moscovo e Pequim.

Se alguém tinha esperanças que um rápido e incondicional acordo para a extensão do Novo START pudesse desencadear um diálogo EUA-Rússia renovado sobre estabilidade estratégica e controlo de armas, estas esperanças foram-se esfumaçando depois de o presidente dos EUA ter rotulado o seu colega russo de “assassino”. Biden também rejeitou inequivocamente a ideia de debates sobre segurança oferecida pelo presidente Vladimir Putin. Antes da reunião “2+2” o EUA-China em Anchorage, no Alasca, poderia ter havido expectativas de pelo menos um desanuviamento limitado entre Washington e Pequim. Mas agora depois deste encontro muito tenso e pouco produtivo, tais expectativas acabam de evaporar-se no ar.

Só se pode adivinhar por que razão a equipa Biden optou por continuar a abordagem de “dupla contenção” dos seus antecessores em relação aos principais adversários geopolíticos dos EUA com um zelo e vigor tão implacáveis. Talvez na Casa Branca tenham decidido que qualquer sombra de flexibilidade dos EUA seria interpretada em Moscovo e em Pequim como um sinal de uma fraqueza americana, e como um convite para procurar mais concessões por parte da administração. Talvez Biden esteja preocupado com potenciais críticas de que uma abordagem mais flexível poderia gerar reacções republicanas poderosas dos neocons no Capitólio e de um derrotado, mas ainda não completamente destruído politicamente, Donald Trump. Talvez, ao seguir esta linha dura, a nova administração pretenda demonstrar ao público norte-americano e aos aliados e parceiros americanos no estrangeiro o seu inquebrantável compromisso com os direitos humanos e a agenda de promoção da democracia.

De qualquer modo, com a mudança de guarda na Casa Branca, as regras do jogo no Grande Tabuleiro Eurasiático de Xadrez não mudaram nada. A administração Biden, tal como a administração Trump antes dela, continua a empurrar o mundo para uma nova bipolaridade. Não deve ser surpreendente, portanto, que o ministro dos Negócios Estrangeiros russo Serguei Lavrov tenha corrido para Guilin para se encontrar com o seu homólogo chinês Wang Yi, marcando a sua primeira visita ao país desde o surto do coronavírus.

O objectivo formal da viagem é discutir o 20º aniversário do Tratado de Boa Vizinhança e Cooperação Amigável entre a República Popular da China e a Federação Russa, assinado em julho de 2001. O tratado tem sido de facto uma realização notável das duas partes. Mas a conversa em curso entre Lavrov e Wang não se limita a expressões de admiração mútua; concentra-se principalmente em como Moscovo e Pequim poderiam trabalhar lado a lado, respondendo um ao outro à assertividade dos EUA. Há muitas formas de o fazer – desde a votação solidária em organizações internacionais até à coordenação de estratégias nacionais de informação, passando pelo trabalho com países com os mesmos interesses em todo o mundo e pelo intercâmbio das melhores práticas na prevenção da interferência dos EUA nos assuntos internos da Rússia e da China, respectivamente.

Nem em Moscovo nem em Pequim têm ilusões sobre as oportunidades de resolver os seus problemas com Washington em breve; os dois ministros dos negócios estrangeiros vão elaborar um modelo novo e melhorado da parceria estratégica bilateral para os próximos anos. Embora um interesse comum em responder à crescente pressão dos EUA não seja definitivamente o único motor do estreitamento dos laços económicos, políticos e militares entre a Rússia e a China, o factor EUA é um importante incentivo adicional para tornar estes laços mais diversificados e intensos.

Depois da China, o ministro dos Negócios Estrangeiros Lavrov fará uma paragem prolongada na Coreia do Sul. Aqui, mais uma vez, o ministro russo pode encontrar muitas questões para discutir com os seus anfitriões que pouco ou nada têm a ver com os EUA. Afinal, estamos a aproximar-nos dos 30 anos desde que as relações diplomáticas entre Moscovo e Seul foram estabelecidas – um jubileu notável e uma boa oportunidade para reflectir sobre os próximos 30 anos!

No entanto, dadas as circunstâncias, Lavrov tentará sem dúvida testar os limites da “autonomia estratégica” da República da Coreia (CS) em relação a Washington. É verdade que a RC é um aliado dos EUA e considera a América como o seu principal fornecedor de segurança. Ainda assim, Seul tem relações especiais com Pequim e Moscovo; estas relações especiais são aquelas de que a RC não está pronta a desistir. As relações económicas entre a RC e a China continuam a ser críticas para a prosperidade da Coreia do Sul. A abordagem sul-coreana à Coreia do Norte não é uma cópia a papel químico das posições dos EUA ou do Japão. É evidente que a liderança sul-coreana não está pronta a subscrever automaticamente qualquer nova política anti-russa ou anti-chinesa de Washington.

No final do dia, o resultado do Grande Jogo no Tabuleiro de Xadrez Global dependerá da existência de jogadores regionais suficientemente ousados para questionar o pensamento bipolar arcaico que emana hoje de Washington. O resultado da viagem de Lavrov a Seul poderá ser um caso interessante a observar.

Fonte: RIAC

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram e VK