Guerra à Rússia por causa do clima

“A América terá em breve um governo que trata a crise climática como a ameaça urgente à segurança nacional que é”. – John Kerry


Recentemente nomeado Enviado Especial do Presidente para o Clima, John Kerry anunciou a sua intenção de tratar a questão premente do aquecimento global como uma preocupação de segurança nacional. “A América terá em breve um governo que trata a crise climática como uma ameaça urgente à segurança nacional”, escreveu o antigo Secretário de Estado de 76 anos de idade. “Estou orgulhoso de ter uma parceria com o Presidente eleito, os nossos aliados e os jovens líderes do movimento climático para enfrentar esta crise”.

O anúncio foi elogiado por muitos activistas e grupos profissionais ligados ao ambiente, talvez partindo do princípio que Kerry estava a tomar a sua liderança a partir de Bernie Sanders, que há anos vem dizendo a mesma coisa. O Director Executivo do Movimento Sunrise, Varshini Prakash disse que a sua declaração foi um “passo encorajador”, enquanto que o Bill McKibben, de 350.org, previu que Kerry seria um excelente czar do clima. No entanto, como argumentou o crítico dos meios de comunicação social Adam Johnson, a proclamação de Kerry deveria preocupar profundamente os activistas progressistas e provavelmente levará à expansão do já inchado orçamento militar.

Kerry é um membro fundador do grupo de reflexão de Washington, o Projecto de Segurança Americano (ASP), cuja direcção é um quem é quem de generais reformados, almirantes e senadores. O ASP também saudou a nomeação do seu homem, explicando, num relatório de pouca divulgação, exactamente o que é tratar o clima como uma ameaça à segurança nacional. E não é nada como o que Sanders defende.

Para a ASP, as alterações climáticas constituem um “acelerador de instabilidade” e um “multiplicador de ameaças” que “afectarão o ambiente operacional”, e observa que Kerry terá três prioridades no seu papel de braço direito do Presidente Biden. Quais eram essas três prioridades? Assegurar que as pessoas no Sul Global pudessem comer e ter acesso a água potável segura? Reparações? Alívio de catástrofes ou equipas de resposta a catástrofes? Reduzir a utilização de combustíveis fósseis? De facto, não. Para o ASP, os principais objectivos eram:

1 – Uma enorme reconstrução das bases militares dos Estados Unidos;
2 – Combater a China no Pacífico;
3 – Preparação para uma guerra com a Rússia no Árctico recentemente derretido.

O ASP observa também que o Árctico é a zona do mundo que mais rapidamente aquece, e prevê uma batalha com a Rússia para controlar a área, que está cada vez mais aberta ao tráfego marítimo graças ao derretimento do gelo. “A NATO enfrenta um grave desafio militar na zona de operação europeia do Árctico”, escreve, defendendo que, “os militares americanos deveriam participar activamente em exercícios conjuntos no Árctico, e divulgar os destacamentos militares americanos para a região, com especial destaque para a fronteira russa – talvez devolvendo o destacamento marítimo dos EUA para a Noruega”. “Não há tempo a perder”, conclui, insistindo que “a região necessita de um impulso diplomático, de segurança e económico concertado por parte do governo dos EUA”.

Que implicará a designação da crise climática como “ameaça à segurança nacional” a nível interno? No ano passado, o ASP escreveu que “Dado que as alterações climáticas forçarão mais famílias a migrar, o financiamento da segurança fronteiriça deverá incluir a melhoria das instalações para a detenção e transporte de migrantes”. Por outras palavras, uma expansão da fronteira militarizada e da rede de centros de detenção, frequentemente condenados como “campos de concentração”.

Michelle Flournoy, apontada por muitos para um lugar de topo na equipa de Biden, também argumentou que os militares como parte da solução para as alterações climáticas, sugerindo que poderia ser transformada numa força para o ambientalismo. No entanto, há poucas hipóteses de isto acontecer. O Pentágono é o maior poluidor único do mundo, e os EUA têm historicamente insistido em isentar os militares de quaisquer tratados sobre o clima. Apenas um bombardeiro B-52 consome tanto combustível numa hora como um condutor médio de automóveis consome em sete anos. Como escreveu o Institute for Policy Studies, “o militarismo e a justiça climática estão fundamentalmente em desacordo”, enquanto “as alterações climáticas e a militarização das fronteiras estão inextricavelmente ligadas”.

Embora muitos activistas possam ter-se sentido animados com as palavras duras de Kerry, é duvidoso que ocupar a Noruega ou expandir a rede de campos do ICE tenha sido exactamente o que tinham em mente quando disseram que queriam que o governo actuasse sobre as alterações climáticas.

Traduzido de MintPress News

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol