Trump está a acelerar a criação de um bloco de poder anti-iraniano

Vladimir Platov
New Eastern Outlook

Em preparação da possível chegada da administração Joe Biden à Casa Branca, Donald Trump tomou medidas adicionais para completar a criação de um bloco de poder regional com o papel de liderança de Israel e da Arábia Saudita sob controlo total dos EUA para complicar as acções de Biden na construção de uma nova política no Médio Oriente. Sem dúvida, a urgência foi motivada pela fuga de informações de que Joe Biden e os seus conselheiros teriam já preparado um futuro acordo nuclear com o Irão e tencionam rever a solução anteriormente promovida por Trump para a crise do Médio Oriente, baseada principalmente em Israel.

Com estes objectivos em mente, e dada também a recusa anterior de Riade em estabelecer relações diplomáticas com Israel sob as instruções de Washington, tal como fizeram os Emiratos Árabes Unidos e o Bahrein, foram organizados preparativos para encorajar estes dois países do Médio Oriente a convergir com os EUA na região, sob os auspícios da administração Trump. Ao mesmo tempo, os receios de Israel foram activamente utilizados para possivelmente ajustar a atitude de Joe Biden em relação à posição do Estado judaico em relação à questão palestiniana e ao desenvolvimento dos territórios árabes anexos. O mesmo se aplica às preocupações de várias famílias sauditas, incluindo o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman sobre o endurecimento da repressão de Biden devido ao “caso Khashoggi”, uma vez que o presidente eleito chamou à Arábia Saudita, durante a campanha eleitoral, “um proscrito” e prometeu que iria obstruir a campanha militar do Reino no Iémen.

Nestas condições, o primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu, acompanhado por Yossi Cohen, actual director da Mossad, a agência nacional de inteligência de Israel, fez uma visita secreta à Arábia Saudita a 22 de novembro, onde “sob a supervisão do secretário de Estado norte-americano Mike Pompeo” se encontrou com o príncipe herdeiro Mohammad bin Salman. Netanyahu e Cohen voaram para a Arábia Saudita no jacto privado do empresário Ehud Angel. O primeiro-ministro israelita tinha anteriormente utilizado este jacto para a sua visita secreta a Omã para preparar o “Acordo de Abraão”, que se tornou a base para o futuro do Médio Oriente de acordo com os padrões de Trump, e várias das suas outras viagens secretas à volta do mundo.

Referindo-se a este encontro, Mike Pompeo, sem revelar os detalhes, indicou no seu relato no Twitter que teve um encontro “construtivo” com o príncipe herdeiro da Arábia Saudita. Este último foi fortemente forçado a entrar em negociações com Netanyahu.

De acordo com Kan, Israel Public Broadcasting Corporation, as conversações centraram-se no Irão e na nova administração dos EUA, liderada por Joe Biden, mas alegadamente ainda não foram alcançados acordos significativos. Os meios de comunicação israelitas não escondem que a principal razão para o encontro foi a consolidação de Israel, da Arábia Saudita e da actual administração dos EUA contra a restauração do acordo nuclear do Irão por parte de Joe Biden. Reconhecem ainda que o encontro de Netanyahu com Bin Salman “aproximou os países do estabelecimento de relações diplomáticas oficiais mesmo antes do final do mandato de Donald Trump”.

O Guardian chama a atenção para a importância particular da reunião, enfatizando que se trata de “uma reunião pouco frequente a um nível elevado entre opositores de longa data”.

Por acordo mútuo, as partes concordaram em não tornar a visita pública. Comportaram-se cautelosamente em Riade, especialmente porque a linha do príncipe herdeiro relativamente à aproximação com Israel não coincide inteiramente com a linha do seu pai e da sua família. Anteriormente, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Arábia Saudita, Faisal bin Farhan Al Saud advertiu que o reino só está pronto a estabelecer plenamente as relações de Israel após um tratado de paz palestinano-israelita. Simultaneamente, com base na decisão do príncipe herdeiro Bin Salman de ir a uma tal reunião com funcionários israelitas, começou a ser vista uma correcção da posição de Riade. Se antes a Arábia Saudita e todos os estados sunitas tinham inequivocamente uma posição pró-palestiniana e anti-israelita, agora foram criadas novas condições para forçar os palestinianos a concordar com o processo de paz e a negociar com Israel. Uma confirmação definitiva deste conceito pode ser, em particular, o recente regresso aos seus empregos dos embaixadores da Palestina que foram chamados dos Emirados Árabes Unidos e do Bahrein depois destes países terem estabelecido relações oficiais com Israel.

Ainda não há declarações oficiais da administração Trump ao evitar uma onda de protestos por tais acções, impedindo o futuro proprietário da Casa Branca de prosseguir uma política independente no Médio Oriente.

A este respeito, é evidente que ainda não é do interesse de Riade tornar públicos os seus contactos com os israelitas, ao contrário de Benjamin Netanyahu. Este último necessita de bónus na plataforma interna. Esta reunião só foi divulgada em Israel, mostrando claramente o desejo do apoiante de Netanyahu, devido aos recentes protestos intensificados contra a política de corrupção do primeiro-ministro israelita, de “vangloriar-se dos seus méritos” na esperança de que as medidas que tomou aproximem o dia em que Telavive e Riade estabeleçam oficialmente relações diplomáticas. Ao mesmo tempo, os media israelitas estão a promover activamente a tese de que esta visita secreta significa apenas a continuação da política de Israel de expansão do círculo de participantes nos Acordos de Abraão, que é activamente apoiada por Donald Trump. “Esta não é uma acção contra Biden. Trata-se de expandir o bloco de países amigos de Israel no Médio Oriente. Mas o bloco pró-americano emergente torna-se anti-iraniano por definição. Claro que, se Biden pretende mudar drasticamente o rumo dos EUA na região, será agora mais difícil para ele fazê-lo”, disse Zvi Magen, o antigo chefe adjunto de Nativ.

Na noite após a referida reunião, vários mísseis houthis apoiados pelo Irão voaram do Iémen para a Arábia Saudita. Algumas fontes da rede social observam que o ataque com mísseis ocorreu 5 horas após o encontro do primeiro-ministro israelita Netanyahu com o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, o que não excluiu as negociações que poderiam ter sido realizadas sobre a utilização por Israel do espaço aéreo saudita para um ataque aéreo às instalações nucleares iranianas em Natanz e Khondab. Uma razão particular para tais receios poderia ser uma mensagem, que surgiu na Defesa de Israel, que o Comando Central dos Estados Unidos (CENTCOM, a sua área de responsabilidade no Médio Oriente) anunciou a transferência de um esquadrão de caças F-16 da Alemanha para os Emirados Árabes Unidos para conter a agressão e garantir a segurança e estabilidade na área de responsabilidade do CENTCOM.◼

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol