Quem são os Lobos Cinzentos e porque é que a França os está a proibir?

Alex MacDonald
Middle East Eye

Uma iniciativa do governo francês de ilegalizar os Lobos Cinzentos, uma organização turca de extrema-direita, provocou tanto raiva como confusão na Turquia.

A decisão veio depois de um memorial ao genocídio arménio ter sido vandalizado perto da cidade de Lyon na semana passada. As palavras “Lobos Cinzentos” e as iniciais do Presidente turco Recep Tayyip Erdogan foram pinchadas a spray

A proibição, que foi aprovada na quarta-feira, significa que quaisquer actividades ou reuniões do grupo poderiam levar a prisão ou multas.

Apoiantes do Partido de Acção Nacionalista (MHP) da oposição turca fazem um gesto associado aos “Lobos Cinzentos” durante um comício eleitoral em 24 de Maio de 2015 em Ancara

O governo turco reagiu, com o Ministério dos Negócios Estrangeiros na quinta-feira dizendo que “reagiria a esta decisão da forma mais dura”.

No entanto, disseram também que não existia uma organização como os Lobos Cinzentos.

Na quinta-feira, vários parlamentares na Alemanha também apelaram à proibição do grupo.

Três deputados do partido Os Verdes, incluindo o político turco-alemão Cem Ozdemir, descreveram a organização como “o braço estendido de Erdogan” numa declaração conjunta, acrescentando que os seus membros “incitam repetidamente ao ódio, ameaçam as pessoas e estão também envolvidos em actos de violência”.

“Iremos abordar os outros grupos parlamentares com o objectivo de apresentar uma iniciativa conjunta e intergrupal no Bundestag alemão para uma proibição dos Lobos Cinzentos”, disseram.

Quem são os Lobos Cinzentos?

Lobos Cinzentos é o nome informal da organização ultra-nacionalista Ulku Ocaklari [Corações Idealistas], fundada nos anos 60 por Alparslan Turkes, um coronel que tinha estado envolvido no golpe de 1960 que derrubou o primeiro-ministro Adnan Menderes.

Ulku Ocaklari é frequentemente referido como o movimento juvenil ou de rua do Partido do Movimento Nacionalista (MHP), também fundado por Turkes, que é actualmente aliado do Presidente Erdogan na Turquia.

Ideologicamente, ambas as organizações apoiaram o pan-turquismo, que enfatiza a unidade entre as nações túrquicas do mundo.

Devlet Bahceli, o líder do Partido de Acção Nacionalista da Turquia (MHP) demonstra um gesto associado aos “Lobos Cinzentos” durante um comício eleitoral em Maio

Os Lobos Cinzentos eram originalmente um grupo ferozmente anticomunista, hostil à democracia, que defendia a violência contra aqueles que viam como inimigos da Turquia.

Foram responsáveis por actos de violência, incluindo assassinatos, visando esquerdistas, comunistas, curdos, arménios e outros grupos minoritários na Turquia. Alguns assassinatos de membros Lobos Cinzentos foram posteriormente revelados como tendo ocorrido em cooperação com a Organização Nacional de Inteligência (MIT).

Embora o grupo seja na sua maioria secular e largamente hostil ao islamismo, afirmam defender um carácter muçulmano sunita da Turquia e têm perpetrado actos de violência sectária contra a minoria religiosa alevita do país, incluindo o famigerado massacre de Maras de 1978.

Desde que Devlet Bahceli se tornou líder do MHP, após a morte de Turkes, o partido e os Lobos Cinzentos têm-se apresentado como moderados, professando apoio à democracia liberal e atenuando o seu nacionalismo étnico ostensivo, embora os opositores argumentem que se trata, em grande parte, de uma fachada.

A sua relação com Erdogan e o partido governante Justiça e Desenvolvimento (AKP) tem sido complexa. Durante muitos anos as relações foram hostis devido à repressão dos ultra-nacionalistas que teve lugar em torno dos julgamentos de Ergenekon no final dos anos 2000, enquanto o MHP se opôs ferozmente à abertura de conversações de paz com o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) em 2013.

No entanto, a relação entre o MHP e o AKP melhorou desde 2015, quando o AKP inverteu muitas das reformas pró-curdas dos anos 2000 e começou a perseguir uma política externa mais agressiva, ao mesmo tempo que defendia uma retórica nacionalista mais forte. Os partidos têm mantido uma aliança eleitoral desde 2018, e o MHP apoiou uma votação “Sim” no referendo de 2017 sobre a presidência executiva de Erdogan.

No entanto, nem todas as posições do MHP são respeitadas pelos seguidores de Ulku Ocaklari. Dez ex-chefes da organização saíram para apelar publicamente a um voto “Não” naquele referendo.

O que significa a proibição francesa?

O decreto do governo francês não se refere explicitamente a Ulku Ocaklari, e os detalhes da proibição são vagos.

A proibição refere-se à saudação de mão normalmente utilizada pelos apoiantes do grupo, conhecida como “Bozkurt” ou “Sinal do lobo” na Turquia.

Embora o gesto esteja ligado aos Lobos Cinzentos, é utilizado por muitos turcos para especificar o sentimento nacionalista. Tanto Erdogan como o principal líder do Partido Popular Republicano (CHP) da oposição, Kemal Kilicdaroglu, já foram retratados fazendo a saudação no passado.

Outros grupos, incluindo o Partido religioso ultra-nacionalista da Grande Unidade (BBP), que se separou do MHP nos anos 90, bem como os combatentes turcos, turcomenos e árabes voluntários na Síria, foram frequentemente retratados usando-a também.

No decreto, os Lobos Cinzentos são referidos como um “agrupamento de facto”, e são citados vários incidentes de violência anti-Arménia realizados em França por turcos que entoam slogans ultra-nacionalistas.

Um combatente sírio apoiado pela Turquia faz o gesto dos Lobos Cinzentos enquanto um comboio viaja ao longo da fronteira entre a Síria e a Turquia

O decreto descreve um incidente de 2016 no qual “cerca de quinze militantes deste grupo, armados com paus, barras de ferro, facas e um revólver, e os seus rostos mascarados por lenços vermelhos e brancos com as cores da bandeira turca, atacaram uma bancada dirigida por manifestantes de origem curda”.

Nenhuma organização oficial é citada no decreto, nem há qualquer referência a Ulku Ocaklari ou ao MHP.

No entanto, alguns grupos turcos reagiram com preocupação às novas medidas.

A Federação Turca Francesa, um grupo da diáspora filiado no MHP, divulgou na quarta-feira uma declaração condenando a mudança.

“Todos devem estar certos de que nós, enquanto Federação Francesa Turca, acompanharemos de perto os desenvolvimentos e defenderemos os direitos das nossas organizações e cidadãos dentro dos fundamentos legais democráticos e continuaremos a defender a democracia, liberdade, fraternidade e igualdade até ao fim”, disse a declaração.

Ao mesmo tempo, exortaram as suas “associações, membros e cidadãos a não responder a provocações e a evitar quaisquer atitudes ou comportamentos que possam perturbar a paz e a ordem”.

O Middle East Eye contactou Ulku Ocaklari para uma reacção à proibição, mas não recebeu qualquer resposta até ao momento da publicação.

Devris Cimen, o representante europeu do Partido para a Democracia Popular Curda (HDP) de esquerda da Turquia, congratulou-se com a proibição, a qual, segundo ele, veio numa altura de “tensão maciça entre Paris e Ancara”.

“Mas esta organização não está apenas organizada em França, mas em muitos outros países europeus”. Também nestes países, deveriam ser tomadas medidas contra esta organização desumana”, disse ele ao MEE.

“Além disso, dever-se-ia fazer uma investigação mais profunda sobre a forma como esta organização está a conduzir uma política hostil contra curdos, arménios, gregos, assírios e outros povos não turcos”.

A Alemanha a seguir?

Proibir os Lobos Cinzentos ou Ulku Ocaklari na Alemanha seria uma provação muito maior do que a proibição francesa.

Os turcos formam a maior minoria étnica da Alemanha e grande parte da política da Turquia tem sido exportada para a Alemanha nos últimos 50 anos.

De acordo com um relatório de 2017 da Agência Federal para a Educação Cívica, os Lobos Cinzentos são actualmente o maior movimento de extrema-direita na Alemanha, ultrapassando mesmo os movimentos neo-nazis de origem caseira.

Houve numerosas tentativas ao longo dos anos para proibir o grupo, que se sabe ter entrado em violentas lutas de rua com esquerdistas e grupos pró-curdos na Alemanha.

O código penal alemão proíbe grupos “inconstitucionais”, o que no passado levou ao encerramento dos partidos neo-nazis, comunistas e islamistas.

Em 2018 houve tentativas de proibir símbolos associados ao grupo, tendo a deputada curdo-alemão do Die Linke, Sevim Dagdelen, descrito o gesto do signo do lobo como “bastante comparável à saudação hitleriana”, que é proibida na Alemanha, juntamente com outros símbolos nazis. Nesse mesmo ano, foi estabelecida com sucesso na Áustria uma proibição do signo do lobo.

Na quinta-feira, Dagdelen apelou à proibição específica da Federação das Associações Turcas Idealistas Democráticas Alemãs (ADÜTDF), uma organização da diáspora turca ligada a Ulku Ocaklari.

Ela repreendeu os comentários do ministro dos Negócios Estrangeiros, Cavusoglu de que os Lobos Cinzentos não existiam, dizendo que organizações como a ADÜTDF não eram “um produto da imaginação” e eram a face pública dos Lobos Cinzentos.

“A ADÜTDF é uma das maiores organizações de extrema-direita, anticonstitucionais, com aproximadamente 170 associações locais e 7.000 membros” na Alemanha, disse ela na sexta-feira, segundo a Deutsche Welle.

“Às organizações islâmicas e fascistas deve ser dada tolerância zero”.◼

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube