Porquê o Ocidente precisa de uma nova estratégia euro-asiática

Artem Kvartalnov
Modern Diplomacy

A União Económica Eurasiática (UEE), que foi criada em 2014, ganhou uma má reputação internacional. Em 2012, Hillary Clinton chamou a integração da Eurásia de “um movimento para re-sovietizar a região”, embora a União Económica da Eurásia ainda não tivesse surgido. Outros políticos ocidentais de alto escalão evitaram amplamente o tema da integração da Eurásia nos seus discursos, mas na verdade parecem ter aceitado a visão de Clinton. Após a crise da Ucrânia, a política ocidental em relação à Rússia foi simplesmente estendida para incluir projectos de integração liderados pela Rússia: a UEE teve o seu reconhecimento negado, enquanto a cooperação económica UE-UEE estava e continua a estar fora de questão. Esta política vale a pena?

Em rigor, quando se trata de elaborar uma estratégia euro-asiática, os países não pertencentes à UEE têm uma gama limitada de opções de políticas a escolher. Em primeiro lugar, eles poderiam resistir activamente à integração euro-asiática por meio do apoio a projectos de integração alternativos e incitação de conflitos entre as nações da UEE. Em segundo lugar, eles podem neutralizar passivamente os processos de integração, negligenciando as realidades decorrentes da existência da UEE. Em terceiro lugar, poderiam reconhecer o direito da UEE existir e estabelecer relações abrangentes com a União. Finalmente, eles podem usar a integração euro-asiática para promover os seus próprios interesses.

As estratégias de resistência activa e passiva são baseadas em várias suposições. O primeiro é que a integração euro-asiática aumenta a influência da Rússia no espaço pós-soviético. Na verdade, essa lógica nem sempre funciona, uma vez que as limitações institucionais associadas à integração euro-asiática podem ter um efeito oposto. O Conselho da Comissão Económica da Eurásia, que é um dos principais órgãos da UEE, é composto por 10 comissários que representam 5 Estados-Membros e as decisões do Conselho são tomadas por maioria qualificada. Outros órgãos de governo da União tomam as suas decisões por consenso. Isso significa que a integração da Eurásia pode servir como um controle às políticas económicas da Rússia: Bielorrússia, Cazaquistão, Arménia e Quirguistão podem bloquear colectivamente qualquer decisão oficial da União. Além disso, não há indicação de que a UEE garanta a liderança efectiva da Rússia no espaço pós-soviético: a União Económica da Eurásia carece de uma agenda positiva para o futuro, o que na verdade torna o papel de Moscovo bastante contextual. Portanto, a percepção da UEE como subordinada à Rússia e aos seus interesses parece enganosa: por incrível que pareça, os países ocidentais poderiam efectivamente usar as instituições da UEE para promover a sua agenda em vez de neutralizar a integração euro-asiática como tal.

Para ser franco, qualquer nova instituição internacional pode ser descrita como um recipiente vazio que precisa ser preenchido com um determinado conteúdo. A integração eurasiana é um projecto muito jovem e a sua identidade futura depende de muitos factores internos e externos. Em vez de servir como um instrumento do expansionismo russo, o UEE pode muito bem ser transformado num mecanismo de modernização e ocidentalização da Rússia. Poucas pessoas argumentariam hoje que a ASEAN é hostil aos países ocidentais, embora a Associação tenha sido inicialmente concebida para manter o Sudeste Asiático longe da influência e envolvimento soviético e americano. Então, há alguma razão para retratar a UEE como hostil à América e à Europa? A partir de 2020, Arménia, Cazaquistão e Quirguistão, que são membros da UEE, mantêm relações cordiais com o Ocidente. Esses são os mesmos países que poderiam servir como canais para remodelar a UEE de acordo com os interesses e ideais ocidentais, bloqueando decisões desfavoráveis e promovendo uma agenda mais pró-ocidental, e eles têm capacidade institucional para o fazer.

O segundo pressuposto subjacente à estratégia de resistência é que a integração eurasiana é um projecto muito fraco impulsionado pelos interesses momentâneos da Federação Russa. Assim, infere-se que não adianta manter o diálogo com a UEE, porque todo o projecto de integração está fadado ao fracasso a longo prazo. Esta percepção é emblemática de uma compreensão muito limitada da política pós-soviética nos países ocidentais: na realidade, é altamente provável que a UEE dure mais que os regimes políticos que actualmente governam os países da UEE, já que a integração da Eurásia é propícia para algumas forças e grupos de interesse presentes na região. Os trabalhadores migrantes são apenas um desses grupos: a Rússia tem sido o principal destino dos migrantes da Ásia Central durante décadas, e isso é um facto que existe independentemente de desenvolvimentos políticos. Elaborar algum tipo de modus vivendi com a UEE vale a pena, pois a integração eurasiana é mais complexa do que se pensa.

O Dilema da Integração

O terceiro pressuposto daqueles que se opõem à integração da Eurásia é que a UEE é um concorrente potencial das instituições europeias e euro-atlânticas. Este argumento tem uma base sólida, uma vez que a intensificação dos processos de integração da Eurásia na década de 2010 pode justamente ser caracterizada como a resposta da Rússia ao alargamento da NATO e ao projecto da Parceria Oriental da União Europeia. Samuel Charap e Mikhail Troitskiy referiram-se a esta competição entre a Europa e a Eurásia usando o termo “dilema de integração”. Eles argumentam que “[por] promover o envolvimento com os estados da Eurásia pós-soviética em grande parte por meio de iniciativas de integração que são de facto fechadas um ao outro, o Ocidente e a Rússia forçaram (muitas vezes involuntariamente) esses estados a fazerem escolhas de soma zero”. O “dilema da integração” pode atingir quase todos os países pós-soviéticos: Bielorrússia, Moldávia e Arménia podem ser vítimas desse dilema, assim como a Ucrânia em 2014.

No entanto, seguir a lógica do “dilema da integração” é uma estratégia errada. O que vimos na prática é que a adesão de um país à UEE tem pouco impacto nas suas relações com os intervenientes externos. Por exemplo, a Agência para o Desenvolvimento Internacional dos Estados Unidos (USAID) opera livremente na Arménia, Bielorrússia, Cazaquistão e Quirguistão, embora esses países sejam frequentemente descritos como pertencentes à esfera de influência da Rússia. As Open Societies Foundations operam na Arménia, Cazaquistão e Quirguistão, embora George Soros, o seu fundador e presidente, tenha uma má imagem no Leste Europeu. Mais uma vez, isso prova o meu ponto de vista de que influenciar e moldar a UEE é mais eficaz do que neutralizá-la.

Uma vez que o dilema da integração ainda existe, deixe-me supor que a estratégia de resistência se encaixa perfeitamente. Nesse caso, neutralizar a integração eurasiana requer a criação e o cultivo de identidades alternativas, que seriam fortes o suficiente para desafiar o núcleo eurasiano. Isso assemelha-se à estratégia muito familiar de isolar a Rússia, separando-a de outros estados pós-soviéticos, que foi uma das raízes da crise em curso nas relações da Rússia com o Ocidente. Embora a imprensa estatal russa afirme que o Ocidente tem sido adepto de nutrir sentimentos anti-russos no espaço pós-soviético, pode-se dizer que a estratégia de resistência tem sido menos bem-sucedida e eficaz do que geralmente se supõe.

Em primeiro lugar, embora as pesquisas mostrem que existem fortes sentimentos pró-ocidentais na Ucrânia ou na Arménia, a situação é bem diferente nos países da Ásia Central, onde a Rússia continua a gozar de autoridade moral inquestionável. Em segundo lugar, a integração europeia é um caminho mais difícil do que a integração euro-asiática no que diz respeito aos pré-requisitos institucionais, políticos e económicos, o que significa que o apoio popular à integração europeia pode diminuir com o tempo se não houver nenhum ou poucos progressos notáveis no processo de integração. Finalmente, separar a Rússia dos seus vizinhos é bastante custoso, pois requer esse mesmo progresso, que pressupõe a realização de reformas políticas e económicas abrangentes nos países pós-soviéticos e o estímulo a essas reformas por meio de ajuda financeira.

Tudo isto significa que a estratégia de resistir à integração eurasiana dificilmente alcançará os seus objectivos a um custo acessível, ao passo que a política de influenciá-la sabiamente parece ser mais frutífera e menos belicosa. Então por que não adoptar essa política para o bem da América, Europa e Eurásia?.◼

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol