Vitória de Maduro em Londres

Tribunal do Reino Unido choca com planos de Johnson mudar o regime na Venezuela


Um tribunal do Reino Unido deu ao governo venezuelano de Nicolas Maduro uma grande vitória, anulando uma decisão anterior de um tribunal inferior que legitimava a decisão do governo britânico de congelar as reservas de ouro do governo venezuelano mantidas no Banco da Inglaterra. O Tribunal de Apelação inglês decidiu revogar a posição da administração conservadora de Boris Johnson de que Juan Guaidó era “o governante inequívoco” da Venezuela, abrindo potencialmente caminho para o acesso aos cerca de 1.950 milhões de dólares de ouro do Banco Central da Venezuela.

Seguindo o exemplo do presidente Trump, em julho, o governo do Reino Unido deu o passo extraordinário de não reconhecer o presidente Maduro a favor do auto-proclamado Guaidó, apesar do facto de que por quase seis meses ele mesmo foi membro do seu partido Vontade Popular, muito menos o seu líder. A acção foi rotulada de “assalto de auto-estrada” pelos partidários do governo venezuelano.

Um político quase desconhecido antes da sua ascensão ao cargo de chefe da Assembleia Nacional da Venezuela (um cargo atribuído numa base rotativa anual entre todos os partidos da instituição) em janeiro de 2019, Guaidó chocou o país ao usar a sua nomeação para declarar unilateralmente ser o próprio presidente do país. Ele então liderou uma série de tentativas de golpe ao longo de 2019 e 2020, a última das quais contratar mercenários americanos ligados a Trump para abrir caminho ao palácio presidencial. No entanto, o plano terminou em desastre completo, com os americanos posteriormente condenados a 20 anos de cadeia.

Guaidó baseou a sua reivindicação de poder no artigo 233 da Constituição venezuelana, que permite que um presidente seja destituído caso “abandone o seu cargo” ou se torne “permanentemente indisponível para servir” por qualquer motivo. Maduro, entretanto, claramente não havia deixado seu posto. De qualquer maneira, se o tivesse feito, o artigo 233 estabelece que o vice-presidente assumiria o cargo até que uma nova eleição por sufrágio universal seja realizada. Nem mesmo o partido de Guaidó estava registado para se candidatar às eleições, tendo-as boicotado no ano anterior por ordem dos EUA. O governo Trump tentou organizar um boicote total dos partidos da oposição, minando assim a legitimidade do processo, ameaçando até sancionar o candidato presidencial da oposição Henri Falcón. Apesar do boicote parcial, a participação foi relativamente alta. Uma percentagem maior do eleitorado total votou mais em Maduro do que os americanos o fizeram com Trump em 2016 ou Obama em 2012. O governo dos EUA está actualmente tentando a mesma táctica nas próximas eleições de dezembro para a Assembleia Nacional, o Departamento de Estado divulgou um memorando em setembro, declarando que todos os partidos da oposição que tomem parte são considerados “partidos fantoches”, participando numa “charada eleitoral” e, portanto, serão sancionados.

O Reino Unido e os Estados Unidos lideram uma campanha económica e política de anos para tirar Maduro do poder, atingindo o país com sanções e atacando-o politicamente. Quando Maduro tentou usar o ouro apreendido para comprar ajuda humanitária das Nações Unidas para lidar com a pandemia do coronavírus, o governo Johnson bloqueou-o. Entretanto, as sanções americanas, declaradas ilegais pela ONU, foram responsáveis pela morte de mais de 100.000 venezuelanos. O governo dos EUA está também continuamente provocando a Venezuela militarmente. Na semana passada, enviou um navio de guerra – o USS William P Lawrence – para as Caraíbas, a apenas 16 milhas náuticas da costa da Venezuela. O ministro da Defesa, Vladimir Padrino, descreveu a acção como “errática e infantil”, insinuando que Trump estava tentando fomentar um conflito de “Surpresa de Outubro” para aumentar as suas chances de reeleição.

Os EUA também financiaram e apoiaram Guaidó ao longo das suas tentativas de golpe, preparando-o desde que ele era líder estudantil. Recentemente, têm canalizado dinheiro confiscado do governo venezuelano para Guaidó, para que ele possa pagar pessoalmente a cada trabalhador da saúde um generoso estipêndio.

Embora o governo de Maduro seja muito impopular, a oposição teve pouco sucesso com a sua imagem de elitistas interessados apenas em devolver a Venezuela ao seu antigo status de Estado cliente dos EUA. Guaidó é apresentado na media ocidental como uma lufada de ar fresco e uma ruptura com essa tradição. No entanto, como filho de educação privada de um piloto de avião internacional e alguém que estudou na George Washington University (uma tarefa impossível para aqueles que não vêm da elite), ele teve pouco sucesso em persuadir os seus compatriotas a apoiar a sua visão do país. Uma pesquisa recente concluiu que 3% dos venezuelanos o reconhecem como presidente. Apesar disso, ele recebeu apoio praticamente unânime em Washington e Londres. No entanto, não há dúvida de que a decisão do tribunal é uma derrota para ele e uma vitória para Maduro.◼

Traduzido de MintPress News

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube