Um bilhete gratuito para o inferno

Por Rob Kenius

O século XX ficou eternamente ensombrado por duas guerras mundiais que poderiam ter sido evitadas com razão e realismo na mente dos governantes


Quando o Titanic se afundou em 1912, foi um sinal e o prenúncio de uma catástrofe muito maior: A guerra europeia que ficou na história como a Primeira Guerra Mundial. Ambas as catástrofes poderiam ter sido evitadas.

O grande navio de passageiros não teve de navegar através de águas ameaçadas por icebergs a caminho da América. A rota poderia ter sido alterada enquanto o navio ainda se encontrava a caminho. Em vez disso, a húbris triunfou. Os construtores, a companhia de navegação e o capitão pensavam que o Titanic era insubmersível.

A Primeira Guerra Mundial poderia ter sido evitada com um pouco menos de megalomania, menos persistência, menos lealdade aos Nibelungos e menos vontade de vencer (de todos os lados). E não devemos esquecer: A partir da ideia de que a Alemanha não só era o perdedor, como também deveria ser a única culpada pela guerra, foram impostos pagamentos excessivos e sanções ao país, de modo que os fascistas e os nazis chegaram ao poder com Hitler e foram então capazes de instigar a maior guerra de todos os tempos até esse ponto em apenas doze anos. O sinal decisivo para esta catástrofe foi a culpa e a punição da Primeira Guerra Mundial.

O século XX ficou eternamente ensombrado por estas duas guerras mundiais, que poderiam ter sido evitadas com razão e realismo na mente dos governantes. O afundamento do Titanic foi o portento que não foi reconhecido porque as pessoas acreditavam nas categorias de culpa e inocência, poder e impotência, vitória e derrota, e confiaram na superioridade espiritual do Homo Sapiens, que falha porque o homem é inferior a si mesmo porque acredita na sua superioridade. O maior perigo somos nós próprios.

O Titanic do século XXI chama-se Ucrânia. As comparações externas com o Titanic são dificilmente apropriadas. A Ucrânia é apenas um país sobrestimado, é grande mas não invencível, pelo contrário, teria sido derrotada há muito tempo se todo o Ocidente, liderado pelos EUA, não estivesse a bombear em cem milhões de dólares por dia mais armas gratuitas em qualquer quantidade, de modo que o robusto capitão Volodymyr Zelensky teima em manter o rumo em direcção ao iceberg, como no filme.

O iceberg é o presidente russo Vladimir Putin. Quer evitar que o seu país seja acabado militar ou financeiramente pelos EUA, que já estenderam a sua energia militar e nuclear financeira à zona fronteiriça da Ucrânia.

Do outro lado está Joe Biden, presidente dos EUA. Ele está a seguir uma táctica que foi desenvolvida há cinquenta e até trinta anos por estrategas e grupos de reflexão nos EUA: Após a dissolução da União Soviética, que foi vista como um inimigo ideológico e contra-força global, eles viram uma oportunidade para o domínio exclusivo do mundo. O único obstáculo a isto era a Rússia, ainda o maior país do mundo, que possui não só armas nucleares mas também tecnologia de mísseis de longo alcance. Os EUA têm estas opções militares, ogivas nucleares e mísseis, assim como, segundo eles, poder financeiro ilimitado.

Em 2020, a opinião do novo mas idoso presidente dos EUA já não é actual, está obsoleta. A economia dos EUA é demasiado fraca em comparação com o poder financeiro e os militares e o povo são e também se sentem negligenciados porque não têm benefícios materiais do super poder dos militares e do mundo financeiro. As fantasias de poder de Joe Biden são estereotipadas e estão desactualizadas há décadas, mas ele age tacticamente de forma inteligente.

A ideia de fazer baixar a Rússia ultrapassou a sua data de validade há vinte anos, mas a táctica de conduzir os europeus para uma guerra com a Rússia e poupar o seu próprio povo, ou seja, os militares americanos, é inteligente e parece funcionar porque a Europa é governada por pessoas que seguem cegamente o caminho (ou o Diktat) norte-americano.

O pensamento errado vem sempre de mentes erradas. A Alemanha é governada por Olaf Scholz e não por Sahra Wagenknecht. A França é governada por Emanuel Macron, não por Michel Picketty. A Grã-Bretanha em 2022 não será governada por Carlos III, mas por Liz Truss e a UE será governada por Ursula von der Leyen, não pelo Parlamento e pela ideia de verdadeira democracia e federalismo.

Além disso, há uma ilusão diabólica que se mascara de moralidade: as pessoas acreditam que, por poderem colocar a culpa apenas em Putin, não há necessidade de usar a razão. Porque Putin é o culpado de qualquer maneira, pode-se conduzir sem hesitação a guerra nuclear europeia, que os EUA estão a alimentar e a alimentar com armas e dinheiro em seu próprio benefício. Para Annalena Baerbock, este é um bilhete gratuito para o inferno.

A carta nuclear já se encontra na mesa. Se utilizar armas pesadas, mísseis antiaéreos, guerra psicológica e reconhecimento por satélite dos EUA para colocar as tropas russas em verdadeiros problemas, a Rússia não vai desistir e recuar, mas vai utilizar armas nucleares tácticas. Isto é lógico, previsível e anunciado abertamente.

O cenário no início desta fase é controlável. Que alvos entram em questão? Primeiro, rotas de abastecimento, ou seja, aeroportos onde aterram os cargueiros militares. Depois, linhas ferroviárias na fronteira polaca, de onde são transportados os tanques. A Polónia é um país da NATO e ganancioso para retaliar contra a Rússia, os reaccionários de direita já se encontram no poder. A escalada é assim certa. Os detonadores ocidentais estão preparados para reagir dez vezes a qualquer movimento da Rússia, primeiro nos meios de comunicação social, depois com material, depois com agressão.

Na próxima fase de escalada, a Rússia não destruirá Kiev, mas primeiro a Base Aérea de Ramstein e outros centros, principalmente na Alemanha. Os nossos políticos vêem isto calmamente porque, afinal, a culpa é de Putin e os americanos não se esquivarão a fazer de Moscovo a Hiroshima e Petersburg a Nagasaki do século XXI.

Moscovo, que muitas pessoas esquecem, pertence à Europa. E então a Europa será bombardeada, talvez também a Rússia, mas é tão grande que ainda existe uma base de mísseis para fazer explodir primeiro Berlim e talvez Bruxelas.

No final, há dois culpados principais: Vladimir Putin e Joe Biden, mas ambos, se bem defendidos, têm uma hipótese de absolvição perante a história mundial. Putin quis e teve de evitar que o seu país fosse desgastado e acabado pelos americanos, como anunciaram por escrito os estrategas que Joe Biden segue. E Joe Biden é absolvido por insanidade, com circunstâncias atenuantes devido a desarranjo mental.

Joe Biden é ele próprio um advogado, ele sabe como falar para sair da situação. Ele pode provar que não está totalmente são pelas suas erupções contra o presidente russo, e também pelas suas declarações (ou tagarelices) sobre a sabotagem do Nord Stream 1 e 2, o que prova a sua demência incipiente. Não pode ser culpado pela morte da Europa, Joe Biden é incapaz de ser culpado.

A Ucrânia de 2022, tal como o Titanic em1912, é o portento. O século XXI tem mais na manga. Tem o potencial de destruir total e finalmente a Europa após dois milénios e meio de (suposta) dominação, de Moscovo a Bruxelas, de Kiev a Varsóvia e a Berlim.

E se a coisa acontecer, pelo menos será guiada.

Peça traduzida do alemão para GeoPol desde Apolut


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Rob Kenius
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply