Triunfo republicano na Irlanda do Norte balcaniza a “Global Britain” e debilita Johnson

Alfredo Jalife-Rahme

Analista geopolítico, autor e docente


Paradoxos da desglobalização: os líderes da Grã-Bretanha e dos EUA sofrem um profundo repúdio na frente interna, enquanto encorajam a guerra na Ucrânia contra a Rússia, com o risco de desencadear uma troca nuclear entre as duas superpotências


A Primeira Guerra Mundial Híbrida está a desenrolar-se – como concordam o economista Sergei Glazyev, próximo do Kremlin, e o geopolítico brasileiro Pepe Escobar – porque na Ucrânia estão a ser travadas várias guerras numa só e, acima de tudo, os EUA estão a travar uma guerra por procuração flagrante contra a Rússia e a China, uma vez que ao enfraquecer Moscovo, a profundidade estratégica de Pequim está a diminuir.

A guerra de propaganda que proclama o triunfo (sic) do presidente da Ucrânia Zelensky, um comediante de profissão, sobre a Rússia – que só existe nas mórbidas alucinações do Twitter e das televisões – já está a ter efeitos nefastos na política interna do Reino Unido: o colapso da libra esterlina, a feia derrota eleitoral do primeiro-ministro conservador Boris Johnson, o aumento das taxas de juro, a inflação, a crise energética e alimentar, e assim por diante.

Um cenário semelhante para o seu aliado de guerra Joe Biden – hoje com uma taxa de rejeição de 57%, de acordo com a sondagem da Rasmusen – cuja frente interna está a desmoronar-se seis meses antes das cruciais eleições intercalares que pressagiam um tsunami do trumpismo devido à inflação, à crise incoercível da imigração, à criminalidade e à terrível gestão da saúde.

O primeiro-ministro Johnson sofreu uma tareia nas eleições locais de 5 de maio: perdeu quase 500 lugares e o controlo de 11 conselhos, com os Trabalhistas a recuperar 139 lugares, de acordo com a BBC.

Para além da derrocada de Johnson, o triunfo do partido nacionalista da Irlanda do Norte Sinn Fein – o braço político do Exército Republicano Irlandês (IRA) – a favor da sua independência do Reino Unido – que é a soma da Irlanda do Norte com a “Global Britain”, que, por sua vez, constitui a integração da Inglaterra/Escócia/País de Gales – foi deslumbrante: perdeu a maioria dos lugares no Parlamento pela primeira vez em 101 anos.

O Unionista Liberal, que opera no Twitter como @SrIberist, comenta: Vitória histórica do Sinn Fein na Irlanda do Norte. A reunificação irlandesa é uma questão de tempo. Seguir-se-á a independência escocesa e a adesão como o 28º estado da UE. É interessante pensar no que futuro reserva para o Reino Unido de Inglaterra e País de Gales.

É altamente paradoxal que a matriz outrora financeira da globalização neoliberal permaneça eviscerada em si mesma: tanto com o nacionalismo do Sinn Fein no Reino Unido/”Global Britain”, como nos EUA com o trumpismo.

Será a Ucrânia a última guerra da globalização, e de onde irão gerir a máquina financeira da globalização sem os seus operadores centrais à beira da balcanização?

O primeiro-ministro escocês pró-independência Nicola Sturgeon felicitou o Sinn Fein pelo resultado verdadeiramente histórico à medida que as secessões da Irlanda do Norte e da Escócia se alimentavam mutuamente na luta pela independência do Reino Unido/”Global Britain”.

Em vez do esperado destacamento, mais cedo do que tarde, da Irlanda do Norte para se juntar aos seus irmãos na agora independente e maioritária Irlanda católica, a verdadeira notícia é o triunfo soberanista/nacionalista dentro do modelo “Global Britain” que se tornou o mote do Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico depois do seu Brexit.

O mundo caiu sobre o herói da Ucrânia, Johnson, que ainda tem de pagar pelo pecado político cardinal do seu Partygate – os bacanais do primeiro-ministro britânico em cargos públicos, no meio do confinamento forçado – quando as placas tectónicas da monarquia neoliberal da “Global Britain” se fracturou com as não improváveis balcanizações da Escócia e da Irlanda do Norte.

Moral da história: o nacionalismo soberano é o antídoto para a globalização neoliberal.

La Jornada


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Alfredo Jalife-Rahme
Latest posts by geopol.pt (see all)