Só agora é que a coisa está a ficar séria?

Hoje em dia, a leitura diária dos jornais é frequentemente feita através da internet, incluindo a leitura matinal. E imediatamente quer voltar para a cama quando lhe são apresentados comentários como o do T-Online, onde esta segunda-feira de manhã, sob o título “Daybreak”, se lê: “Agora vem a emergência”. O que o autor deixa escapar sobre a situação de todos nós não lê como a opinião de um jornalista livre, mas como o anúncio de um porta-voz do governo, uma flexão e torção de causa e efeito. Como introdução ao dia, o autor também carece – como muitos dos seus camaradas intelectuais – de sugestões sobre como a emergência pode ser prevenida e/ou mitigada de tal forma que possamos respirar novamente e olhar com optimismo para o futuro. Optimismo, tranquilidade, cooperação, conceitos, coexistência – faltam todas as palavras. E isto num artigo de opinião. Ok, também se pode ser da opinião de que a escalada tem algo de bom.

Por Frank Blenz


Antes de mais, deixem-me confirmar ao comentador: Sim. A situação é grave. Mas há muito tempo que assim tem sido. Tem-se acumulado a uma grande seriedade. Cada vez mais se tem a impressão de que isto está a acontecer de propósito, que esta escalada está a ser levada a extremos, especialmente por pessoas que pensam que não são afectadas pela gravidade da situação, ou mesmo que lucram com ela. O autor do T-Online Bastian Brauns também faz parte desta, segundo a minha impressão, ele faz a sua (aparentemente própria) rima de causa e efeito e diz que “devido às decisões de política energética das últimas décadas, é precisamente o sector que mais tem beneficiado: a indústria”. Deixa-se o leitor sozinho a decidir que decisões foram essas.

E não, o facto do gás, uma matéria-prima importante, não estar a fluir como antes, e a um preço semelhante, não é obra de outros, é auto-infligido. Esta culpabilidade é recusada. O autor diz que a Alemanha “se tornou tão desesperadamente dependente do gás russo” e fala do Nord Stream I, o gasoduto que o chefe de Estado russo acaba de “desligar”. Nem uma palavra sobre o segundo gasoduto, apenas que o encerramento deverá durar dez dias devido ao trabalho de manutenção. Basicamente, não há problema se for necessária uma reparação. Estão disponíveis alternativas, não estão? Não havia algo mais? Um segundo gasoduto e outro de leste para oeste, chamado Nord Stream II. E para aqueles que não sabem, a estância balnear de Lubmin, no Mar Báltico, alberga a estação de recepção crucial para o gasoduto Nord Stream 2. Esta estação de recepção está em funcionamento.

Mas o drama continua. Que a pausa actual, esta paragem, tem um tempo de espera, a sua própria causa, onde é que o autor escreve isso? A turbina crucial do Nord Stream I está no Canadá para reparação. O país norte-americano tinha então decidido (temporariamente) em consonância com a Alemanha e com os outros sancionadores dispostos a fazê-lo contra a Rússia: A turbina não será entregue, o que seria ainda mais agradável, a Rússia deve sentir a força da vontade.

E agora? Agora sentimos a nossa própria estupidez e estreiteza de visão e teimosia e as consequências do ódio e cálculo dos decisores que fazem de países inteiros o brinquedo das estratégias geopolíticas. Portanto, aqui estamos nós, é a vez da Alemanha. O comentador da manhã Brauns continua:

Mas será que vai realmente manter-se nos dez dias anunciados? O governo alemão, especialmente o ministro da Economia Robert Habeck, está preocupado que o Kremlin possa nem sequer abrir a torneira do gás posteriormente. “Qualquer coisa é possível. Qualquer coisa pode acontecer”, advertiu novamente numa entrevista “Deutschlandfunk” no domingo. “Temos de nos preparar sempre, honestamente, para o pior”, disse Habeck.

Se este cenário ocorrer realmente depois de 21 de julho, o terceiro nível de emergência de gás poderá ter de ser declarado na Alemanha muito mais cedo. O gás nas instalações alemãs de armazenamento de gás não seria então suficiente para o Outono e o Inverno. Peter Adrian, Presidente da Associação das Câmaras de Indústria e Comércio Alemãs (DIHK), alertou agora para uma tal “super-GAU”. Se se verificasse que as empresas teriam de parar a sua produção, então ele temia “claramente uma recessão”. Sobre os efeitos negativos, Robert Habeck disse: “Isto irá colocar a Alemanha a um teste que já não temos há muito tempo”.

De facto, a última fase do “plano de emergência de gás” tem consequências económicas e sociais dramáticas: Pois no caso de uma tal “perturbação significativa do fornecimento de gás”, a Agência Federal de Rede decidiria quem ainda receberia gás e a quem este seria cortado. É verdade que a indústria seria afectada em primeiro lugar e não as famílias. Mas as consequências económicas seriam possivelmente tão graves que a Alemanha deslizaria para uma crise económica de tal ordem que todas as famílias a sentiriam. Se esta ordem é, portanto, a mais correcta, é uma questão de debate.

A situação é grave porque os Habecks e os Adrians não conseguem pensar em nada melhor do que simplesmente descrever a catástrofe emergente e fazer planos de contingência de alarmismo. Basta. Porque não lemos sobre negociações sérias por Habeck e Cia., por chefes de negócios com a Rússia e outras nações, porque é que estas pessoas não dão qualquer pista clara? O comentador não procura respostas a isto, nem faz quaisquer perguntas. Em vez disso, ele afirma como se fosse um negócio fechado:

De uma forma ou de outra: os alemães ficarão mais pobres. Porque os preços da energia vão continuar a explodir. Aqueles que não podem já reservar milhares de euros para pagamentos adicionais em caso de dúvida, serão ameaçados de despedimento se não pagarem. O governo já está, por conseguinte, a discutir a criação dos chamados fundos para as dificuldades. A inflação continuará a aumentar como resultado do aumento dos preços da energia. Isto atinge as pessoas mais pobres de forma particularmente dura, mas também a classe média. A compensação social só será provavelmente possível se se contrair mais dívidas. Com o aumento das taxas de juro, este é um problema maior do que era durante a pandemia. O aumento dos impostos poderia, por sua vez, paralisar a economia.

Por isso. O governo está a discutir os fundos para as dificuldades. E o aumento dos impostos, que poderia paralisar a economia. Isso tem funcionado bem sem ele, não tem? Ao leitor dos comentários é sempre apresentada a guerra como a principal razão da nossa inacção, do nosso fracasso, da nossa situação difícil, e a cooperação com outro país é denegrida como “dependência”. Pensando ironicamente, poder-se-ia dizer: É verdade, mas como se pode, mesmo na nossa bela terra, que é habitada por seres vivos, seres humanos, que como seres sociais, empáticos, só sobrevivem se trabalharem juntos e viverem em dependência construtiva e mútua, como se pode persistir em pensar que não faz sentido tornar-se dependente? Da UE, dos EUA, da NATO, etc. – não estamos dependentes deles?

É verdade que a desvalorização da palavra “dependência” leva à deterioração das relações entre países. De que serve estarmos dependentes um do outro? Fornecemos coisas e ideias e obtemos coisas e ideias. O que os outros têm, nós obtemos da mesma forma e vice-versa. Isto acontece em todo o mundo. Sempre. Mas como é que a história vai acabar, para não querer ter mais nada a ver com o maior país do mundo, que tem grandes recursos à sua disposição, para depois se queixar hipocritamente de que este mesmo país se está a afastar de nós como um retrocesso para as nossas acções e está também a mostrar os seus dentes neste momento?

O comentador da manhã não tem respostas. Enumera as notícias, os saltos de preços, fala sobre o “produto mais quente do mundo”. Sim, é tudo muito excitante. E observa à medida que atinge o Ocidente, incluindo a Alemanha, com mais força.

Não só a Alemanha, o mundo inteiro está em convulsão por causa da guerra de agressão russa. A realidade brutal é que, apesar de todas as sanções impostas pelo Ocidente até agora, a guerra continua sem cessar. A Rússia está agora a vender as suas matérias-primas à China e à Índia. A região asiática irá lucrar com o gás natural barato no futuro. Até agora, os estados de lá tinham de comprar o gás líquido LNG mais caro.

O gás natural, líquido ou não, é actualmente provavelmente a mercadoria mais quente do mundo. Os seus saltos de preços estão a impulsionar a inflação global. Na Europa, o preço é cerca de 700 por cento mais elevado do que era no início do ano passado. O que em tempos foi petróleo na Guerra Fria parece ser gás natural na nova luta multi-potência.

O Ocidente está, portanto, a ser atingido com mais força, especialmente a Alemanha e a Europa. Pelo menos enquanto as alternativas de energias renováveis, quanto mais uma indústria de hidrogénio verde, não tiverem sido desenvolvidas o suficiente. Tudo isto ainda vai levar anos.

A aproximação desta vez sem convulsões sociais é provavelmente a maior tarefa do nosso tempo. Os governos, seja na Alemanha, na Europa ou nos EUA, nada mais temem do que perder o apoio do seu próprio povo. Já o governo dos EUA tem de combater as alegações enganosas de que os preços da energia americana são apenas tão elevados porque os EUA fornecem as suas matérias-primas à Europa.

Para o final, Brauns escreve mesmo que os governos da Alemanha, Europa ou EUA têm um apoio popular que pode romper-se. Que tipo de apoio? Por conduzir contra a parede? O apoio já foi interrompido, já passou muito tempo para se iniciar uma mudança consistente de rumo. Que tal uma política de desanuviamento, com medidas equivalentes às da pandemia, em que tudo se tornou possível da noite para o dia (e continua a ser possível) que anteriormente parecia impensável como uma “medida” sem a possibilidade de objecção?

O desanuviamento também inclui urgentemente que a diplomacia deve trabalhar dia e noite, que os media devem encontrar tons moderados, que para manchetes como esta manhã, “Zelensky quer reconquistar o sul da Ucrânia com um milhão de soldados”, diz-se claramente: Não. A paz deve ser o objectivo. Tudo o que é necessário é vontade política.


Peça traduzida do alemão para GeoPol desde NachDenkSeiten


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Frank Blenz
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply