O general alemão Harald Kujat critica a Ucrânia por lutar “sem objectivo e apenas em benefício dos EUA”

Alfredo Jalife-Rahme

Analista geopolítico, autor e docente


Não se deve desperdiçar muito tempo com disquisições baratas: o que está em jogo na Ucrânia é o fim da ordem unipolar anglo-saxónica e o início da nova ordem multipolar!


O antigo chefe do Estado-Maior do exército alemão (Bundeswehr) de 2000 a 2002 e chefe do comité militar da NATO (2002-2005), actualmente general reformado da Luftwaffe Harald Kujat (HK), escreve um artigo perturbador no Preußische Allgemeine Zeitung, no qual questiona o objectivo desenfreado na Ucrânia e critica a posição do governo multicolor da Alemanha (bit.ly/3BihyAa).

Já em 2014, o general HK criticou o fracasso flagrante da NATO na Ucrânia (bit.ly/3RkKJIL). Aliás, esta é uma visão que se está a tornar mais enraizada nos círculos académicos críticos do Ocidente e da Eurásia, para não falar do Sul global.

Embora reconhecendo o esforço da Ucrânia para defender a sua soberania, HK insta a não perder de vista a principal realidade estratégica em jogo: o povo ucraniano está a lutar pelos interesses geoestratégicos dos EUA, em rivalidade com duas outras superpotências, Rússia e China.

Cita o secretário da Defesa dos EUA Lloyd Austin: “Segundo o presidente Biden, o presidente russo Putin deve ser deposto (mega-sic!); as forças armadas da Rússia, permanentemente enfraquecidas numa guerra de desgaste”. Agora podemos compreender porque é que os multimédia globalistas neo-liberais germânicos estão a chamar General HK de russófilo.

Não se deve desperdiçar muito tempo com disquisições baratas: o que está em jogo na Ucrânia é o fim da ordem unipolar anglo-saxónica e o início da nova ordem multipolar!

O general HK pergunta: quais são exactamente os objectivos dos países que prestam apoio militar à Ucrânia? E (durante quanto tempo) o fornecimento de armas ainda é o caminho certo a seguir. Comenta que a realidade que a Alemanha e a Europa enfrentam é que os EUA não conseguirão eliminar a Rússia como seu rival geopolítico quando “a Rússia não se aproximará sequer de uma derrota militar nesta guerra por procuração (sic) sem a intervenção directa dos EUA e da NATO”.

Deve também assumir-se que uma derrota militar da Rússia também não é do interesse da China, pois “os EUA estão conscientes (sic) de que a China utilizará tal processo (sic) tanto para aliviar a Rússia como para fazer avançar os seus próprios interesses”. Ele sentencia que os EUA serão incapazes de travar uma guerra de duas frentes contra a Rússia e a China.

Esta questão de uma guerra de duas frentes dos EUA tem sido tratada de forma espantosa pela Foreign Policy (bit.ly/3KS9utg) e pelo insano Josh Rogin do Washington Post (wapo.st/3D3BUyz).

Referindo-se ao governo alemão, sob o título A rota opaca de Berlim, questiona se Berlim promove a segurança dos interesses da Alemanha e defende o bem-estar económico dos seus cidadãos e da sua indústria, devido aos “danos irreversíveis (sic) à economia alemã causados por sanções”, quando as capacidades da Bundeswehr já são extremamente limitadas.

Ele cita a posição do papa jesuíta argentino Francisco de que a guerra na Ucrânia “foi talvez (sic) de certa forma provocada ou não impedida”. O papa pode muito bem pedir aos seus dedicados paroquianos Joe Biden, Nancy Pelosi e John Kerry que descubram com certeza.

A realidade é que nenhum dos presidentes ucranianos, nem Poroshenko nem o cázar Zelensky, desejaram implementar os acordos de Minsk 2 para ganhar tempo enquanto reclamavam a vida de 14.000 russófilos-russófonos ortodoxos do Donbas.

O general HK comenta que através dos acordos de Minsk 2, os Donbas teriam adquirido autonomia sem a necessidade de se desintegrarem da Ucrânia (bit.ly/3cPf2Ij).

Hoje, a gravidade geoestratégica sombria da Ucrânia está a tornar-se cada vez mais aparente, representando, segundo os gostos cronológicos, uma nova guerra de 30 anos – com início em 1991, continuando em 2014 e atingindo o seu paroxismo em 2022 – ou uma guerra de 100 anos (bit.ly/3D3L91J), destinada à balcanização e desintegração da Rússia, que se baseia no axioma do britânico Sir Halford Mackinder em 1904 com o seu livro O pivô geográfico da História.

Imagem de capa por Fraktion DIE LINKE. im Bundestag sob licença CC BY 2.0

La Jornada


Peça traduzida do espanhol para GeoPol desde La Jornada


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Alfredo Jalife-Rahme
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply