O cerne da revolução de Putin-Xi para uma nova ordem mundial – deter o deslize para o niilismo

Alastair Crooke

Alastair Crooke

Diplomata e ex-agente de Inteligência


Torna-se questionável se o Ocidente pode competir como um Estado civilizacional e manter uma presença

O 'Mapa' mundial está a acelerar o seu afastamento do 'centro' paralisado de Washington - mas para quê? O mito de que a China, a Rússia, ou o mundo não ocidental podem ser plenamente assimilados a um modelo ocidental de sociedade política (tal como o Afeganistão) está acabado. Para onde nos dirigimos então?

O mito da atracção da aculturação para a pós-modernidade ocidental mantém-se, no entanto, na contínua fantasia ocidental de afastar a China da Rússia, e de se abraçar com as grandes corporações americanas.

O maior ponto aqui é que as antigas civilizações feridas estão a reafirmar-se: China e Rússia - como estados organizados em torno da cultura indígena - não é uma ideia nova. Pelo contrário, é uma ideia muito antiga: "Lembre-se sempre que a China é uma civilização - e não um Estado-nação", repetem regularmente as autoridades chinesas.

No entanto, a mudança para um Estado civilizacional enfatizado por aqueles funcionários chineses não é indiscutivelmente um dispositivo retórico, mas reflecte algo mais profundo e mais radical. Além disso, a transição cultural está a ganhar ampla emulação em todo o mundo. O seu radicalismo inerente, porém, está largamente perdido para as audiências ocidentais.

Pensadores chineses, tais como Zhang Weiwei, acusam as ideias políticas ocidentais de serem uma farsa; de mascarar o seu carácter ideológico profundamente partidário sob um verniz de princípios supostamente neutros. Dizem que a montagem de um quadro universal de valores - aplicável a todas as sociedades - está terminada.

Todos nós temos de aceitar que falamos apenas por nós e pelas nossas sociedades.

Isto surgiu porque os não ocidentais vêem agora claramente que o Ocidente pós-moderno não é uma civilização em si, mas algo realmente semelhante a um "sistema operacional" (tecnocracia de gestão) descultualizado. A Europa da Renascença era constituída por estados civilizacionais, mas o niilismo europeu subsequente mudou a própria substância da modernidade. O Ocidente promove a sua posição de valor universal, contudo, como se fosse um conjunto de teoremas científicos abstractos que têm validade universal.

A promessa que lhe foi feita de que os modos de vida tradicionais poderiam ser preservados sob a aplicação generalizada destas normas ocidentais intencionalmente laicas - aquelas que exigiam a aplicação pela classe política ocidental - provou ser uma ocultação fatal, afirmam estes pensadores alternativos.

Tais noções não se limitam ao Oriente. Samuel Huntington, no seu livro The Clash of Civilizations, argumentou que o universalismo é a ideologia do Ocidente que se esforça por confrontar outras culturas. Naturalmente, todos fora do Ocidente, argumentou Huntington, deveriam ver a ideia de "um mundo" como uma ameaça.

O regresso a matrizes civilizacionais plurais pretende precisamente quebrar a pretensão do Ocidente de falar - ou decidir - por qualquer outra pessoa que não eles próprios.

Alguns verão este desafio russo-chinês como um mero digladiar para o 'espaço' estratégico; como uma justificação para as suas reivindicações de 'esferas de interesse' distintas. Contudo, para compreender o seu lado subjacente radical, devemos recordar que a transição para estados civilizacionais equivale a uma resistência total (sem guerra) a ser montada por duas civilizações feridas. Tanto os russos (após os anos 90) como os chineses (na Grande Humilhação) sentem isto profundamente. Hoje em dia, têm a intenção de se reafirmarem, pronunciando com força: "Nunca mais!"

O que 'acendeu o rastilho' foi o momento em que os líderes chineses viram - nos termos mais claros - que os EUA não tinham qualquer intenção de permitir que a China a ultrapassasse economicamente. A Rússia, claro, já conhecia o plano para a destruir. Mesmo a menor empatia é suficiente para compreender que a recuperação de um trauma profundo é o que une a Rússia e a China (e o Irão) num "interesse" conjunto que transcende o ganho mercantil. É "isso" que lhes permite dizer: Nunca mais!

Uma parte do seu radicalismo, portanto, é o rejuvenescimento nacional que impulsiona estes dois estados a "entrar confiantemente na cena mundial"; a emergir da sombra ocidental, e a deixar de imitar o Ocidente. E deixar de assumir que o avanço tecnológico ou económico só pode ser encontrado dentro do "caminho" liberal-económico ocidental. Pois, decorre da análise de Zhang, que as "leis" económicas do Ocidente são, de forma semelhante, um simulacro que se faz passar por teoremas científicos: um discurso cultural - mas não um sistema universal.

Quando consideramos que a actual visão do mundo anglo-americano repousa sobre os ombros de três homens: Isaac Newton, o pai da ciência ocidental; Jean-Jacques Rousseau, o pai da teoria política liberal, e Adam Smith, o pai da economia do 'laissez-faire', é evidente que o que aqui enfrentamos são os autores do 'Cânone' do individualismo (na esteira do triunfo protestante na guerra dos 30 anos da Europa). Dela deriva a doutrina de que o futuro mais próspero para o maior número de pessoas vem do livre funcionamento do mercado.

Seja como for, Zhang e outros notaram que o foco ocidental na "finança" tem vindo à custa de “matéria" (a economia real) e provou ser uma receita para desigualdades extremas e conflitos sociais. Zhang argumenta, ao contrário, que a China está prestes a desenvolver um novo tipo de modernidade não ocidental que outros - especialmente no mundo em desenvolvimento - só podem admirar, se não emular.

A decisão já foi tomada: O Ocidente pode então, nesta perspectiva, ou "calar-se, e levantar-se" - ou não. Que assim seja.

Mergulhado no cinismo, o Ocidente vê esta postura como bluff ou pose. Que valores, perguntam eles, estão por detrás desta nova ordem; que modelo económico? Implicando novamente que a conformidade universal é obrigatória, faltando assim completamente o ponto de vista de Zhang. A universalidade não é nem necessária, nem suficiente. Nunca "foi".

Em 2013, o presidente Xi fez um discurso que lança muita luz sobre as mudanças na política chinesa. E embora a sua análise estivesse firmemente centrada nas causas da implosão soviética, a exposição de Xi pretendia muito claramente um significado mais amplo.

No seu discurso, Xi atribuiu a desagregação da União Soviética ao "niilismo ideológico": Os estratos dominantes, afirmou Xi, tinham deixado de acreditar nas vantagens e no valor do seu 'sistema', mas sem quaisquer outras coordenadas ideológicas para situar o seu pensamento, as elites deslizaram para o niilismo:

"Assim que o Partido perde o controlo da ideologia, – argumenta Xi –, uma vez que não fornece uma explicação satisfatória para a sua própria regra, objectivos e propósitos, dissolve-se num partido de indivíduos vagamente ligados entre si apenas por objectivos pessoais de enriquecimento e poder". "O Partido é então tomado pelo 'niilismo ideológico'".

Este, contudo, não foi o pior resultado. O pior resultado, observou Xi, seria o Estado tomado por pessoas sem qualquer ideologia, mas com um desejo totalmente cínico e egoísta de governar.

Dito de forma simples: Se a China perdesse o seu sentido de "raciocínio" chinês, embutido durante mais de um milénio num Estado unitário com instituições fortes guiadas por um partido disciplinado, "o PCC, tão grande partido como o PCUS - seria disperso como um bando de bestas assustadas! A União Soviética - tão grande Estado socialista como era - acabou desfeita em pedaços".

Não pode haver grandes dúvidas: O presidente Putin concordaria de todo o coração com Xi. A ameaça existencial para a Ásia é permitir que os seus estados se assimilem a um niilismo ocidental sem alma. Este é então o cerne da revolução Xi-Putin: Levantar o nevoeiro e as piscadelas impostas pelo meme universalista para permitir aos estados um regresso ao rejuvenescimento cultural.

Estes princípios estiveram em acção no G20 no Bali. O G7 não só não conseguiu que o G20 mais alargado condenasse a Rússia em relação à Ucrânia, ou que inserisse uma cunha entre a China e a Rússia, como, pelo contrário, o alvo ofensivo maniqueísta da Rússia produziu algo ainda mais significativo para o Médio Oriente do que a paralisia e a falta de resultados tangíveis, descritos pelos meios de comunicação social:

Produziu um largo e aberto desafio à ordem ocidental. Estimulou o recuo - no preciso momento em que o 'mapa' político mundial está em movimento, e à medida que a pressa em direcção ao BRICS+ está a ganhar ritmo.

Porque é que isto importa?

Porque a habilidade das potências ocidentais em girar a noção da sua teia de aranha de que os seus 'caminhos' devem ser os caminhos do Mundo, continua a ser a 'arma secreta' do Ocidente. Isto é claramente dito quando os líderes ocidentais dizem que uma perda na Ucrânia para a Rússia marcaria o fim da 'ordem liberal'. Dizem, por assim dizer, que a "nossa hegemonia" depende de que o mundo veja o 'caminho' ocidental - como a sua visão para o seu futuro.

A aplicação da ‘ordem liberal' assentou em grande parte na base de uma prontidão fácil dos 'aliados ocidentais' para se conformarem com as instruções de Washington. Por conseguinte, é difícil exagerar o significado estratégico de qualquer tentativa de cumprimento do diktat dos EUA. Este é o "porquê" da guerra na Ucrânia.

A coroa e o ceptro dos EUA estão a escorregar. O perigo das sanções ‘bomba-N' do Tesouro dos EUA tem sido fundamental para induzir o cumprimento 'aliado'. Mas agora, a Rússia, a China e o Irão traçaram um caminho claro para sair deste espinhoso matagal, através do comércio sem dólares. A iniciativa do BRI constitui o "caminho elevado" económico da Eurásia. A Índia, a Arábia Saudita e a inclusão turca (e agora, uma lista alargada de novos membros está à espera de ser subscrita) dão-lhe um conteúdo estratégico baseado na energia.

A dissuasão militar tem constituído o pilar secundário da arquitectura de conformidade com os modelos ocidentais. Mas mesmo isso, embora não tenha desaparecido, é atenuado. Na sua essência, os mísseis de cruzeiro inteligentes, drones, guerra electrónica e - agora - mísseis hipersónicos, fizeram virar o antigo paradigma. O mesmo aconteceu com o evento de quebra de jogo da Rússia que se juntou ao Irão como um multiplicador de forças militares.

O Pentágono dos EUA, mesmo há alguns anos atrás, rejeitou as armas hipersónicas como sendo ‘fogo-de-vista' e um ‘artilúgio'. Uau - eles fizeram mal o cálculo nisso!

Tanto o Irão como a Rússia estão na linha da frente em áreas complementares da evolução militar. Ambos se encontram numa luta existencial. E ambos os povos possuem os recursos interiores para sustentar o sacrifício da guerra. Eles vão liderar. A China irá liderar por trás.

Só para ser claro: esta ligação russo-iraniana diz: A "dissuasão" dos EUA no próprio Médio Oriente enfrenta agora um formidável dissuasor! Israel também, terá de ponderar isso.

A relação russo-iraniana de força-multiplicadora, opina o Jerusalem Post: "fornece provas de que os dois estados … juntos - estão mais bem equipados para satisfazer as suas respectivas ambições - para pôr o Ocidente de joelhos".

Para compreender plenamente a ansiedade por detrás do artigo de opinião do The Post, temos primeiro de compreender que a geografia do "mapa móvel" em direcção a um BRICS+ - novos corredores, novas condutas, novas redes de vias navegáveis e ferroviárias - não é senão a camada mercantilista exterior para uma boneca Matryoshka. Desmarcar para as camadas internas da boneca é espiar na camada final mais interna de Matryoshka - uma camada de energia acesa e de confiança latente ao todo.

O que é que falta? Bem, o fogo que finalmente assa o prato da "Nova Ordem Z"; o evento que instaura a nova Ordem Mundial.

Netanyahu continua a ameaçar o Irão. Mesmo para os ouvidos israelitas, no entanto, as suas palavras parecem obsoletas e 'passé'. Os Estados Unidos não querem ser conduzidos por Netanyahu para a guerra. E sem os Estados Unidos, Israel não pode agir sozinha. A recente tentativa liderada pelo MEK [Mujahidins do Povo] de causar estragos no Irão cheira de alguma forma a "último recurso".

Será que os EUA vão tentar uma mudança de jogo arriscada na Ucrânia para "derrubar" a Rússia? É possível. Ou poderá tentar descarrilar a China de alguma forma?

Será inevitável um mega-confronto? Afinal, o que está em perspectiva não é o domínio de uma civilização qualquer, mas sim um regresso à ordem natural e antiga dos reinos de influência não universais. Não há nenhuma razão lógica para um boicote ocidental tentar explodir a mudança - excepto uma:

Em qualquer assimilação ao que este futuro pressagia, o Ocidente colectivo deve inexoravelmente tornar-se um Estado civilizacional 'per se' - simplesmente para manter uma presença duradoura no mundo. Mas o Ocidente optou por um caminho diferente (como escreve Bruno Maçães, comentador e ex-secretário de Estado português para os Assuntos Europeus):

"[O Ocidente] queria que os seus valores políticos fossem aceites universalmente… Para o conseguir, era necessário um esforço monumental de abstracção e simplificação .. propriamente dito, não era para ser uma civilização, mas algo mais próximo de um sistema operacional… não mais do que um quadro abstracto dentro do qual diferentes possibilidades culturais pudessem ser exploradas. Os valores ocidentais não deviam representar um "modo de vida" particular contra outro - estabelecem procedimentos, segundo os quais essas grandes questões (como viver) podem mais tarde ser decididas".

Hoje, à medida que o Ocidente se afasta do seu próprio leitmotiv-chave - a tolerância - e em direcção a estranhas abstracções 'cancelam a cultura', torna-se questionável se pode competir como um estado civilizacional e manter uma presença. E se não conseguir?

Uma nova ordem pode surgir na sequência de um de dois eventos: O Ocidente pode simplesmente autodestruir-se, após alguma "quebra" financeira sistémica, e a consequente contracção económica. Ou, em alternativa, uma vitória russa decisiva na Ucrânia pode ser suficiente para "cozinhar o prato".

Imagem de capa por MEAphotogallery sob licença CC BY-NC-ND 2.0


Peça traduzida do inglês para GeoPol desde Strategic Culture


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Alastair Crooke
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply