Muitas mãos se entrelaçam nos trópicos

Eduardo Jorge Vior

Eduardo J. Vior

Historiador doutor em Sociologia


A competição entre os partidos americanos, e entre eles e a China, complicam a campanha eleitoral brasileira e desviam a sua agenda


Lula e Bolsonaro, no caminho para uma votação chave para o Brasil, a região e o mundo

A minha avó asturiana ensinou-me que “muitas mãos num prato fazem muita barafunda”. Isto é o que está a acontecer nas eleições brasileiras. As forças que ali trabalham são apenas parcialmente nativas. Devido ao seu peso, à sua posição e à sua história, o Brasil é um actor importante na política mundial. A sua eleição é portanto influenciada pelo confronto global, mas ainda mais pelas repercussões locais da guerra quase civil que aflige os Estados Unidos.

O mapa com os resultados da primeira volta das eleições de 2022 mostra um Brasil completamente polarizado: Norte/Noroeste vs. Norte/Noroeste Nos dois estados mais importantes Bolsonaro venceu, no Rio por 11% e em São Paulo por 7%. Lula pode ter ganho por 7 milhões de votos, mas, aconteça o que acontecer, é muito provável que um governo Lula seja extremamente frágil e tenha de negociar permanentemente com a ultra-direita bolsonarista que terá uma grande maioria no Congresso. Em termos de Big Picture, é a última coisa que o mundo precisa para sair da guerra actual e a região para reconstruir a sua unidade. Muito pior ainda, se cada um dos concorrentes tiver padrinhos opositores nos EUA.

Independentemente de quem vencer as eleições presidenciais brasileiras, o mundo com que Bolsonaro ou Lula terão de lidar em 2023 será ainda mais complexo do que o actual.

A China está a viver um momento preocupante e desconhecido. No 20º Congresso do PCC, que começa a 16 de outubro, Xi Jinping será eleito pela terceira vez para liderar o partido. Em março, quando o Congresso Nacional Popular se reunir, ele será eleito para liderar o país. Face ao declínio do crescimento económico (para 2022 é esperado até 5,5 por cento), com algum aumento do desemprego e uma grave crise hipotecária que está a provocar a paralisação do trabalho de construção e a escassez de habitação, as diferentes linhas que sempre coexistiram com conflitos dentro da parte estão a fazer ouvir a sua voz. A juntar à crise interna está a crescente tensão com os EUA sobre Taiwan. O antigo/novo presidente precisará de uma mão firme, mas muita prudência, também nas relações com as principais potências emergentes.

Para o Brasil, o que acontece na China é da maior importância. A República Popular é o principal comprador do Brasil, e esta dependência comercial significa que o risco de um abrandamento chinês terá um impacto directo no Brasil, o que poderá provocar uma crise grave. A China já está à procura de alternativas para a importação de soja e minério de ferro. A ideia chinesa é a de diversificar os fornecedores de tudo o que é estratégico para eles. O Brasil, por outro lado, não tem uma estratégia clara para diversificar os seus mercados de produção.

Em 2023, o processo de “dissociação”, através do qual o governo dos EUA incentiva as empresas americanas com investimentos na China a regressarem aos Estados Unidos ou a procurarem outro país para se estabelecerem, ganhará ímpeto e o mundo tornar-se-á ainda mais polarizado. Tanto os EUA como a China poderiam, portanto, exigir uma posição mais clara dos seus parceiros. Este não é o estilo da diplomacia asiática, mas é o estilo dos americanos.

Consequentemente, se Lula for eleito, terá de ser ainda mais cuidadoso na sua política de boas relações com todos. Em períodos mais calmos, tais como durante os seus dois primeiros governos (2003-10), os Estados Unidos, a China e outros países consideraram a ambiguidade do seu posicionamento internacional inofensivo, mas num contexto de guerra mundial, a neutralidade por ignorância será condenada e a neutralidade estratégica terá de afinar os seus instrumentos para funcionar bem.

A Europa está a viver o seu momento mais tenso desde o fim da Guerra Fria. É provável que a guerra na Ucrânia se arraste, alargue e aprofunde, tal como as sanções ocidentais, exercendo mais pressão sobre os países importadores de energia, bem como gerando mais instabilidade geopolítica no mundo. Tanto Bolsonaro como Lula têm relações pessoais empáticas com Vladimir Putin, e o Brasil tem seguido uma linha pouco clara sobre a Ucrânia que precisará de mais requinte para ser mantida.

Para o Brasil, a Europa é importante não só devido ao contexto comercial. A aprovação do acordo Mercosul-UE (ambição de Lula) depende da equação de poder no seio da UE, mas também de acordos duramente conquistados com os seus parceiros no seio do Mercosul. A afinidade ideológica com o governo argentino não dilui as diferenças de interesses entre os dois países.

Muitos ainda não perceberam que, hoje em dia, a Índia é o país mais estratégico do planeta. É um aliado dos EUA em algumas questões, mantém um diálogo permanente e boas relações comerciais com a China, tem uma história de cooperação militar com a Rússia, e está no epicentro do mundo. Os EUA e a Índia assinaram há alguns anos um acordo de cooperação cibernética que dá aos EUA uma vantagem significativa face a possíveis ataques cibernéticos da China. Além disso, a Índia faz parte do QUAD, um acordo militar naval entre os EUA, Índia, Austrália e Japão para aumentar a presença e a força no Indo-Pacífico. Nova Deli está também a expandir algumas bases navais no Oceano Índico, em disputa directa com a China. Ao mesmo tempo, porém, pertence aos BRICS e à Organização de Cooperação de Xangai, onde mantém relações estreitas com a China, a Rússia e, recentemente, o Irão.

Durante a primeira volta da campanha eleitoral tanto Lula como Bolsonaro foram vagos sobre a sua relação futura com a Índia. Faz sentido, uma vez que não é uma relação que sobrevive apenas por intuição diplomática. Têm de ser feitos esforços. Mesmo assim, o Itamaraty deveria considerar a Índia como uma alternativa importante para alargar o seu espaço de manobra em matéria de política externa e formular uma estratégia cuidadosa de aproximação.

A maior diferença na política externa entre Lula e Bolsonaro será vista na relação com a América Latina. Em geral, o governo cessante abordou os laços com os seus vizinhos com critérios fortemente tingidos pela ideologia. Pelo contrário, quanto mais próximos estiverem geograficamente os parceiros comerciais, tanto mais pragmáticos terão de ser. O facto de a Venezuela, Colômbia, Equador, Bolívia, Peru, Chile, Argentina, México, etc. terem governos populares e democráticos torna naturalmente mais visível a empatia entre Lula e os líderes destes países. No entanto, esta proximidade pessoal não se traduz necessariamente em relações eficazes e benéficas para os países.

No programa eleitoral do PT há uma forte ênfase na América Latina, cuja integração regional é considerada uma prioridade para o Brasil. Além disso, a proposta presta grande atenção ao papel do ambiente na política externa, reforçando o compromisso de reduzir as emissões de carbono, cumprir com o Acordo de Paris e promover a transição energética.

Ainda mais importante do que a orientação internacional dos candidatos brasileiros é a forma como as principais potências encaram as eleições brasileiras. “Os Estados Unidos seguirão as eleições brasileiras com grande interesse”, disse a porta-voz da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, a 7 de setembro. “Os Estados Unidos têm confiança na força das instituições democráticas do Brasil, que têm uma história de eleições livres e justas realizadas com transparência e altos níveis de participação eleitoral”, acrescentou ela. Controversamente, disse que o governo dos EUA iria monitorizar as eleições brasileiras na expectativa de que estas seriam conduzidas de forma livre e justa e que as instituições relevantes agiriam de acordo com as normas constitucionais do Brasil.

Almas gémeas: Trump chegou ao ponto de chamar Bolsonaro a sua versão de si mesmo

Pela sua parte, o antigo conselheiro e organizador do “Movement” da extrema-direita, Steve Bannon, disse à BBC News Brasil que “esta será uma das eleições mais intensas e dramáticas do século XXI”.

Do pólo ideológico oposto, o senador Patrick Leahy, um dos cinco senadores aliados a Bernie Sanders, ao propor uma resolução no Congresso do país para “apoiar as instituições democráticas do Brasil” que foi votada por unanimidade no dia 28, declarou que “o destino da democracia brasileira e a sua relação com os Estados Unidos serão decididos nas próximas eleições”.

Pela sua parte, o ex-presidente americano Donald Trump gravou um vídeo antes da primeira volta em que instou os brasileiros a votarem no presidente Jair Bolsonaro. “Tem uma grande oportunidade de reeleger um líder fantástico, um homem fantástico, um dos melhores presidentes que qualquer país do mundo pode ter”, disse o republicano. Trump acrescentou então que Bolsonaro fez um trabalho “extraordinário” sobre a economia brasileira, tornando-se um presidente respeitado “por todo o mundo”.

Bolsonaro e Trump não fazem segredo das suas afinidades políticas. Durante a sua estadia na Casa Branca, o republicano foi visto como um dos grandes aliados do seu colega brasileiro. O primeiro ministro dos Negócios Estrangeiros brasileiro durante os primeiros meses do seu governo, Ernesto Araújo, chegou a considerar Trump como a “salvação do Ocidente”. Quando Trump concorreu à reeleição e foi derrotado pelo democrata Joe Biden, Bolsonaro permaneceu leal, apostando num republicano perturbado na recontagem que os seus advogados tentaram impor. Uma vez consolidada a vitória de Biden, entretanto, o Brasil foi o último país a reconhecer o resultado e a enviar as suas felicitações ao novo líder dos EUA.

Tanto a declaração da Casa Branca como a resolução do Senado dos EUA envolveram intervenções maciças a favor de Lula, com quem os EUA esperam ter relações mais fluidas do que com o seu adversário. As declarações de Trump e Bannon também alimentaram o confronto doméstico. Esta influência manifestou-se no Brasil na formação de Lula de uma “frente democrática” muito ampla que confronta um sólido bloco ultra-conservador liderado por Bolsonaro, ancorado nas mais antigas tradições oligárquicas do país, mas tingido por uma retórica anti-comunista que está 60 anos desactualizada. Nem o desenvolvimento da economia nacional, nem a “harmonia” entre classes e regiões, nem o futuro de um “poder” ao qual o Brasil uma vez se considerou predestinado, desempenharam qualquer papel na primeira volta das eleições, tal como tinham desempenhado durante décadas. Os temas brasileiros foram substituídos por slogans norte-americanos.

É um mau ponto de partida para lidar com um mundo envolvido numa guerra que apenas prolonga, amplia e se intensifica. Quem vencer a 30 de outubro terá de restabelecer, ainda que minimamente, a unidade nacional e conciliar a neutralidade activa a nível internacional com uma política integracionista a nível regional, o que significará necessariamente recorrer ao investimento chinês em infra-estruturas. Caso contrário, o país será despedaçado pelas potências em competição e pelos partidos da disputa interna dos EUA.


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Eduardo J. Vior
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply