Desembrulhando a ‘mudança de jogo’ na Ucrânia; É inevitável um grande conflito?

Alastair Crooke

Alastair Crooke

Diplomata e ex-agente de Inteligência


Qualquer solução política – por muito teórica que seja, neste momento – envolveria Moscovo sentada com o Ocidente colectivo. Kiev tornou-se um espectador


A Rússia está a preparar-se para uma escalada nesta guerra. Ela está a aumentar as suas forças para o nível mínimo que poderia lidar com uma grande ofensiva da NATO. Esta decisão não foi precipitada por um desgaste significativo da força existente. Os factos são claros: as milícias de Donetsk e Lugansk representam a maioria das forças aliadas russas que combatem nas Donbas. As milícias foram reforçadas por soldados contratados do Grupo Wagner e combatentes chechenos, no entanto, e não por forças russas regulares.

Mas isto está prestes a mudar. O número de soldados russos regulares que combatem na Ucrânia vai aumentar drasticamente. No entanto, os referendos nos oblasts ucranianos vêm em primeiro lugar; e aqueles serão seguidos pelo governo da Rússia e pela Duma, aceitando os resultados e aprovando a anexação destes territórios. Após a conclusão e a assimilação dos territórios à Rússia, qualquer ataque aos novos territórios russos será tratado como um acto de guerra contra a Rússia. Como observa o antigo diplomata indiano MK Bhadrakumar,

“A adesão de Donbass, Kherson e Zaporijia cria uma nova realidade política e a mobilização parcial da Rússia em paralelo destina-se a fornecer os alicerces militares para a mesma”.

Claramente, nós – o mundo – estamos num momento fulcral. A “Rússia Colectiva” concluiu que a antiga guerra de baixa intensidade já não é viável:

Fluxos inimagináveis de milhares de milhões de dólares ocidentais; demasiados dedos da NATO na torta da Ucrânia; uma “trilha Ho Chi Minh” demasiado extensa de armamento cada vez mais avançado e de longo alcance; e demasiados “delírios” que Kiev ainda pode, de alguma forma, vencer – de facto, têm subcotado qualquer “solução fora de rampa” e portam uma escalada inexorável.

Bem, a ‘Rússia Colectiva’ decidiu ‘passar à frente da curva’, e levar os assuntos da Ucrânia à crista. É um risco; é por isso que atingimos um ponto de inflexão. A questão dos 64 mil dólares é, qual será a reacção estudada dos líderes políticos ocidentais ao discurso de Putin? As próximas semanas serão cruciais.

A questão aqui é que os líderes ocidentais “afirmam” que Putin está apenas a fazer bluff – uma vez que ele está a perder. O hype ocidental é “disparar contra a lua”: “Putin está em pânico; os mercados russos estão a cair; os jovens estão a fugir do recrutamento”. Sim, bem, o índice Moex Rússia fechou mais alto na quinta-feira; o rublo tem-se mantido estável; e as grandes filas estão nos escritórios de recrutamento, e não nos balcões das companhias aéreas.

Só para ser claro: a mobilização limitada que Putin anunciou só se aplica àqueles que servem na reserva territorial da Rússia e que fizeram o serviço militar previamente. É pouco provável que faça coxear a economia.

A retirada táctica pré-planeada russa de Kharkov – embora militarmente sã na lógica, dado o número de tropas necessárias para defender uma fronteira de 1.000 km – gerou em todo o Ocidente uma fantasia de pânico em Moscovo e de forças russas a fugir de Kharkov antes de uma avançada ofensiva ucraniana.

O perigo para tais fantasias é que os líderes comecem a acreditar na sua própria propaganda. Como é que as reportagens dos serviços secretos ocidentais se podem tornar tão divorciadas da realidade? Uma razão é, sem dúvida, a decisão explícita de criar uma inteligência selectiva para servir como propaganda anti-russa deliberadamente ‘vazada’. E onde seria a melhor pedreira para tal material propagandístico? Kiev. Parece que, em grande parte, os serviços de inteligência vêm aceitar e fazer circular o que Kiev diz, sem verificação cruzada da exactidão.

Sim, é difícil de acreditar (mas não sem precedentes). Os políticos adoram naturalmente o que parece reforçar as suas narrativas. Avaliações contraditórias são recebidas com carrancas.

Portanto, os líderes ocidentais estão a duplicar as promessas de continuar a enviar dinheiro e armas avançadas para a Ucrânia que serão utilizadas para atacar – entre outros – civis russos. Uma nova narrativa coordenada do Ocidente é que, enquanto do lado russo, um homem pode acabar com a guerra; do outro, para a Ucrânia acabar com a guerra significaria “nenhuma Ucrânia”.

Os neocons, como Robert Kagan, colocaram naturalmente a sua própria reviravolta nas psyops oficial, ao empurrar a linha que Putin está a fazer bluff. Kagan escreveu em Foreign Affairs:

“A Rússia pode possuir um arsenal nuclear temível, mas o risco de Moscovo o utilizar não é agora maior do que teria sido em 2008 ou 2014, se o Ocidente tivesse então intervido. E [o risco nuclear] tem sido sempre extraordinariamente pequeno: Putin nunca iria obter os seus objectivos destruindo-se a si próprio e ao seu país, juntamente com grande parte do resto do mundo”.

Em suma, não se preocupe em ir para a guerra com a Rússia, Putin não vai usar ‘a bomba’. A sério?

Mais uma vez, para ser claro, Putin disse no seu discurso de 21 de setembro:

“Eles [líderes ocidentais] recorreram mesmo à chantagem nuclear… [Refiro-me] às declarações feitas por alguns altos representantes dos principais países da NATO sobre a possibilidade e admissibilidade da utilização de armas de destruição maciça – armas nucleares – contra a Rússia”.

“Gostaria de lembrar … em caso de ameaça à integridade territorial do nosso país, e para defender a Rússia e o nosso povo, faremos certamente uso de todos os sistemas de armamento à nossa disposição. Isto não é um bluff”.

Estes neocons que defendem a “dissuasão dura” entram e saem do poder, estacionados em locais como o Council on Foreign Relations ou o Brookings ou a AEI, antes de serem chamados de volta ao governo. Têm sido tão bem-vindos na Casa Branca de Obama ou Biden, como na Casa Branca de Bush. A Guerra Fria, para eles, nunca terminou, e o mundo permanece binário – “nós e eles, o bem e o mal”.

É claro que o Pentágono não compra o meme Kagan. Eles sabem bem o que a guerra nuclear implica. No entanto, a UE e as elites políticas dos EUA optaram por colocar todas as suas fichas na roleta, aterrando na “Ucrânia”:

A expressão simbólica da Ucrânia serve agora múltiplos fins: Principalmente, como distracção dos fracassos domésticos – “Salvar a Ucrânia” oferece uma narrativa (embora falsa) para explicar a crise energética, a inflação galopante e o encerramento de empresas. É também um ícone, no quadro do “inimigo dentro” (os sussurros de Putin). E serve para justificar o regime de controlo actualmente a ser cozinhado em Bruxelas. É, em suma, politicamente muito útil. Mesmo talvez, existencialmente essencial.

A Rússia deu assim o primeiro passo em direcção a uma verdadeira base de guerra. O Ocidente será bem aconselhado a reconhecer e compreender como surgiu esta situação, em vez de fingir ao seu público que a Rússia está à beira do colapso – o que não é o caso.

Como é que a “Rússia colectiva” chegou a este ponto? Como é que as peças se encaixam?

A primeira peça deste quebra-cabeças é a Síria: Moscovo interveio ali com um pequeno empenho – cerca de 25 caças Sukhoi e não mais de 5.000 homens. Ali, tal como na Ucrânia, a operação foi uma de apoio às forças da linha de frente. Na Ucrânia, através da ajuda às milícias do Donbas para se defenderem – e na Síria, através da oferta ao exército sírio de apoio aéreo, inteligência e mediação àqueles com quem Damasco não estava a falar.

A outra peça chave para compreender a “postura” da Rússia na Síria era que Moscovo podia contar, para a luta no terreno, com dois auxiliares de combate altamente qualificados e motivados, para além do exército sírio dominante: ou seja, o Hezbollah e a IRGC.

No seu conjunto, esta intervenção russa – limitada apenas a um papel de apoio – produziu, no entanto, resultados políticos. A Turquia mediou; e daí resultou o Acordo de Astana. Apesar de Astana não ter sido um grande sucesso – mas a sua estrutura continua.

A questão aqui é que o destacamento de Moscovo para a Síria acabou por ser politicamente orientado para uma solução política.

Rápido avanço para a Ucrânia: As milícias de Donetsk e Lugansk representam a maioria das forças aliadas russas que combatem nos Donbas. As milícias são reforçadas por soldados contratados do Grupo Wagner e por combatentes chechenos. Isto explica porque é que as perdas russas de 5.800 mortos em combate, durante a Operação Especial Militar (OEM) são “pequenas”. As forças russas raramente estiveram na linha da frente desta guerra. (Na Síria não se encontravam de todo na linha da frente).

Assim, o projecto da Síria foi efectivamente levantado e montado sobre a Ucrânia. O que é que isto nos diz? Sugere que originalmente a Equipa Putin foi angulada para uma solução negociada na Ucrânia, tal como na Síria. E isso quase aconteceu. A Turquia voltou a ser mediada, tendo as conversações de paz ocorrido em Istambul em finais de março, com resultados promissores a revelarem-se.

No entanto, num aspecto, os acontecimentos aqui não seguiram o padrão da Síria. Boris Johnson imediatamente aniquilou a iniciativa de acordo, avisando Zelensky que não deve “normalizar” com Putin; e se ele chegasse a algum acordo, este não seria reconhecido pelo Ocidente.

Após este episódio, a OEM continuou, no entanto, no seu formato altamente restrito (sem sinais de qualquer solução política no horizonte). Também persistiu, apesar das provas crescentes de que a derrubada das defesas que a NATO tinha passado oito anos a erguer em Donbas estava provavelmente para além das capacidades das milícias. Em suma, o OEM estava a demonstrar as suas limitações: o que funcionava na Síria, não estava a funcionar na Ucrânia.

Mais forças eram claramente necessárias. Poderia isto ser feito ajustando a OEM (que impunha restrições legais às forças regulares russas que serviam na Ucrânia), ou era necessária uma re-configuração completa? O que resultou foi a mobilização limitada e os resultados dos referendos.

Claramente, contudo, a decisão de assimilar o território ucraniano iria excluir uma provável solução política, mas esta última possibilidade estava de qualquer forma a diminuir à medida que o Ocidente caía nas suas fantasias de uma vitória completa ucraniana, e à medida que a NATO se intensificava. A “guerra” estava a tornar-se cada vez menos sobre a Ucrânia, e cada vez mais a guerra da NATO contra a Rússia.

Qualquer solução política – por muito teórica que seja, neste momento – envolveria Moscovo sentada com o Ocidente colectivo. Kiev tinha-se tornado um espectador.

Bem, este foi o ponto em que outras geopolíticas se empurraram para a equação: A Rússia, sob sanções, deve prosseguir uma estratégia de construção de uma “profundidade estratégica” protegida que negoceie em moedas próprias (fora da hegemonia do dólar). MacKinder chamou a esta esfera a ‘Ilha do Mundo’ – uma massa terrestre, bem distanciada das Grandes Potências navais.

A Rússia precisa do apoio dos BRICS e da SCO como parceiros tanto para criar esta ‘profundidade estratégica comercial’, como para o projecto de ordem mundial multipolar. Alguns dos seus líderes – particularmente a China e a Índia – conscientes da carta fundadora da SCO de 2001 – poderiam naturalmente ter dificuldade em emprestar apoio público aos planos da Rússia para a Ucrânia.

Sim, a China e a Índia são sensíveis a intervenções noutros estados, e a Equipa Putin tem trabalhado arduamente, informando continuamente os seus aliados sobre a Ucrânia, para que pudessem compreender todos os antecedentes do conflito. A cimeira em Samarcanda foi a ‘peça’ final – o relatório pessoal sobre o que estava para vir em relação à Ucrânia que precisava de ser concretizado.

Como irá o Ocidente reagir? Com uma exibição pública de ‘fúria’, com certeza; no entanto, apesar da propaganda, algumas realidades fundamentais terão de ser abordadas: Será que a Ucrânia, com as suas forças severamente esbatidas, tem os meios para continuar esta guerra após a perda de tantos homens? Será a Europa sequer capaz de se mobilizar para uma guerra mais vasta da NATO contra a Rússia? Será que os Estados Unidos e a Europa mantêm um inventário suficiente de munições, depois de tanta coisa já ter sido passada para as mãos de Kiev?

As próximas semanas cruciais darão respostas.

Imagem de capa por Lewin Bormann sob licença CC BY-SA 2.0


Peça traduzida do inglês para GeoPol desde Strategic Culture


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Alastair Crooke
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply