As inúmeras matizes das bandeiras falsas da NATO

Natasha Wright


A retórica do belicismo está viva e pulsante por parte do Ocidente colectivo e certamente não morre com o tempo, bem pelo contrário


Com uma visão a posteriori do mês passado, mais ou menos, ouve-se dizer que os serviços secretos russos podem dizer, sem medo de contradição, que conseguiram obter provas conclusivas de que os peritos militares britânicos coordenaram os ataques ao Nord Stream 1 e 2.

Numa nota relacionada, o presidente turco Erdogan parece ter estado muito activo nestes dias nesta frente política. O famoso e infame acordo sobre os cereais foi finalmente acordado. Alguns tendem a pensar que há muito que devia ter sido feito e que deveria ter acontecido muito mais cedo. Não é certo que seja um bom sinal se os dois líderes Vladimir Putin, um epítome de saúde e mente sã e o seu infame homólogo Sr. Cocainsky….. oops quero dizer Sr. Zelensky, poderiam eventualmente sentar-se à mesa de negociações a qualquer momento. A maioria dos analistas políticos tendem a concordar que as negociações não acontecerão no formato Putin-Zelensky, mas Putin com quem quer que presida em Washington DC nessa altura. Isso parece ser um dado político. Nem mesmo as negociações a partir de fevereiro deste ano podem estar próximas das planeadas num futuro (in)previsível. A muito procurada mediação através de uma série de outras grandes potências pode certamente acontecer e intervir parcialmente para reavivar as relações entre os dois países e possivelmente forjar medidas preparatórias. Aparentemente, só após mais algumas fases desta guerra será possível dar início às negociações em quaisquer formas e feitios imagináveis até à data. Parece ser irrealista esperar que algo crucial aconteça mais cedo do que isso. Um novo Plano Marshall está alegadamente a ser preparado a todo o vapor para ser empurrado para a Ucrânia, venha o que vier, independentemente dos graves danos e caos causados até agora à malfadada Ucrânia. Com o presidente turco Erdogan a dizer que mesmo o chanceler alemão irá muito provavelmente mudar a sua tediosa retórica em breve com misericórdia. Pensando nesta confusão horrível e trágica, há algum espaço para a mudança da retórica esmagadora, porque as consequências negativas mais severas recaem tanto sobre os países europeus como sobre a própria Ucrânia. Será que a NATO e os EUA não se fartaram da sua mais brutal guerra por procuração contra “o proverbial Urso Russo” com o gigantesco poderio militar da sua mandíbula. Já vimos isso acontecer tantas vezes até agora, não vimos? Lamentavelmente, porém. Isso irá causar mais opiniões contraditórias e certas discórdias dentro da UE per se no seu posicionamento em relação à Rússia. Vladimir Putin afirmou clara e sucintamente que a Rússia não tem qualquer intenção de utilizar armas nucleares na Ucrânia. Embora muitos no Ocidente colectivo continuem a vender a sua propaganda belicista que isso está prestes a acontecer. Uma bomba suja está a ser mencionada com demasiada frequência para passar despercebida. A Ucrânia pode muito bem recorrer a ela de facto e não a Rússia. A retórica belicista está viva e a dar pontapés por parte do Ocidente Colectivo e certamente não morre com o tempo, mas muito pelo contrário. A proverbial angústia existencial relacionada com a futura bomba suja é justificável e bem fundamentada, seguramente porque uma central nuclear pode ser atingida com o efeito devastador semelhante ao de uma verdadeira bomba nuclear.

Os chacais da NATO a caminhar sobre um telhado de lata quente de uma “bomba nuclear suja”

Armas estratégicas podem ser destacadas pelas tropas russas desde que se verifique uma escalada esmagadora dos conflitos, mas, mais uma vez, o lado russo não tem grande necessidade disso com o avanço militar da sua reserva militar activa.

Acima de tudo, um dos principais objectivos dos militares russos neste conflito, como é normalmente o caso, é minimizar o número de mortos tanto de civis como do exército, mas isto deve-se principalmente ao facto dos militares ucranianos terem decidido intensificar as suas actividades militares, independentemente do enorme número de mortos e dos danos mais catastróficos causados até à data. A Ucrânia também recorreu lamentavelmente a uma série de actos terroristas até hoje desde o início da operação militar especial russa de desnazificação e desmilitarização da Ucrânia, 24 de fevereiro de 2022, os referidos ataques terroristas da Ucrânia contra Energodar, depois novamente contra a Ponte da Crimeia e uma série de ataques ao porto de Sevastopol por meio de drones militares e para que não esqueçamos o assassinato mais atroz de Darya Dugina. Todo este caos tem uma assinatura segura do Ocidente Colectivo e a sua metodologia de guerra, como o recurso a truques sujos, infiltração de comandos e uma pletora de tácticas de distracção. Estas assemelham-se às actividades britânicas na Segunda Guerra Mundial. A assinatura britânica é visível e reconhecível em todas estas operações. Lançar quinze ataques por meio de comandos através daquele lago artificial na Ucrânia é muito semelhante ao Black Adder, dizendo: “Até agora, realizámos uma investida total nas suas trincheiras militares. Ninguém espera que façamos a mesma coisa pela 15ª vez”.

Infelizmente, muitas palavras verdadeiras têm sido ditas em tom de brincadeira. Ou talvez esta, por Blackadder: “Elaborei um plano tão astucioso que se poderia enfiar-lhe uma cauda e chamar-lhe doninha”. Presumo que o velho demente de Washington DC se disfarça de velho, enquanto o presidente dos EUA vai para a cama com um sorriso todas as noites a murmurar esta citação.

O Reino Unido, sendo o factor chave dos EUA na Europa e a sua incontestável “cavalaria do Apocalipse”, com uma animosidade de séculos e um sentimento nefasto contra a Rússia e a sua rivalidade imperial e a sua famosa e infame experiência diplomática e de inteligência com uma pletora de subversões e desvios militares que nunca deixam de existir.

Com um olhar rápido sobre a UE novamente, a França, a Alemanha e a Polónia fizeram um esforço substancial para que a UE revisse as atitudes em relação à Rússia há um mês atrás, mas parece haver interesses contraditórios entre os países da UE.

Os britânicos parecem ter este tique neurótico imperial na sua textura nacional para tentar superar e ser mais espertos que a Rússia “para cada vez mais”, dados os contínuos avisos do Banco de Inglaterra, para citar apenas um, que parecem continuar a sinalizar que o Reino Unido está em dificuldades financeiras, cujas finanças não estão nem um pouco perto das dos tempos do Império Britânico. Não podemos deixar de recordar a Crise do Suez Suez de 1956 (Todas as Partes) e, a partir daí, uma série de sinais do poder decrescente do Reino Unido, juntamente com governos de curta duração, líderes políticos sem brilho e primeiros-ministros ignorantes. ‘Woe to that land that’s governed by a child’ (Ai daquela terra que é governada por uma criança). William Shakespeare afirmou de forma famosa em Ricardo III, acto 2, sc.3, l.11.

Com um olhar rápido sobre a UE novamente, a França, a Alemanha e a Polónia fizeram um esforço substancial no sentido da UE rever as atitudes em relação à Rússia há um mês atrás, mas parece haver interesses contraditórios entre os países da UE, pelo que este esforço parece ser um “nado-morto da burocracia de Bruxelas” (por favor perdoem o meu infeliz trocadilho).

Afinal, tanto a França como a Alemanha são incapazes e inaptas para se oporem aos EUA. A Polónia encontra-se na sua frente oposta extrema, dadas as suas amargas lições aprendidas no passado, mas continua a tomar uma posição belicista, na medida em que a Polónia e o Reino Unido parecem ser rivais proverbiais em quem vai ser mais rússófoba. É absolutamente óbvio que o governo polaco está a fazer birras políticas, tentando reposicionar-se geopoliticamente, embora os polacos comuns participem em protestos em massa por causa das contas de serviços públicos exorbitantes que se apresentam e do Inverno sombrio que se avizinha rapidamente. A maioria dos pobres estão dolorosamente conscientes de serem um mero escudo humano num possível conflito bélico com a Rússia. A história pode muito bem repetir-se mais uma vez.

A UE é demasiado fraca para ser de alguma forma vital na tomada de decisões sobre estas questões e enquanto Vladimir Putin, no seu soberbo discurso na conferência de Valdai, continua a reiterar que o mundo, tal como o conhecemos até agora, chegou ao fim e está a anunciar a criação de um novo mundo, o velho demente em Washington DC disfarçado de presidente dos EUA, nas suas passarelas lunares Lady MacBeth-escas parecem estar a tentar resistir aos esforços constantes do tempo e da história em marcha e com desespero para enterrar os acontecimentos à sua volta e o Clube de Discussão Internacional Valdai no esquecimento.

Uma bomba nuclear é uma bomba nuclear é uma bomba nuclear

O termo bomba suja, por estranho que possa parecer aos leigos, não teve origem na ciência mas, estranhamente, na literatura. Foi cunhado por um autor de ficção científica, Robert Heinline três anos antes de o mundo tomar conhecimento do histórico projecto Manhattan que resultou nos bombardeamentos atómicos de Hiroshima e Nagasaki.

Ao contrário da verdadeira bomba nuclear, misericordiosamente, a bomba suja permanecerá no reino da ficção científica por um futuro previsível. Até agora, nunca ocorreu que ela fosse utilizada.

Ao contrário da sua contraparte oximorónica, nomeadamente “uma bomba nuclear limpa”, a referida bomba suja pode ser construída por cada um e por qualquer John ou, infelizmente, até mesmo por Jane Doe. Basta alguma inventividade de mentes imorais medíocres, algum lixo nuclear, um contentor para o colocar todo e um método para o lançar e atingir por meio de um míssil de curto alcance e, em questão de segundos, tipos como Boris Johnson, Liz Truss ou a demente Biden ou a nefasta Victoria Nuland, para citar apenas alguns que saltariam de alegria a murmurar as palavras “Bob é teu tio”!

Quando uma bomba nuclear é utilizada, os humanos podem alegadamente viver no local em três a quatro anos. A sua decadência nuclear é de curta duração, afirmam os cientistas nucleares. Estes são os exemplos de Hiroshima e Nagasaki. Mas não é o mesmo que uma bomba suja. Dispersa matéria radioactiva em toda a sua volta, a qual tende a permanecer ali durante um longo período de tempo. Atingir intencionalmente a central nuclear de Zaporíjia seria um desastre, na medida em que lá existem quantidades colossais de resíduos nucleares.

A diferença impressionante entre as duas é que a verdadeira ogiva nuclear tem um poder destrutivo formidável. A Rússia não tem intenção de usar qualquer uma destas duas, principalmente porque ela, isto é, a Rússia não atingiria nenhum dos seus principais objectivos porque os centros de guerra do poder não estão certamente sediados na Ucrânia, mas sim longe na Casa Branca e no Pentágono, no n°10 ou no Bundestag (e talvez Bruxelas possa estar a gritar ao longo dos seus esforços de cérebro de lobo chorão). A Rússia, se alguma vez optar por uma opção nuclear, mancharia a sua própria imagem soberba que tem tido na diplomacia da dignidade e do fair play, seja em circunstâncias bastante infelizes da sua operação militar especial para desnazificar e desmilitarizar a Ucrânia.

Se a Rússia alguma vez optasse por um ataque nuclear, perderia um apoio maciço dos seus amigos, parceiros e aliados a nível global. Não é certamente verdade que o Ocidente Colectivo continue a papaguear que o mundo inteiro está contra a Rússia. Pode-se dizer que sem medo de contradição certamente que não é.

Toda a narrativa continuamente divulgada pelo Ocidente Colectivo é uma história sem sentido para contar às massas crédulas no seu número sempre crescente de operações com bandeiras falsas que é possível inventar. Black Adder e Baldrick vêm-me à mente mais uma vez. Todas as piadas à parte, as palavras sinistras de Erich Maria Remarque em Im Westen nichts Neues ecoam com a sua precisão sucinta ainda um século mais tarde.

Imagem de capa por NATO North Atlantic Treaty sob licença CC BY-NC-ND 2.0


Peça traduzida do inglês para GeoPol desde Strategic Culture


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Natasha Wright
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply