O Campeonato do Mundo de Futebol e a moral dos fariseus

Jürgen Hübschen


Existem violações óbvias dos direitos humanos no Qatar relacionadas com o tratamento dos trabalhadores estrangeiros. Não há dúvidas quanto a isto em princípio. No entanto, qualquer pessoa que tenha uma visão mais diferenciada deste problema cai imediatamente sob a suspeita de que os direitos humanos não são obviamente importantes para eles. E isto é exactamente o que eu chamo “a moralidade dos fariseus” e tentarei explicar aqui porquê


Breve retrospectiva histórica

O Campeonato do Mundo de Futebol de 2022 foi atribuído ao Qatar em 2010. Ao mesmo tempo, Moscovo foi agraciada com o Campeonato do Mundo de 2018. Na minha opinião, a FIFA nunca explicou de forma compreensível e convincente porque é que a decisão de acolher dois campeonatos do mundo de futebol foi tomada ao mesmo tempo.

No entanto, este Campeonato do Mundo não é o primeiro evento desportivo global a ter lugar no Qatar. Apenas alguns exemplos: em 2015, o Campeonato Mundial de Andebol foi realizado no Qatar; em 2019, foi o Campeonato Mundial de Atletismo; e em 2021, foi realizada pela primeira vez uma prova de Fórmula 1, e está prevista a sua realização anual a partir de 2023. Poder-se-ia citar muitos outros eventos desportivos internacionais sem qualquer protesto significativo no estrangeiro. A situação dos direitos humanos não foi certamente melhor durante todos estes eventos desportivos do que é hoje. Então porquê estes protestos em muitos países europeus agora, alguns até apelando a boicotes aos adeptos de futebol?

Principais argumentos dos adversários do Campeonato do Mundo deste ano

  • O Qatar só ganhou a licitação com a ajuda de suborno. Esta acusação é certamente difícil ou impossível de refutar, mas provavelmente também se aplica aos campeonatos mundiais anteriores.
  • Não se pode esperar um Campeonato do Mundo a temperaturas diurnas de 50°C ou mais, nem dos jogadores nem dos espectadores. A FIFA seguiu este argumento e transferiu os jogos para dezembro.
  • Um campeonato do mundo no Inverno é um completo disparate e dá aos jogadores das ligas demasiado pouco tempo para recuperarem entre a primeira e a segunda ronda. Além disso, é de notar que o mês de dezembro é inverno apenas nos países do hemisfério norte e as tensões são mais ou menos as mesmas para todos os intervenientes.
  • No Qatar, os homossexuais são discriminados. Pode-se ver dessa forma, embora se deva respeitar as culturas estrangeiras em princípio. Nem todos os países consideram a regulamentação alemã para diferenciar entre masculino e feminino, bem como diversa no que diz respeito à compreensão do género. Também deve ser lembrado que a homossexualidade ainda era punível na Alemanha ao abrigo do §175 do Código Penal Alemão (StGB) até 1994.
  • Globalmente, a orientação sexual é restrita no Qatar. Embora não possa haver uma ligação directa, vale a pena recordar que até 1969 os pais ainda corriam o risco de serem punidos nos termos da Secção 180 do Código Penal se, por exemplo, deixassem o namorado da sua filha passar a noite no mesmo apartamento. Nem sequer tinha de ser no mesmo quarto!
  • As mulheres não têm direitos iguais no Qatar e isto é também uma violação dos direitos humanos. Além disso, a posição das mulheres na sociedade é, antes de mais, uma questão da respectiva cultura e, portanto, deve ser respeitada pelos visitantes em primeiro lugar. Além disso, vale a pena lembrar que na Alemanha, até 1977, o consentimento do marido ainda era necessário se a esposa quisesse exercer uma profissão. No século passado, as professoras na Alemanha ainda estiveram sujeitas ao chamado “celibato dos professores” durante décadas. Em linguagem simples, isto significava que as professoras não eram autorizadas a casar, e se ainda o quisessem fazer, eram dispensadas do exercício da profissão docente. Só em 1957 é que o Tribunal Federal do Trabalho declarou que uma “cláusula de celibato” num contrato de trabalho era inconstitucional.
  • O Qatar não é uma democracia. Isso é, sem dúvida, verdade. Mas mesmo no nosso país, a democracia passou por um longo processo de desenvolvimento até à sua forma actual. Só existe desde 1918, e entre 1933 e 1945 foi abolida pelos nacional-socialistas. Até ao início dos anos 80, ainda havia apelos do púlpito antes das eleições na Igreja Católica para votar apenas em candidatos com uma “atitude cristã”.

Instalações militares internacionais no Qatar, actividades políticas, militares e económicas internacionais

A Base Aérea de Al Udeid é a maior base dos EUA no Médio Oriente. Cerca de 10.000 soldados norte-americanos estão estacionados ali. Além do Comando Central dos EUA para a região e várias unidades da Força Aérea e do Exército dos EUA, Al Udeid é também a casa da Força Aérea Real Britânica e, há já algum tempo, das tropas turcas. Desde 2014, os EUA têm vindo a coordenar operações contra a organização terrorista “Estado Islâmico” na Síria e no Iraque a partir do Qatar, e as operações dos EUA no Afeganistão têm também sido lideradas a partir do “Comando Central dos EUA”. As primeiras conversações entre os EUA e os talibãs afegãos tiveram lugar em Doha, a capital do Qatar, assim como as negociações posteriores. Os europeus também estabeleceram os seus contactos com os talibãs em Doha.

O Qatar possui a terceira maior reserva de gás natural do mundo. Isto levou, entre outras coisas, a que a Alemanha também tentasse compensar os fornecimentos de gás russo que já não estão disponíveis através de contratos com o Qatar. O observador atento lembra-se ainda do nosso profundo servidor ministro da Economia em frente ao Emir do Qatar, durante a sua visita a Doha. É difícil imaginar que para além de um possível fornecimento de gás à Alemanha, a situação dos direitos humanos também tenha sido discutida durante esta visita.

A moral dos fariseus

Obviamente, os direitos humanos no Qatar não têm sido até agora um critério decisivo para todas as actividades, projectos e eventos internacionais. Mesmo as infra-estruturas ultra-modernas do país, todos aqueles edifícios impressionantes, não foram certamente construídos pelos próprios catarianos, pois existem menos de 300.000. De acordo com os números da ONU, o Qatar tem a maior taxa de trabalhadores migrantes do mundo. Em termos da população total, cerca de 88 por cento dos habitantes (2,2 milhões de pessoas) são de origem estrangeira. Não se pode certamente excluir – para o dizer de forma suave – que as condições de trabalho e de vida dos trabalhadores estrangeiros da construção não tenham sido decisivamente melhores no passado do que durante a fase em que as infra-estruturas para o Campeonato do Mundo estavam a ser construídas.

O que está a acontecer agora é, para o dizer de forma banal, passar a batata quente àqueles que não são de todo responsáveis, e muito menos responsáveis, pela adjudicação do Campeonato do Mundo e pela situação dos direitos humanos no Qatar. A Alemanha teve 12 anos – outros países também, claro – para tomar medidas contra a decisão de realizar o Campeonato do Mundo no Qatar, em casos extremos para boicotar o evento. Isto não aconteceu e agora os políticos e os meios de comunicação social estão a transbordar de declarações e comentários negativos sobre este campeonato. Isto ainda poderia ser descrito como um comportamento não raro, nomeadamente “traição gritante”, embora se estivesse envolvido nele. O que é pouco importante na abordagem actual é que ela tenta fazer com que todos aqueles que estão simplesmente ansiosos por um Campeonato do Mundo se sintam culpados. Estão a tentar convencer os donos da estalagem, os organizadores das exibições públicas e, acima de tudo, os adeptos de que assistir a jogos de futebol no contexto deste Mundial de Futebol é, em última análise, ignorar a situação dos direitos humanos no Qatar, uma violação muito pessoal dos direitos humanos. Entretanto, nós na Alemanha quase chegámos ao ponto em que ninguém ousa admitir que vai assistir a estes jogos de futebol porque tem de recear que, como alguém que não se preocupa com os direitos humanos, não seja apenas colocado à margem do futebol, mas também à margem da sociedade.

Não consigo imaginar muito mais farisaísmo da parte dos responsáveis.

Imagem de capa por Adam Reeder sob licença CC BY-NC 2.0


Peça traduzida do alemão para GeoPol desde NachDenkSeiten


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Jürgen Hübschen
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply