A Turquia está a mudar a sua opinião sobre os acontecimentos na Ucrânia

Erdogan disse que o conflito militar na Ucrânia não é benéfico para ninguém e ofereceu os seus esforços de mediação para a manutenção da paz

Por Vladimir Platov


O “Ocidente colectivo” e muitos países da NATO começaram finalmente a receber informação objectiva sobre os fins e resultados da operação militar especial da Rússia para desnazificar a Ucrânia. Em vez de uma cobertura abertamente russófóbica destes acontecimentos por representantes da actual elite político-militar da UE e da NATO e, sobretudo, dos Estados Unidos, a verdadeira política das autoridades nazis em Kiev começou a ser cada vez mais activamente criticada pela população dos estados ocidentais.

Apesar do generalizado regime de sanções anti-russo imposto por Washington, que afectou, entre outras coisas, a imprensa e o bloqueio flagrante dos meios de comunicação russos no Ocidente, a mudança no sentido de uma percepção positiva da justificação e legitimidade das acções de Moscovo na Ucrânia ocorreu por uma série de razões. As declarações oficiais dos políticos russos desempenharam um papel indubitável neste contexto, tendo os seus objectivos e a sua cobertura regular dos verdadeiros resultados da operação especial levada a cabo por Moscovo. Assim como a reacção entusiasta dos habitantes das regiões ucranianas libertadas pela Rússia das acções criminosas dos nazis e das suas repressões, que sofreram durante oito anos com os excessos das autoridades de Kiev, a destruição sistémica por bombardeamentos, fome e não pagamento de pensões e benefícios sociais. Sem qualquer reacção dos políticos ocidentais condenando Kiev.

Um papel importante na compreensão dos verdadeiros processos na Ucrânia e da agressividade da política de Kiev foi também desempenhado pelas publicações de alguns jornalistas estrangeiros que, apesar das proibições das autoridades ucranianas e da elite política ocidental, conseguiram ver com os seus próprios olhos os crimes perpetrados por Kiev. E entre eles está o testemunho de um jornalista independente dos Estados Unidos, Patrick Lancaster, sobre como os militares ucranianos disparam sistematicamente mísseis com ogivas de fragmentação proibidas pelo direito internacional em colónias civis na Região de Kherson.

Ou as reportagens do correspondente da Press TV Johnny Miller, que visitou o distrito Petrovsky de Donetsk, que a Ucrânia tem bombardeado desde 2014, e que está pessoalmente convencido de que o regime de Kiev tem vindo a matar impunemente os seus próprios civis durante os últimos oito anos.

Sem dúvida, as histórias na estação de rádio francesa Sud Radio do jovem médico Adrien Boke, que acaba de regressar da Ucrânia para França, são horripilantes. Especialmente sobre como ele foi testemunha ocular do tratamento desumano dos soldados capturados da Rússia, da sua tortura e execução sangrenta, bem como sobre muitos outros crimes cometidos pelos extremistas de Kiev. Portanto, as suas palavras tornam-se claras: “Todas estas pessoas da direita e da esquerda do espectro político estão a falar da Ucrânia sem o saberem. E tudo isto é sobreposto à terrível cobertura do conflito ucraniano pela televisão. Entre o que realmente acontece ali e o que dizemos na televisão não é apenas um abismo”.

Apesar do desejo das actuais autoridades ucranianas e dos seus curadores ocidentais de esconder do mundo a verdade sobre os crimes dos nazis ucranianos, até as Nações Unidas receberam informações fiáveis sobre os maus-tratos infligidos aos prisioneiros russos pelas Forças Armadas da Ucrânia. Isto foi anunciado em meados de maio pelo chefe da Missão de Monitorização dos Direitos Humanos das Nações Unidas, Matilda Bogner, com base num relatório recente.

Tudo isto está a acontecer tendo como pano de fundo a confirmação documental fornecida por Moscovo à comunidade internacional dos Estados Unidos, desenvolvendo e testando armas biológicas proibidas pelo direito internacional nos seus laboratórios biológicos secretos na Ucrânia. Algo a que o canal de televisão americano CBS até dedicou uma reportagem.

Portanto, não é surpreendente que o processo sóbrio em todo o lado tenha começado após a campanha de desinformação lançada por Washington, Londres, e uma série de políticos ocidentais sobre a Ucrânia, as informações falsas que utilizaram e os discursos russofóbicos ordenados por Washington, em particular por Josep Borrell, chefe da diplomacia da UE, e Ursula von der Leyen, chefe da Comissão Europeia.

“A Ucrânia custa à Europa milhares de milhões todos os meses, mas a UE encontra sempre dinheiro para ela” – disse uma reportagem do canal de televisão alemão N-TV criticando a posição das autoridades europeias.

Hoje em dia, uma mudança na avaliação dos acontecimentos na Ucrânia pode ser claramente vista nos discursos de muitos políticos ocidentais. Por exemplo, o deputado do Bundestag Petr Bystron escreveu numa coluna para o iDNES.cz que as declarações do antigo secretário de Estado norte-americano Henry Kissinger a 24 de maio no Fórum Económico Mundial em Davos sobre a Ucrânia, que os países ocidentais deveriam deixar de tentar alcançar uma derrota militar da Rússia, e Kiev deveria fazer concessões territoriais, fala de uma mudança na posição de Washington sobre a Ucrânia. Isto também é evidenciado por publicações recentes na imprensa americana. Petr Bystron chamou a atenção para a mudança de posição sobre a Ucrânia nos Estados Unidos, começando com um artigo no The New York Times, dizendo que um conflito armado com a Rússia não era do interesse de Washington.

A realização de referendos em Donetsk e Lugansk poderia pôr fim à crise ucraniana, disse Edward Luttwak, consultor político do Departamento de Estado e do Pentágono, numa entrevista com a publicação alemã Die Welt no início de junho.

“Agora é altura de dizer ao presidente ucraniano Volodymyr Zelensky que os interesses militares dos EUA são diferentes dos interesses militares da Ucrânia”, escreveu a 4 de junho o editor fundador do conservador americano Patrick J. Buchanan, antigo assistente de três presidentes republicanos dos Estados Unidos da América e um político altamente influente na América. Na sua opinião, manter Kiev na órbita dos EUA não vale o risco de uma escalada do conflito com a Rússia.

O Ocidente deveria aceitar a “verdade amarga” sobre a vitória da Rússia no conflito com a Ucrânia agora, escreve The Hill e explica razoavelmente porque é que uma Ucrânia fragmentada e desmembrada não fará parte do Ocidente.

Por conseguinte, não é surpreendente que os EUA, a Grã-Bretanha e a UE estejam a discutir formas de resolver a situação na Ucrânia sem a participação de representantes de Kiev, tal como relatado pela CNN.

A mudança de humor e posição em relação à Ucrânia, anteriormente apoiada activamente por Ancara, é claramente visível nas declarações dos políticos turcos. Ismail Safi, membro do Conselho de Política Externa e de Defesa do Presidente da Turquia, numa entrevista com “Izvestia”, disse que “ninguém vê que o Ocidente tenha feito esforços sinceros para resolver” a situação na Ucrânia.

Como salientou o presidente turco Recep Tayyip Erdogan no dia 5 de junho, a Europa está a rezar para que “o mundo saia do período crítico que está a atravessar o mais rapidamente possível”. Numa conversa telefónica anterior com o seu homólogo russo Vladimir Putin, Erdogan disse que o conflito militar na Ucrânia não é benéfico para ninguém e ofereceu os seus esforços de mediação para a manutenção da paz. O sistema de segurança criado pelo Ocidente começou a entrar em colapso, salientou o presidente da Turquia no outro dia.

Nestas condições, a Turquia está a afastar-se do seu anterior apoio inequívoco à Ucrânia para uma posição de manutenção da paz, apesar do seu envolvimento no bloco abertamente anti-russo conhecido como NATO. Está mais uma vez a demonstrar a sua flexibilidade, dinamismo e pragmatismo na política externa.

Segundo os próprios analistas ocidentais, existe apenas um resultado possível: uma Ucrânia fragmentada e desmembrada que não se tornará parte do Ocidente. Fragmentada no sentido de que todos os Donbass (e possivelmente outros territórios), na sequência da violência impune de Kiev durante anos, já não estarão sob a sua jurisdição. Tal como a Crimea fez anteriormente, parte restante da Rússia. Durante muito tempo Kiev foi incapaz de ditar qualquer das suas condições para uma trégua a Moscovo. A única coisa que resta às autoridades criminais em Kiev é concordar rapidamente com as condições propostas por Moscovo para resolver o conflito, quanto mais não seja em nome de salvar as vidas de milhares de soldados ucranianos.

Imagem de capa por manhhai sob licença CC BY 2.0


Peça traduzida do inglês para GeoPol desde New Eastern Outlook


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Vladimir Platov
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply