A política alemã do champanhe e a guerra na Ucrânia

Martin Jay

Jornalista de Política Internacional


A Alemanha está confusa com a guerra da Ucrânia. Teme demasiado a Rússia e por isso quer fundir-se no pano de fundo. Será isso motivo para a bolha rebente?


A Alemanha é um país assolado por uma crise de identidade que tem sido vista por todos nos últimos meses como uma explosão a ferver. Recentemente, uma fotografia de uma ministra alemã a beber champanhe com o presidente da câmara de Kiev fez as rondas e pediu desculpa ao próprio funcionário alemão que, talvez em retrospectiva, viu que beber espumante enquanto algo como 100 ucranianos por dia morrem no campo de batalha era um pouco inapropriado – especialmente tendo em conta que os alemães são, em parte, responsáveis por essas mortes.

Mas será a actual política alemã na Ucrânia responsável pela Ucrânia se salvar da Rússia – ou, na realidade, apenas atrasar indefinidamente um resultado final que, em última análise, significa uma vitória russa?

Pode ser perdoado por não poder acompanhar a política vacilante e inconsistente de Berlim. A maioria dos alemães também não pode. Desde o início, os alemães hesitaram bastante em apoiar os ucranianos com equipamento e dinheiro. Alguns poderiam lembrar-se do hilariante pacote de capacetes que Olaf Scholz enviou, acrescentando que a Alemanha não enviaria equipamento militar pesado. Mas isso logo mudou, e o chanceler alemão, cuja voz melancólica foi comparada a um médico com más notícias, mudou de tom e puxou a alavanca. Em junho teve o seu momento de glória no parlamento alemão ao anunciar 100 mil milhões de euros de gastos militares para renovar o dilapidado exército alemão com um novo kit. O discurso, descrito como um “momento Zeitenwende”, derrubou a casa e viu os deputados aplaudir fortuitamente em apoio.

Será que um novo exército alemão, que foi ironicamente encabeçado para “salvar” a Europa, significa necessariamente mais ajuda militar à Ucrânia? Não necessariamente. As promessas de fornecer mais tanques aos países da Europa de Leste depois de terem enviado os seus para a Ucrânia não se concretizaram. Nem a promessa de tanques alemães foi, de facto, enviada directamente para a Ucrânia. Não é só que o complexo militar industrial na Alemanha esteja mal organizado – a única área em que a Alemanha age como se fosse um país mediterrânico – mas ainda há uma grande procrastinação quando se trata da Ucrânia, uma vez que o timing das entregas de armas e o tipo de kit criou divisões sangrentas no seio da coligação.

Berlim quer que a Ucrânia vença a guerra. Bem, não, na verdade não significa isso que a Rússia perca e certamente não quer isso. O ideal seria que a guerra terminasse sem que nenhum dos lados ganhasse ou perdesse, pois tem uma relação de amor/ódio com a Rússia desde que os dias dourados do Schröder-Putin terminaram e Angela Merkel entrou no palco desempenhando o papel de adversária cansada de Moscovo. Hoje em dia políticos como Scholz estão tão conscientes da humilhação da Alemanha pela Rússia, pois esta faz parte do ADN da elite política alemã. No entanto, também está consciente de que a Rússia não está longe, uma vez que a Alemanha é apenas fustigada pela Polónia. Nas últimas semanas surgiram notícias de que a Alemanha está a atrasar um pacote de ajuda da UE à Ucrânia e não envia para lá o seu próprio equipamento militar, o que suscita consideráveis críticas de arrastar os pés. No final, anunciou que seriam enviados mísseis de defesa aérea, explicando que a Alemanha não poderia enviar para lá qualquer equipamento pesado, uma vez que deixaria os seus níveis actuais dentro da Alemanha baixos. É uma desculpa que tem uma credibilidade plausível, mas que ninguém compra. A opinião do próprio partido social-democrata de Scholz é que os seus eleitores estão preocupados que a campanha russa na Ucrânia possa virar-se especificamente contra a Alemanha, o que é realmente a principal razão pela qual as grandes armas não serão enviadas.

E assim Scholz caminha na corda bamba com a sua estratégia de enviar material militar específico para a Ucrânia, para não enfurecer Putin. Berlim quer dar uma contribuição considerável, mas que se mistura na combinação e, portanto, passa despercebida. Um pouco como lutar com um atirador de ervilhas e um saco de farinha e esperar derrotar o rufia do recreio. Só pode terminar em lágrimas e caras brancas.

Entretanto, o resto da Europa pondera o que Scholz está a fazer com a sua farra de 100 mil milhões de euros gastos. A questão de como os países da UE formam um exército da UE – não necessariamente um que é dirigido por Bruxelas – foi resolvida até certo ponto. A Alemanha pode muito bem olhar para os seus vizinhos como a Roménia, por exemplo, e pedir-lhes que se juntem a ela nas chamadas excursões ao redor do mundo numa coligação informal que os meios de comunicação social chamarão, naturalmente, de “exército da UE”.

Mas na realidade, a Alemanha está apenas a reforçar o seu exército, não para enviar para a Ucrânia ou mesmo reabastecer os stocks de armas, mas mais para ser mais forte em casa. Este movimento foi hábil e jogou aos ouvidos de toda a coligação, mesmo dos Verdes que têm como manifesto fundador nos anos 80 uma promessa anti-NATO, mas que, ironicamente, são os mais artilheiros quando se trata da Ucrânia e em apoiar Zelensky. É o mesmo partido dos Verdes que também queria acabar completamente com o exército alemão. A ministra alemã apanhada a beber champanhe não deve pedir desculpa. A Alemanha tem toda a gente onde quer de momento em termos da guerra na Ucrânia e isso é algo para celebrar – certamente se Putin não tiver os alemães no seu cabelo. Talvez as despesas militares possam despertar algum zelo nacionalista por parte dos próprios alemães, uma vez que têm o seu aquecimento cortado e enfrentam a miséria devido à guerra da Ucrânia, que produziu uma recessão e um défice comercial na Alemanha nunca visto em trinta anos numa semana em que o seu ministro da economia disse que a Alemanha precisa agora de engolir a pílula amarga da dependência do petróleo russo.

Mesmo nos últimos dias da guerra no bunker, os camaradas de Hitler beberam as últimas garrafas de champanhe. Talvez os alemães possam fazer isto quando a água se esgotar e os cortes de energia se tornem a norma. Nem mencionemos a guerra.

Imagem de capa por Deutsche Bundesbank sob licença CC BY-NC-ND 2.0


Artigo traduzido do inglês para GeoPol desde Strategic Culture

Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você acha justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Telegram e VK

Autor

Martin Jay
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply