Quem está a empurrar a Sérvia para ser um “soldado peão da NATO” contra a Rússia?

Robert Bridge

Robert Bridge


O ministro Sérvio do Interior revela que uma importante agência estrangeira tem vindo a pressioná-lo para mudar a sua posição oficial sobre a Rússia e a China


O ministro sérvio do Interior Aleksandar Vulin fez uma admissão chocante esta semana, revelando que uma grande agência estrangeira o tem pressionado a mudar a sua posição oficial sobre a Rússia e a China. Espera-se que nos próximos dias se inicie uma campanha de difamação nos meios de comunicação contra a Vulin.

A posição oficial de Belgrado em relação à Rússia é que não se juntará a quaisquer sanções anti-russas, argumentando que a Sérvia seguirá a sua própria política externa independente, mantendo ao mesmo tempo fortes relações bilaterais com Moscovo. O submundo sombrio da política global, porém, tal como está a controlar todas as posições em relação à Rússia, não está a ter nenhuma delas.

“Um dos maiores serviços do mundo… disse-me que a minha posição era inaceitável e que se eu não mudar [isto] e não abandonar a política que estou a seguir… então não serei membro do governo e eles farão absolutamente tudo para me difamar”

, disse Vulin ao órgão de comunicação social Pink.

O ministro de alto nível disse que se recusou a cooperar com os membros da ‘agência estrangeira’, que se recusou a nomear.

“Não trabalhei e não vou trabalhar para ninguém, excepto para o povo sérvio, o Estado sérvio, e não vou ser completamente leal a ninguém, excepto ao presidente de todos os sérvios”

, declarou desafiadoramente em oposição directa aos princípios do globalismo.

Anteriormente, Vucic disse que os governos ocidentais tinham pressionado a Sérvia a tornar-se “um soldado raso da NATO”. Isto é certamente novo, considerando que foi a NATO que violou o direito internacional com o seu ataque à Jugoslávia em 1999, deixando a capital sérvia de Belgrado em ruínas fumegantes.

Este último acto de interferência por parte do Ocidente revela uma arrogância e impudência que faria corar de vergonha o príncipe de Maquiavel. Não esqueçamos que a Sérvia não é membro da União Europeia, nem da NATO, e deveria ser autorizada a supervisionar a sua própria política externa como considerar apropriado.

Ao mesmo tempo, o brutal regime de sanções do hemisfério ocidental contra a Rússia provou não só ser inútil contra a punição de Moscovo, mas prejudicial para a própria sobrevivência das nações que tomam a posição anti-Rússia.

Autoridades alemãs já avisaram que, sem o fornecimento de gás russo, o continente europeu poderia sofrer “uma recessão, e um Inverno de casas geladas e fábricas fechadas”. Entretanto, na Polónia, aconselham os cidadãos a “começar a apanhar lenha” em antecipação de um Inverno que se aproxima sem gás russo barato.

Mais concretamente, porém, é a identidade do grupo que pressiona a Sérvia a renunciar à sua soberania. Embora a CIA naturalmente venha à mente, há também uma missão conhecida como “Operação Gladio” (“espada” em italiano) que se diz exercer uma tremenda influência nos bastidores dos assuntos europeus. Iniciada em 1956 durante a Guerra Fria, a missão foi concebida para fornecer uma rede paramilitar clandestina contra a União Soviética. Embora se tenha dito que o movimento se dissolveu há anos após o fim da ameaça comunista, muitos investigadores contestaram a afirmação, dizendo que a operação ainda está muito viva, uma vez que fornece o “incentivo necessário” para os dissidentes anti-NATO seguirem a linha da política ocidental (leia-se: Washington).

Outra organização que está numa posição privilegiada para “incitar” as nações europeias em questões críticas é a Open Society Foundation de George Soros, que certamente tem um cão na luta quando se trata da Rússia. Proibida de operar na Rússia desde 2015, a Open Society tem continuado a criar uma enorme pegada para si própria em países de toda a UE.

De facto, a ONG está suficientemente confiante na sua posição na política europeia que lançou um panfleto em 2019, intitulado “Aliados Confiáveis no Parlamento Europeu (2014-2019)”, descrevendo as centenas de eurodeputados simpatizantes da “perspectiva Soros”. Finalmente, cerca de 226 eurodeputados são listados e rotulados de acordo com a sua perspectiva política.

“A presença de um Eurodeputado neste mapeamento indica que é provável que eles apoiem o trabalho da Open Society”, a organização globalista gaba-se. “Considerando que há 751 membros do Parlamento Europeu, os aliados de confiança de George Soros detêm pelo menos um terço dos lugares”.

Uma vez que a forma mais eficaz de destruir a reputação de um líder político é através dos meios de comunicação social, Soros também tem essas bases adequadamente cobertas. Mesmo na Sérvia “independente”, estima-se que cerca de 45 por cento de todos os conglomerados de meios de comunicação social têm alguma ligação à Open Society.

“O facto é que, se a Open Society quisesse influenciar qualquer governo dentro da União Europeia – para além do da Hungria – seria uma brincadeira de crianças”, argumenta Jeremy Kirkpatrick, gestor de projecto da ONG Watchdog National Voice, sediada em Budapeste. “Se Vucic ficar desempregado em breve e Belgrado assobiar uma melodia diferente, saberemos qual foi a razão”.

Para os isolados resistentes contra a intromissão ocidental, dos quais a Sérvia e a Hungria contam entre os poucos, será necessária a maior vigilância para manter esses adversários estrangeiros sob controlo. Como já se viu em lugares como na Geórgia, Venezuela, Cazaquistão, Ucrânia e mesmo Bielorrússia, o longo braço de influência ocidental é capaz de desestabilizar ou derrubar governos praticamente ao toque de um interruptor. E com nada menos que a Rússia em jogo, essas tácticas subversivas só continuarão a crescer.

Imagem de capa por European External Action Service sob licença CC BY-NC 2.0

Strategic Culture

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Telegram, VK e Facebook

Autor

Robert Bridge

Leave a Reply