A Realpolitik dos EUA na guerra da Ucrânia e as consequências até agora ocultadas para a Europa

Jürgen Hübschen


A Realpolitik dos EUA baseia-se exclusivamente nos interesses nacionais da superpotência nuclear EUA. Isto é bastante legítimo, mas os potenciais aliados devem sempre e acima de tudo tomar nota disso em tempo útil. Mas os decisores europeus e especialmente os alemães parecem estar longe desta visão, especialmente no caso da guerra da Ucrânia. Um rude despertar está a aproximar-se


O Afeganistão é o mais recente exemplo de tomada de decisões dos EUA exclusivamente da perspectiva nacional de Washington. A Operação americana “Enduring Freedom” para combater o terrorismo internacional começou a 7 de outubro de 2001, e a NATO aderiu a esta luta a 20 de dezembro de 2001 com a Operação “International Security Assistance Force” (ISAF). A 28 de dezembro de 2014, os EUA decidiram terminar a missão de combate sem qualquer razão concreta discernível e, sobretudo, sem consultar os seus aliados. A NATO seguiu esta decisão de necessidade em 31 de dezembro de 2014 e terminou a sua operação “ISAF”. A 1 de janeiro de 2015, os EUA lançaram a Operação Sentinela da Liberdade, a sua operação de apoio no Afeganistão. A NATO também seguiu esta acção, mais uma vez descoordenada, de Washington com a sua Operação “Apoio Resoluto”. Em 2021, após conversações infrutíferas com os talibãs afegãos, o governo dos EUA tinha obviamente chegado à conclusão de pôr fim à sua missão militar no Afeganistão, que era deficitária e, em última análise, infrutífera. Mais uma vez sem qualquer consulta com os seus aliados, os EUA terminaram a sua operação “Sentinela da Liberdade” no Afeganistão e retiraram os últimos soldados americanos do país no Hindu Kush a 31 de agosto de 2021. Como os seus aliados não puderam continuar a sua missão sem os EUA, a NATO terminou oficialmente a sua operação de apoio “Apoio Resoluto” a 21 de setembro de 2021. A actual situação catastrófica no Afeganistão sob um governo talibã é uma consequência da Realpolitik americana.

O artigo seguinte aborda a questão de saber se, no contexto do envolvimento ocidental na guerra da Ucrânia, uma acção comparável do governo dos EUA – talvez com um resultado igualmente desastroso – pode ser excluída.

Realpolitik dos EUA na guerra da Ucrânia

Para poder responder a esta pergunta, é preciso recordar o comportamento e as declarações fundamentais essenciais do presidente dos EUA e da sua administração.

A 26 de março de 2022, em Varsóvia, o presidente Biden terminou o seu discurso sobre a guerra na Ucrânia, iniciado pelo presidente Putin com as palavras:

“Por amor de Deus, este homem não pode permanecer no poder”.

Após esta sentença ter também provocado uma irritação considerável na sua própria administração, o presidente dos EUA assegurou dois dias mais tarde:

“Manifestei o ultraje moral que sinto, e não peço desculpa por isso. Ninguém acredita que eu estava a falar em derrubar Putin. Ninguém acredita nisso”.

A 31 de maio, o presidente dos EUA disse que tinha autorizado a exportação do sistema de mísseis “HIMAR” para a Ucrânia, após a liderança ucraniana ter dado garantias de que não atacaria alvos em território russo com estes mísseis. Justificando a exportação deste avançado sistema de armas, disse o presidente dos EUA:

“A entrega das armas avançadas permitirá à Ucrânia lutar no campo de batalha e estar na melhor posição possível à mesa de negociações”.

Um dia mais tarde, a 1 de junho, Biden escreveu num “ensaio de opinião” no New York Times:

“Não encorajei nem permiti à Ucrânia atacar para além das suas fronteiras, e não quero prolongar a guerra apenas para infligir dor à Rússia”.

Uma posição tão contraditória em relação à Rússia encontra-se também no comportamento e nas declarações da liderança militar dos EUA.

Após uma visita sem aviso prévio a Kiev, o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd J. Austin, afirmou:

“Queremos que a Rússia seja enfraquecida ao ponto de já não ser capaz de fazer as coisas que fez quando invadiu a Ucrânia”.

Neste contexto, foi surpreendente que o secretário de Defesa dos EUA – pela primeira vez desde 18 de fevereiro de 2022 – tenha telefonado ao seu homólogo russo Sergei Shoygu a 13 de maio para o exortar a pedir um cessar-fogo imediato, de acordo com fontes norte-americanas. Austin tinha também sublinhado a importância de manter as linhas de comunicação. O Ministério da Defesa russo afirmou que foram discutidas questões de segurança internacional. A situação na Ucrânia também foi discutida. Mais detalhes não foram revelados.

O aparelho de poder russo tinha-se anteriormente queixado de que já não existiam contactos entre Moscovo e Washington.

Menos de uma semana depois, a 19 de maio, o chefe de Estado-Maior americano, o general Mark Milley, falou ao telefone com o chefe de Estado-Maior russo, o general Valery Gerassimov, pela primeira vez desde o início da guerra. Também neste caso, a iniciativa partiu dos EUA. Um porta-voz do chefe de Estado-Maior dos EUA declarou sobre o conteúdo da chamada telefónica: tratava-se de “questões importantes relacionadas com a segurança”. O porta-voz do Pentágono, John Kirby acrescentou:

“Acreditamos que é importante que as linhas de comunicação sejam abertas”.

O presidente dos EUA e a sua administração, contudo, não só se reservam o direito de se orientarem para as realidades e, portanto, interesses nacionais no que diz respeito ao seu envolvimento na guerra da Ucrânia e à sua atitude em relação à Rússia, mas também de ajustarem a sua política com base na guerra da Ucrânia a nível internacional. Aqui estão dois exemplos:

Venezuela

Em 2019, os EUA tinham interrompido as relações diplomáticas com a Venezuela e apelado aos seus aliados ocidentais para seguirem o seu exemplo e reconhecerem o líder da oposição Guaidó como sucessor em vez do presidente eleito Maduro. A Alemanha, entre outros, seguiu este apelo. Em ligação com as sanções impostas a Moscovo devido à guerra de agressão, os EUA suspenderam as suas importações de petróleo da Rússia e apelaram aos seus aliados para que seguissem o seu exemplo. Como os preços da energia, especialmente nas estações de serviço, continuaram a subir nos EUA devido à guerra na Ucrânia, Washington decidiu inverter a sua política em relação à Venezuela. A 6 de março, uma delegação dos EUA deslocou-se à Venezuela, presumivelmente para negociar com o presidente Maduro o reinício das entregas de petróleo aos EUA, que foram suspensas em 2019. Aparentemente, o governo dos EUA vê isto como uma opção para compensar o abandono do petróleo russo. Durante os dois dias de conversações, bandeiras americanas e venezuelanas voaram para fora do edifício de negociações e dois cidadãos americanos foram libertados da prisão como sinal de boa vontade. Maduro descreveu a reunião como frutuosa.

Arábia Saudita

Os EUA tinham-se distanciado do reino do Golfo na sequência do assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi no consulado saudita em Istambul a 2 de outubro de 2018, em grande parte porque a CIA tinha investigado que o assassinato de Khashoggi tinha sido feito com o conhecimento ou possivelmente por ordem do príncipe herdeiro Mohammed Bin Salman (MBS). O então candidato presidencial democrata e agora presidente dos EUA Joe Biden, tinha dito na altura que faria os sauditas pagar o preço e “torná-los o pária que eles são”.

A guerra saudita no Iémen, que basicamente ainda está a decorrer apesar de um cessar-fogo recentemente prolongado, também levou a um distanciamento do governo dos EUA do reino saudita. Embora os responsáveis pela liquidação de Khashoggi ainda não tenham sido levados à justiça e a Arábia Saudita ainda não tenha terminado a guerra no Iémen apesar das exigências de Washington, o governo dos EUA planeou uma viagem do presidente dos EUA a Riade para o final de junho deste ano. Aparentemente não importa que 15 dos 19 terroristas identificados envolvidos no ataque de 11 de setembro de 2001 fossem da Arábia Saudita.

Em preparação da viagem do presidente dos EUA, uma delegação dos EUA liderada pelo coordenador do Médio Oriente Brett McGurk tinha viajado para a Arábia Saudita na semana passada de maio. A OPEP anunciou ao mesmo tempo que iria aumentar a sua produção de petróleo em julho e agosto dos actuais 439.000 barris por dia para 648.000 barris por dia.

O secretário de Estado norte-americano Blinken comentou a inversão da política de Washington dizendo que os direitos humanos ainda são importantes, mas que os EUA devem ter em mente a totalidade dos seus interesses na sua relação com os sauditas.

As consequências para a Europa

Em dezembro de 2013, o político alemão Egon Bahr tinha declarado, numa conversa com alunos de uma escola secundária:

“A política internacional nunca é sobre democracia ou direitos humanos. É sobre os interesses dos estados”.

Esta afirmação está enfaticamente provada na política externa dos EUA, e é por isso que a Europa e especialmente a Alemanha têm de ter o cuidado de não se verem de repente sozinhos a enfrentar a Rússia com o seu programa “pró-Ucrânia”. De acordo com uma reportagem da revista americana The Hill de 2 de junho de 2022, o apoio da população americana à política da administração sobre a Rússia e também ao próprio presidente está a diminuir drasticamente. O relatório afirma que em março, uma grande maioria da população dos EUA, bem mais de 60%, apoiou um papel significativo dos EUA na Ucrânia. Na última sondagem AP-NORC, estas classificações de aprovação caíram 20%. A tendência é semelhante na avaliação do papel pessoal de Biden na crise da Ucrânia. Enquanto em março ainda tinha índices de aprovação da sua política russa na ordem dos 60 a 70 por cento, em sondagens recentes uma estreita maioria de 51 por cento opõe-se à política russa do actual presidente dos EUA.

Esta evolução é particularmente crítica em relação ao presidente dos EUA porque as eleições intercalares estão previstas para novembro de 2022 e existe o perigo de os democratas no poder perderem a sua maioria na Câmara dos Representantes. A maioria no Senado também está em jogo porque se baseia apenas no voto do Vice-Presidente Kamala Harris devido ao impasse entre democratas e republicanos.

Uma vez que o passado demonstrou que o humor da população de muitos estados da Europa Ocidental – embora com um certo desfasamento temporal – está orientado para a opinião pública nos EUA, parece previsível que o apoio à política da Rússia e da Ucrânia também diminua nestes estados. Por exemplo, já se pode observar que a taxa de inflação na Alemanha, actualmente de quase 8%, e o aumento constante dos preços, especialmente no sector da energia, levaram a uma agitação e incerteza claramente perceptíveis entre a população. Além disso, alguns dos cidadãos em pior situação financeira têm a impressão de que estão disponíveis recursos financeiros ilimitados para os refugiados ucranianos e para a própria Ucrânia, enquanto que cada vez mais pessoas no seu próprio país já não têm um meio de subsistência financeiro seguro devido à evolução dos preços.

O facto de todos os tipos de organizações e iniciativas estarem actualmente envolvidas no apoio aos refugiados ucranianos, ao mesmo tempo que perdem de vista pessoas de outros países que foram gravemente afectadas pelo destino daqueles que procuram asilo, e que existem agora, por assim dizer, “refugiados de primeira e segunda classe”, é também uma fonte de tensão social.

Se o actual apoio do público e dos meios de comunicação social a entregas extensivas de armas à Ucrânia, até e incluindo armas pesadas, durará ou não, e dependerá fortemente da forma como os EUA se comportarem. Outro factor importante para o desenvolvimento do estado de espírito na Europa é que os cidadãos politicamente interessados começam a perceber que o isolamento da Rússia empurrado pelos EUA e as sanções associadas só são apoiadas por cerca de 65 dos 195 países deste mundo. Acima de tudo, os países de África e da América Latina, mas também quase todos os estados asiáticos como a China, a Índia ou a Indonésia, e portanto a maioria da população mundial, estão claramente a distanciar-se de Washington, até porque os países mais pobres estão a sofrer particularmente as consequências da guerra e da política de sanções do Ocidente.

Agora até as primeiras vozes se levantam, as quais, como The Hill, afirma:

“Não é a Rússia que é a superpotência mais isolada do mundo, mas possivelmente os próprios Estados Unidos”.

A maioria das pessoas em todo o mundo continua a condenar a guerra de agressão russa na Ucrânia, mas têm dúvidas crescentes sobre se a política dos EUA e dos seus aliados em relação a Moscovo é realmente eficaz ou talvez mais prejudicial para os seus próprios países do que para a própria Rússia. Há uma falta de iniciativas claras de paz e, sobretudo, de conceitos para o tempo após a guerra, porque cada guerra termina a certa altura e a Rússia ainda fará parte da Europa até aos Urais.

Conclusão: a Europa tem de parar imediatamente as discussões especulativas sobre quem vai ganhar ou perder esta guerra e finalmente tomar a iniciativa de pôr fim a este confronto militar. Para este fim, é provavelmente mais importante fazer primeiro representações olho a olho ao presidente Biden, a fim de depois apelar conjunta e inequivocamente ao russo, mas também ao presidente ucraniano, para que concordem com um cessar-fogo imediato. Só então poderão ser realizadas negociações sobre uma nova ordem de paz europeia urgentemente necessária.

Se a Europa não utilizar esta opção, não se pode excluir que as duas superpotências nucleares, os EUA e a Rússia, a dada altura e sem consultar os seus aliados, cheguem a um entendimento a outro nível e a Europa fique sozinha com o caso problemático da Ucrânia.

Imagem de capa por Jernej Furman sob licença CC BY 2.0

NachDenkSeiten

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Telegram e VK

Autor

Jürgen Hübschen

Leave a Reply