Por favor, verifique a sua russofobia!

Robert Bridge

Robert Bridge


A agressão física contra os diplomatas russos é agora considerada “compreensível” no Ocidente


Uma era negra de fanatismo e preconceito desceu de novo sobre o continente europeu, desta vez contra o povo russo, o que, se não for levado ao calcanhar, resultará em consequências globais terríveis.

Numa demonstração de desrespeito não muito diferente da reservada aos atletas, homens de negócios e jogadores de xadrez russos, consideremos como o embaixador russo na Polónia, Sergey Andreyev, foi tratado quando prestou homenagem ao Dia da Vitória em Varsóvia.

Quando Andreyev tentou depositar uma coroa de flores num memorial de guerra soviético, foi encharcado com um líquido vermelho por um manifestante. As autoridades polacas não só falharam na simples tarefa de garantir o local para que a delegação russa pudesse, pacificamente, comemorar a derrota soviética da Alemanha nazi na Segunda Guerra Mundial, como também racionalizaram o humilhante assalto.

“A reunião de opositores da agressão russa contra a Ucrânia, onde são cometidos crimes genocidas todos os dias, foi legal”, escreveu o ministro do Interior polaco Mariusz Kaminski no Twitter. “As emoções das mulheres ucranianas, que participaram no protesto e cujos maridos lutam corajosamente para defender a sua pátria, são compreensíveis”.

Sim, ouviram bem. A agressão física contra os diplomatas russos é agora considerada “compreensível”. Kaminski continua então a perpetuar o mito da “agressão russa” sem nunca mencionar o que forçou Moscovo a abrir a sua operação especial na Ucrânia, em primeiro lugar. Isto não é um pequeno descuido. Durante oito longos anos, a população russófona do Donbass sofreu ataques regulares de um governo ilegítimo em Kiev, que subiu ao poder à custa de um golpe de Estado liderado pelos EUA em 2014. No entanto, nem um pio de Kaminski sobre aqueles episódios inconfundíveis de “agressão ucraniana”.

É evidente que, se tivesse sido prestado um tal equilíbrio de informação a um público encoberto, mais pessoas compreenderiam pelo menos o que desencadeou as acções de Moscovo. Mas qualquer equilíbrio no debate é a última coisa que a terra da NATO quer.

Mas a retórica louca vinda da Europa de leste estava apenas a aquecer.

Esta semana, o primeiro-ministro polaco Mateusz Morawiecki escreveu num artigo de opinião sobre os perigos do “nacionalismo russo”, que não tem absolutamente nada a ver com o que estimulou Moscovo a agir.

O nacionalismo russo “é um cancro que consome não só a maioria da sociedade russa, mas também representa uma ameaça mortal para toda a Europa”, argumentou Morawiecki, antes de chegar perigosamente perto de sugerir um confronto total com a Rússia. “Por conseguinte, não basta apoiar a Ucrânia na sua luta militar com a Rússia”. Temos de erradicar completamente esta nova ideologia monstruosa”.

É muito difícil compreender como é que um indivíduo que ocupa um cargo tão elevado poderia proferir um comentário tão tragicamente desprovido de diplomacia, visão e compreensão da situação global que o continente europeu enfrenta actualmente. Morawiecki, como um milhão de outras mediocridades políticas antes dele, papagaios descuidados da linha pró-NATO que se recusa a ver a situação do ponto de vista da Rússia.

Mesmo no auge da desastrosa e ilegítima “Guerra ao Terror” de George W. Bush, que viu milhões de inocentes mortos, feridos e deslocados em várias ofensivas militares, nunca houve nada como este nível de medo e repugnância dirigido aos americanos e a outros ocidentais cujas forças armadas participaram nessas operações flagrantes. E quando se considera que os principais meios de comunicação social dos EUA apoiam frequentemente mais os conflitos militares do que os meios militares, essa falta de imprensa negativa não deveria surpreender ninguém.

Qualquer análise imparcial e sóbria do conflito Ucrânia-Rússia levaria à conclusão de que Moscovo, que há muitos anos tem vindo a alertar amplamente tanto para a expansão da NATO como para a necessidade de manter o Protocolo de Minsk, não foi motivada para a acção por quaisquer impulsos “nacionalistas”, mas sim por uma simples preocupação com a segurança nacional.

Então, onde nos levou a falsa notícia da “agressão russa”? Cada vez mais fundo no pântano da paranóia alimentada pelos media. Ainda esta semana, a capital letã de Riga disse que iria começar a trabalhar no dia 13 de maio para desmantelar o monumento aos soldados soviéticos libertadores de Riga. Isto vem no seguimento de uma decisão na Saeima letã [parlamento] que pôs fim a um tratado letão-russo dedicado à preservação de estruturas memoriais. Será muito interessante ver como Riga, que, tal como Kiev, ocupa um lugar de destaque nos clubes de fãs neonazis, lida com quaisquer manifestantes russos que desejem salvar a estátua da era soviética. Onde encontram estes génios políticos de vistas curtas, que cantam e dançam para Washington no atirar de uma moeda ao ar?

Entretanto, a Finlândia, não menos ilusória, disse que vai tomar as medidas necessárias para aderir à NATO. A Suécia parece ser a próxima. Isto é pura loucura, é claro. Um olhar rápido para um mapa da Europa mostra claramente que não são as bases militares russas que têm invadido o território europeu desde o colapso da União Soviética, mas sim os membros da NATO liderados pelos EUA que têm vindo a avançar. E agora a situação ameaça atingir um ponto de viragem com Moscovo colocada num cenário existencial onde não tem outra escolha senão, no mínimo, militarizar ainda mais as suas fronteiras.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que a adesão da Finlândia à NATO representaria “absolutamente” uma ameaça para a Rússia, e que a expansão da aliança militar de 30 membros “não está a tornar o nosso continente mais estável e seguro”. É seguro dizer que estas últimas palavras de aviso justo também não serão tidas em conta.

A incessante russofobia que os líderes ocidentais, em conluio com uma comunicação social cúmplice, continuam a propagar, sobretudo como meio de sustentar um inimigo imaginário, ou seja, a Rússia de que a NATO precisa desesperadamente para justificar a sua própria existência, precisa de parar antes que a situação atinja um ponto de não retorno. Porque é que os líderes europeus não conseguem compreender que a Rússia não é o papão que Washington precisa que seja; Moscovo está apenas a responder a avanços ameaçadores nas suas fronteiras que nenhum país do mundo aceitaria. Acorda a Europa e pára este comboio expresso para o desastre.

Strategic Culture

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Telegram e VK