A política de confiscação dos Estados Unidos

Ivan Timofeev

Doutor em Ciência Política e Director de Programas do RIAC


Por outras palavras, as experiências de confiscação aprofundam a escalada do conflito


A 28 de abril, o presidente dos EUA Joe Biden pediu ao Congresso que aprovasse nova legislação sobre a confiscação de bens russos. As propostas presidenciais foram previamente desenvolvidas a nível das principais agências responsáveis pelas sanções: o Tesouro (sanções financeiras), o Departamento de Estado (responsável pelas sanções relativas aos vistos e aspectos políticos das medidas restritivas), o Departamento de Comércio (controlo das exportações), e o Departamento de Justiça (que acusa os infractores dos regimes de sanções)

As propostas de Biden incluem o seguinte:

Em primeiro lugar, criar um mecanismo eficaz para a confiscação de bens localizados nos Estados Unidos e pertencentes a “oligarcas” sancionados ou a pessoas envolvidas em actividades ilegais. Anteriormente, esses bens só eram congelados, ou seja, o acesso aos mesmos era proibido, mas formalmente permaneciam na posse dos seus proprietários. Pode ser contestada num tribunal federal dos EUA. Contudo, a experiência mostra que as tentativas anteriores de empresas russas para conseguir o levantamento das sanções não tiveram muito sucesso. Propõe também que se torne crime receber fundos directamente provenientes de negócios corruptos com o governo russo. O conceito de tais transacções e os seus parâmetros ainda não foram decifrados.

Em segundo lugar, a Administração Biden está a pressionar no sentido de um mecanismo que permita a transferência de bens apreendidos dos “cleptocratas” para compensar a Ucrânia pelos danos causados pela acção militar.

Terceiro, a confiscação de bens que é utilizada para ajudar a contornar as sanções dos EUA, bem como a inclusão da evasão de sanções na Lei de Organizações Corruptas eInfluenciadas pela Extorção (RICO). A administração também considera necessário alargar o estatuto de limitações para infracções de branqueamento de capitais para 10 anos.

Em quarto lugar, propõe-se o aprofundamento da interacção com aliados e parceiros estrangeiros. Na UE, em particular, já foram confiscados bens no valor de mais de 30 mil milhões de dólares.

No Congresso, tais propostas há muito que apareceram sob a forma de uma série de projectos de lei. Durante março-abril de 2022, dois desses projectos de lei foram apresentados no Senado (S. 3936 e S.3838) e cinco na Câmara dos Representantes (H. R.7457, H. R. 7187, H. R.7083, H. R.6930 e H. R.7086). A maioria destes projectos de lei são co-patrocinados tanto pelos republicanos como pelos democratas, o que significa que são muito susceptíveis de atrair consenso interpartidário. É muito provável que a versão final do projecto seja muito mais detalhada em comparação com os projectos de lei já apresentados e que tenha em conta as propostas da Administração Biden.

O novo mecanismo legal dará aos EUA vantagens e desvantagens. Entre as primeiras, pode ser atribuído o surgimento de instrumentos mais eficazes para a derrota final do grande capital russo, tanto nos Estados Unidos como fora. As autoridades americanas terão mais poderes para sanções secundárias e medidas de execução, a fim de evitar que os regimes de sanções sejam contornados. É possível que tais medidas possam também ser aplicadas a parceiros russos de países terceiros. Além disso, tais apreensões tornarão possível fornecer assistência militar e financeira à Ucrânia utilizando dinheiro russo. Washington já está a enviar milhares de milhões de dólares para Kiev, e é provável que o âmbito dessa assistência seja radicalmente alargado. Se a União Europeia seguir o exemplo dos Estados Unidos (e não há dúvida que o fará), então a Ucrânia poderá, no futuro, contar com dezenas e mesmo centenas de milhares de milhões de dólares de assistência de fundos russos. Tal medida seria bem recebida pelos contribuintes dos EUA e da UE. Com toda a sua simpatia pela Ucrânia, eles prefeririam ajudá-la à custa dos bens russos, em vez dos seus próprios bens.

Embora as vantagens destas medidas venham a dar frutos num futuro muito próximo, as desvantagens far-se-ão sentir mais tarde. Em primeiro lugar, a própria Rússia mover-se-ia para confiscar bens de propriedade ocidental no seu território. Obviamente, Moscovo tomará tais medidas com grande cautela – ainda é do interesse da Rússia preservar os resquícios dos investimentos e os laços estabelecidos. No entanto, são bastante possíveis medidas selectivas e direccionadas. Em resposta à transferência de propriedade russa para Kiev, Moscovo pode confiscar alguns bens nos territórios ocupados da Ucrânia, e o próprio território pode ser considerado como propriedade confiscada. Pode ser transferido, por exemplo, para a jurisdição da Repúblicas Populare de Donetsk. Por outras palavras, as experiências de confiscação aprofundam a escalada do conflito.

Outra desvantagem para os Estados Unidos é a significativa perda de influência sobre certos segmentos da elite russa. Os bens e activos eram “âncoras” para um número considerável de homens de negócios russos. Os Estados Unidos e outros países ocidentais foram vistos por eles como um “porto seguro” e um lugar onde prevalece o Estado de direito. Agora a Rússia tornou-se o seu único porto de abrigo. Esta lacuna pode tornar-se uma vantagem para as autoridades russas, que terão mais oportunidades de consolidar a elite. A suspeita de agências governamentais e instituições financeiras em relação aos russos em geral (incluindo médias e pequenas empresas e indivíduos) também reduz a motivação para a emigração de secções mais vastas de cidadãos russos.

Finalmente, a marcha vitoriosa das autoridades dos EUA, da UE, e de outros países sobre os fragmentos de propriedade russa suscita receios legítimos entre os investidores de outros países. Um mau sinal para eles é que os motivos criminosos para a apreensão de propriedade e os conceitos de corrupção, cleptocracia e afins “de repente” só se tornaram relevantes após o início do conflito na Ucrânia. Coloca-se a questão: se havia um dossier criminal sobre os russos sob sanções, então porque é que não foi libertado em massa mais cedo? A resposta é simples. A maioria dos russos que ficaram sob as sanções, aparentemente, simplesmente não tinham tal dossiê. Ou não era suficiente para suspeitas e acusações de infracções penais (lavagem de dinheiro, etc.). Submeter-se a sanções é uma consequência da política. Isto significa que a confiscação de bens tem razões políticas e não está associada à violação da lei.

Consequentemente, os investidores de outros países podem ter suspeitas explícitas ou implícitas de que podem ser os próximos na linha da frente.

Os EUA têm relações conflituosas com a China, Arábia Saudita, Turquia e uma série de outros países. Dezenas de projectos de lei sobre sanções estão a ser introduzidos no Congresso dos EUA sobre os mesmos. É evidente que devem ocorrer acontecimentos extraordinários para que os americanos possam começar a impor sanções ao modelo russo e contra os países designados. A confiscação em massa dos seus bens é improvável, pelo menos por agora. Mas a confiança é uma categoria psicológica subtil. Os investidores nem sempre compreendem os meandros da política. Isto significa que eles podem muito bem ter um desejo natural de diversificar os seus bens. Para os bancos e fundos de investimento americanos, isto é pouco provável que seja uma boa notícia.

Russian Council

Imagem de capa por zieak sob licença CC BY 2.0

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Telegram e VK