Daily Mail e Fox News exumam os biolabs de Hunter Biden na Ucrânia

Alfredo Jalife-Rahme

Analista geopolítico, autor e docente


Já tinha exposto os perturbadores 30 laboratórios biológicos do Pentágono na Ucrânia, revelados tanto pela Rússia (What’s next for US bio-weapons labs in Ukraine) como pela China (Criticism of Pentagon’s 46 bio-weapons biolabs in Ukraine.

Agora, dois grandes meios de comunicação social anglo-saxónicos – o britânico Daily Mail e a americana Fox News – derrubaram o muro intransponível do silêncio sobre o assunto, apesar de toda a censura e desinformação prevalecente no Ocidente.

O Daily Mail – alegado porta-voz da espionagem britânica do MI6 e da sua monarquia globalista neoliberal – num demolidor exclusivo (25/3/22), afirma que Hunter Biden ajudou a obter milhões de dólares para financiar o contratante norte-americano especializado na investigação de agentes patogénicos letais, como revelado pelos emails resgatados no seu peregrino laptop, que valeram as investigações fiscais do filho do presidente no paraíso fiscal de Delaware. O Daily Mail revela que emails e correspondência do portátil abandonado (sic) de Hunter mostram que as alegações – do governo russo sobre o programa de investigação de armas biológicas do Pentágono que ajudou a financiar na Ucrânia – podem muito bem ser verdadeiras.

Metabiota – uma grande empresa de dados médicos – é a sinistra contratada do Pentágono, especializada na investigação de doenças pandémicas. A propósito, porta-vozes russos e chineses insinuaram que esta pode ter sido a fonte do coronavírus nos morcegos que foram então exportados para o estrangeiro – sem elaborar especificamente o seu destino letal. As relações entre Hunter e a corrupta (sic) companhia de gás ucraniana Burisma, que interagiu com a Metabiota para um projecto científico com um elevado (sic) nível de biossegurança nos laboratórios ucranianos, são amplamente conhecidas. Aha!

O investimento, que parece minúsculo dada a dimensão do seu objectivo, por Hunter e os seus colegas foi de meio milhão de dólares na Metabiota, através da sua empresa Rosemont Seneca Technology Partners que angariou vários milhões de dólares para financiar a sua empresa e que foi lubrificada por (mega sic!) gigantes de investimento incluindo a Goldman Sachs. Ainda mais preocupante é a colaboração biotecnológica que liga Biden, Soros (ultra mega sic!) e o Partido Democrático aos laboratórios biológicos ucranianos e polacos.

A propósito, o apresentador da Fox News, Tucker Carlson, um apresentador pró-Trump e pró-Partido Republicano com as mais altas classificações na televisão dos EUA, já tinha exumado os laboratórios da perversa subsecretária de Estado Victoria Nuland na Ucrânia 16 dias antes dos inquéritos do Daily Mail.

Com apenas a ponta do iceberg dos 30 laboratórios de armas biológicas do Pentágono na Ucrânia – que, além disso, pesquisou armas genéticas com uma dedicação racista contra os eslavos, que não sei como os mesmos ucranianos instrumentados como cobaias teriam sido imunizados – tendo sido detectados, é lamentável que o outrora imaculado Bulletin of the Atomic Scientists – a quem prestei homenagem pelas suas publicações sobre questões nucleares – tenha sucumbido feiamente à guerra de propaganda da administração Biden. A sua comercialização do Relógio do Juízo Final revelou-se uma farsa vulgar.

Independentemente do resultado do conflito na Ucrânia – que é ainda a primeira guerra híbrida do mundo e o fim da globalização – será muito difícil esconder os 30 laboratórios biológicos do Pentágono na Ucrânia quando a trágica situação for resolvida, menos de nove meses antes das cruciais eleições intercalares nos Estados Unidos, onde as coisas não parecem boas nem para o Partido Democrático nem para o presidente Biden, segundo a própria da millennial progressista Alexandria Ocasio-Cortez.

Fonte: La Jornada

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Telegram, VK e Facebook