Hora da diplomacia

Precisamos de nos preparar para longas e difíceis negociações


Por Igor Ivanov
Antigo Ministro dos Negócios Estrangeiros da Federação Russa

Quando fui contratado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros da União Soviética como intérprete em meados dos anos 70, o mais difícil do trabalho era traduzir para políticos que de alguma forma “falavam” a língua dos seus parceiros. Queriam muitas vezes mostrar as suas capacidades, interrompendo frequentemente o intérprete para dizer: “Consegui. Continua”. Isto significava que se perdiam importantes nuances, pontos de ênfase e detalhes no processo, o que tornava extremamente difícil determinar a posição da outra parte com qualquer grau de precisão, quanto mais selar quaisquer acordos específicos.

Hoje em dia, praticamente toda a gente se imagina como um diplomata ou um especialista em política externa. Sem a menor hesitação, estão dispostos a expressar as suas opiniões sobre as questões internacionais mais sensíveis, dizem-nos descaradamente como devemos fazer o nosso trabalho e partilham connosco as suas formas seguras de resolver rapidamente problemas antigos, garantindo e assegurando ao mesmo tempo os interesses da Rússia. Uma consequência inevitável disto é que a comunidade global nunca tem a certeza de qual é realmente a posição oficial da Rússia, o que por sua vez leva a interpretações distorcidas das aspirações de Moscovo em matéria de política externa.

Dado o número sem precedentes de “diplomatas de poltrona” que temos hoje, não surpreende então que os políticos não tenham qualquer escrúpulo em utilizar verdadeiros diplomatas, e por vezes mesmo missões diplomáticas inteiras, como moeda de troca no actual confronto geopolítico global. Dependendo de com quem se fala, a “guerra de embaixadores” que está a decorrer entre a Rússia e o Ocidente já viu cerca de 600 diplomatas serem expulsos dos países anfitriões. Nunca vimos nada assim na história da diplomacia, e a triste verdade é que o número de “baixas” irá provavelmente continuar a aumentar.

As consequências de uma atitude tão arrogante em relação ao serviço diplomático poderão ser graves.

De qualquer modo, o mundo já está em guerra. Chame-lhe o que quiser: guerra psicológica, guerra de informação, guerra ideológica, guerra híbrida, ou qualquer outro nome que se preocupe em inventar. O rótulo em si não é importante, enquanto que o risco cada vez mais real de confrontação militar é. Mesmo que não chegue a isso, os danos causados pelos anos de conflito estão a crescer em todas as áreas, seja política, económica ou de interacção social.

Normalmente, só há duas formas de uma guerra poder terminar – numa vitória esmagadora para um dos lados, ou num acordo de compromisso que sirva os interesses de ambos os lados. Hoje em dia, não há um único país no mundo capaz de vencer um confronto regional, quanto mais uma guerra global. Isto significa que precisamos de procurar acordos que nos tirem do nosso caminho actual para a destruição global e abram oportunidades para os países trabalharem em conjunto de uma forma produtiva.

Uma coisa certa é que, mais cedo ou mais tarde, as partes terão de se sentar à mesa das negociações. Aqueles que se mantiveram fiéis aos seus melhores diplomatas e negociadores experientes, depois de terem reunido posições de negociação bem pensadas e realistas, terão claramente a vantagem em tais conversações.

A COVID-19 abalou a comunidade global para expor a nossa vulnerabilidade face a uma doença mortal. A maioria dos peritos concorda que os programas de vacinação em massa lançados em todo o mundo acabarão por conduzir à imunidade de rebanho global, assinalando o fim da pandemia. Felizmente, as contínuas tentativas de politizar a questão da vacinação começam a recuar para segundo plano à medida que a comunidade internacional se torna cada vez mais consciente da nossa interligação e da necessidade de nos estendermos e ajudarmos uns aos outros em tempos difíceis.

Dito isto, temos de admitir que essa consciência é tristemente insuficiente entre países, regiões e continentes quando se trata de questões de segurança. Parece que os principais políticos e especialistas mundiais – bem como a comunidade internacional em geral – ainda não estão preparados para admitir o óbvio: hoje em dia, qualquer crise internacional grave, mesmo num canto mais isolado do planeta, pode surgir a qualquer momento como uma catástrofe global, da mesma forma que uma doença infecciosa perigosa, independentemente da sua origem, pode acabar por constituir uma ameaça real à existência humana.

A maioria das pessoas ficaria surpreendida ao saber que praticamente todos os mecanismos de “segurança” criados ao longo de décadas para evitar a escalada de crises isoladas em conflitos militares directos têm sido destruídos nos últimos anos. O número de tais mecanismos está a diminuir, enquanto que o número de situações de conflito está a aumentar. Não é preciso ser um autor imaginativo de romances distópicos pós-apocalípticos para ver onde isto nos pode levar.

Não há aqui “saídas fáceis”. Mesmo com toda a vontade política do mundo e o potencial acumulado da diplomacia profissional, ninguém será capaz de desembaraçar sem esforço o nó emaranhado de problemas internacionais. Precisamos, portanto, de nos preparar para negociações longas e difíceis. O lançamento deste mais difícil dos mecanismos deve ser a nossa principal prioridade neste momento. Talvez a melhor maneira de o fazer, como sugeriu o presidente da Federação Russa, Vladimir Putin, seria organizar uma reunião dos líderes dos membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU o mais rapidamente possível.

Se tal reunião acontecer, os seus participantes terão de reconhecer que o mundo está a aproximar-se do proverbial “ponto sem retorno”, admitindo que uma guerra global não conhece vencedores. Assim que chegarem a esta conclusão óbvia, poderão então começar a formar um grupo de trabalho sob os auspícios do Conselho de Segurança da ONU para organizar e realizar negociações sobre as questões mais urgentes das relações internacionais. Ao fazê-lo, os membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU estariam a cumprir a sua “responsabilidade primária pela manutenção da paz e segurança internacionais”, tal como estabelecido na Carta das Nações Unidas.

Fonte: RIAC

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube