Nova intifada aproxima-se enquanto políticos israelitas lutam pelo poder

Por Jim Dean

A guerra civil política de Israel continua com as negociações em curso para evitar de alguma forma uma quinta ronda de eleições para o povo judeu politicamente exausto. Pedras, balas de borracha e gás lacrimogéneo voam pelos ares de Jerusalém, enquanto o correio electrónico de ódio e ameaças de morte são deixados no correio de voz. Bem-vindo à democracia ao estilo israelita.

Com Netanyahu a falhar novamente em formar um governo onde teria o poder de parar os seus julgamentos criminosos, o seu principal foco, os israelitas parecem finalmente fartos de Bibi para estarem dispostos a formar uma coligação governamental entre partidos que nunca teriam sonhado em unir-se.

Surge uma revolta contra Netanyahu

Dois aliados superiores da coligação do Likud de Netanyahu pediram-lhe que se afastasse após a sua última tentativa falhada, afirmando que:

“Durante os últimos dois anos, e durante quatro voltas eleitorais, os partidos ultra-ortodoxos e religiosos apoiaram o bloco liderado pelo Likud, com a intenção de estabelecer um forte governo de direita com base em valores e tradição, lamentavelmente sem sucesso”, escreveram os legisladores. “Não temos qualquer desejo de chegar às quintas eleições que provavelmente terminarão com uma derrota para os partidos de direita e ultra-ortodoxos”.

O deputado Yair Lapid do Simh Atid e o chefe do Yamina, Naftali Bennett surpreenderam o mundo, lavrando à frente com os seus próprios esforços para construir uma coligação maioritária com um entendimento comum de que para se verem livres de Bibi, todos têm de fazer concessões políticas.

Este grupo inclui até o número dois do partido de direita Yamina, o incendiário deputado Ayelet Shaked, que teve de arranjar um novo telefone depois de as mensagens de voz terem sido deixadas como “queimadas no inferno”, e onde Yair Lapid viu anúncios da sua morte nas redes sociais. Bem-vindo a mais política ao estilo israelita.

Francamente, todos os políticos israelitas são aceites a concorrer para cumprir as suas próprias ambições políticas, e os principais actores que votam neles querem as coisas boas que lhes foram prometidas em troca. Todos operam com base no interesse próprio, e todos aceitam isso como o caso. Nestas circunstâncias, se Lapid e Bennett formassem uma coligação, não seria nada menos que um milagre.

As queixas palestinianas ferverão até à superfície sobre Jerusalém Oriental

Ao mesmo tempo, aumentam as tensões quanto ao local onde o exército israelita ordenou mais três batalhões para a Cisjordânia, uma vez que a escala dos protestos palestinianos continua a crescer, alimentados por uma variedade de factores, dos quais o líder da Autoridade Palestiniana, Abbas, cancelou as suas eleições com base na falsa alegação de que os palestinianos de Jerusalém Oriental não poderiam votar.

Os palestinianos de Jerusalém Oriental poderiam viajar até à Cisjordânia e votar lá, mas Abbas é tão impopular devido à sua permanência tão longa no poder e ao facto de fazer tão pouco, que teme que o Hamas o vença. Assim, não haverá eleições, tornando todos os palestinianos efectivamente prisioneiros políticos, quando já são cidadãos de segunda classe para os seus governantes israelitas. O rastilho desta situação desesperada não pode arder para sempre sem que algo grande e mau aconteça.

As autoridades israelitas estão bem conscientes de que se as coisas saírem do controlo com demasiadas mortes infligidas aos manifestantes, então poderá resultar uma revolta geral. Israel preferiria não ter uma revolta no meio de uma batalha política intensa, onde as autoridades e a liderança sabem que seriam culpados. Os israelitas não são nada se não rápidos a culparem-se uns aos outros.

A tragédia da peregrinação do Monte Meron

Acabam de atravessar a tragédia da peregrinação religiosa do Monte Meron, com 45 mortos e 150 feridos durante uma enorme estampida de multidões onde pessoas e crianças foram pisoteadas e sufocadas até à morte.

Os primeiros relatos culpam a tragédia de ninguém estar efectivamente encarregue do enorme evento de 100.000 pessoas, devido ao facto de todas as facções quererem ser o chefe e dizer a todos os outros o que fazer, que é quase o desporto nacional do país.

A única coisa boa que parece estar a sair da tragédia é a comunidade ultra-ortodoxa a rever a sua recusa em aceitar a autoridade governamental onde ela é necessária, e que devem mudar a sua atitude anterior de não aceitar qualquer autoridade externa.

Um exemplo de como são insulares e exigentes os ultra-ortodoxos, na medida em que os esquadrões de salvamento se infiltraram no evento tão rapidamente quanto puderam, incluíram unidades do exército com mulheres médicas. Começaram imediatamente a verificar os mortos para se certificarem de que não havia feridos vivos entre eles.

Quando os homens ortodoxos viram as mulheres a tocar nos corpos, atacaram as médicas, dando-lhes socos, pontapés e cuspindo-lhes, conduta ultrajante durante um incidente tão terrível, mas um exemplo da mentalidade de alguns destes extremistas religiosos.

O que pode acontecer a seguir?

A ala direita quer que as coisas fiquem fora de controlo, pois sabe que isso desencadearia uma nova intifada onde o exército estará totalmente envolvido. O Hamas em Gaza choverá ainda mais mísseis no sul de Israel, e a força aérea da IDF entrará em modo de bombardeamento total.

Os palestinianos sabem que a melhor forma de se revoltarem é fazê-lo em todo o lado ao mesmo tempo. As baixas podem ser mais elevadas do que temos visto em muitos anos. E ninguém espera que o Hezbollah se encoste e assista a um massacre de palestinianos.

Baterias adicionais da Cúpula de Ferro têm sido colocadas “em todo” o país, uma forte dica de que os israelitas esperam a chegada de foguetes e mísseis do Líbano se a situação explodir.

Um tribunal israelita ordenou a 70 residentes palestinianos que abandonassem as suas propriedades reivindicadas por uma associação religiosa judaica antes de 1948. O Supremo Tribunal deveria ter decidido sobre o caso na segunda-feira, 9 de maio, mas Benny Gantz pediu ao tribunal que adiasse a audiência. Em resposta, o Supremo Tribunal israelita cancelou a audiência de segunda-feira depois de as famílias palestinianas terem pedido ao procurador-geral Mandelblit de Israel para se tornar parte no processo. O Tribunal deu-lhe até 8 de junho para decidir.

Na noite de sábado, 90.000 fiéis muçulmanos rezaram na mesquita de Al-Aqsa. Eles cantaram: “Em espírito e em sangue, redimiremos Al-Aqsa”. Não seria um exagero chamar a isto um barril de pólvora com o rastilho já aceso. Toda e qualquer oração para evitar isto é bem-vinda. Já houve sofrimento suficiente.

Tanto o presidente Biden como a UE pediram a Israel que desanuviasse a situação, mas é claro que isto era para a pose. Os israelitas farão o que quiserem, assim como os palestinianos, o Hamas e o Hezbollah. Eles têm uma bomba relógio, ao que parece.

Fonte: New Eastern Outlook

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube