Biden quer uma Turquia maleável: Funcionará a sua estratégia?

Ao largar a “bomba de genocídio”, o presidente em exercício dos EUA parece ter desencadeado um processo que, na sua opinião, forçaria a Turquia a cair na linha das políticas dos EUA, uma vez que as fortunas políticas de Erdogan estão aparentemente a cair. Não esqueçamos que Joe Biden se tinha comprometido durante a sua campanha eleitoral a reconhecer o genocídio arménio. Como tal, enquanto a administração Trump continuou a esquivar-se a este assunto, Joe Biden levou menos de três meses na Casa Branca para reconhecer oficialmente o genocídio arménio; daí a questão: que objectivos particulares procura a administração Biden alcançar através desta extraordinária iniciativa?

Durante os últimos anos, a Turquia tem vindo a posicionar-se cada vez mais como um “actor independente” entre o Ocidente e o Oriente, e a utilizar esta interacção para realizar as suas próprias ambições “neo-Otomanas” – objectivos que procuram recuperar a posição perdida da Turquia como um dos principais actores globais, que o império otomano foi no século XIX e início do século XX.

A Turquia e os EUA desenvolveram, ao longo dos últimos anos, visões do mundo divergentes, que já não são moldadas por qualquer cenário global dominante de guerra fria. Como tal, numa altura em que os EUA estão a reforçar a sua posição face à Rússia e à China, muitos na coligação governamental da Turquia, incluindo o Partido do Movimento Nacionalista de extrema-direita, acreditam que a Turquia deveria desenvolver laços mais fortes com a Rússia e a China, e acabar com os laços com os EUA/UE e a NATO. Isto levou o governo de coligação na Turquia a acreditar cada vez mais que o mundo já não é centrado no Ocidente e que existe um espaço considerável para manobras estratégicas.

Contudo, foi o próprio auto-posicionamento da Turquia como um “actor independente” que a colocou em rota de colisão com os EUA, com muitos nos EUA a verem Erodogan não como um aliado da NATO, mas principalmente como um autocrata que pode criar turbulência em desvantagem dos EUA no Médio Oriente alargado. Mais importante ainda, as várias acções da Turquia, particularmente a sua crescente cooperação em matéria de defesa com a Rússia, parecem ter criado uma crise na NATO, impedindo-a em certas ocasiões.

Como tal, com Biden a tentar reanimar a NATO e reintegrar os EUA com a Europa para inverter as lacunas transatlânticas crescentes que surgiram durante a era Trump, é imperativo que uma divisão transatlântica seja subvertida, o que requer que todos os membros da NATO se alinhem sob o comando dos EUA, um objectivo que a administração Biden considera da maior importância para restabelecer o domínio perdido da América, e reavivar a sua capacidade de influenciar e moldar unilateralmente os assuntos políticos globais.

Mas a questão crucial é: irá a Turquia desistir das suas próprias ambições geopolíticas para agradar à administração Biden, e ajudá-la a alcançar a supremacia americana?

Enquanto Erdogan se apressou a tomar uma nota conciliatória na sequência do reconhecimento de Biden do genocídio arménio, a Turquia, em geral, vê isto como uma tentativa dos EUA de enfraquecer o regime Erdogan, agitando divisões políticas dentro da Turquia para efectuar uma “mudança de regime”. A lira turca já caiu para níveis quase recorde em relação ao dólar americano após o reconhecimento de Biden do genocídio, complicando a já fraca posição política de Erdogan.

De facto, a referência de Biden ao genocídio como “o genocídio arménio da era otomana” parece visar a retórica política interna de Erdogan que depende significativamente dos legados da era otomana, incluindo o seu estatuto de poder global. Ao reconhecer o genocídio, a administração Biden forçou as pessoas em todo o mundo a tomar consciência do que o “neotomanismo” tem para oferecer no século XXI.

Consequentemente, as objecções da Turquia a este reconhecimento resultam do medo de pedidos de reparação, bem como do medo de ser visto como um país pária, detestado pelos seus territórios alvo ‘neo-Otomano’ na Ásia e África e pelo Ocidente (os EUA e a Europa).

Contudo, embora a administração Joe Biden possa ter calculado que a adopção de um tom duro em relação à Turquia poderia tornar Erdogan maleável, permanece que o reconhecimento de Biden do genocídio arménio poderia igualmente acabar por se tornar mais um aditamento à longa lista de desentendimentos entre os aliados da NATO. Assim, em vez de forçar um Erdogan politicamente fraco a cair na linha dos EUA em relação à Rússia, o reconhecimento poderia igualmente empurrar a Turquia para a Rússia e para a China ainda mais, deixando a crise dos laços entre a Turquia e os EUA a cavalgar durante muito tempo.

Embora possa não haver uma reacção imediata, uma vez que Erdogan tem opções limitadas numa altura em que está a combater um dos casos de COVID mais elevados do mundo, associado a uma lira em queda contínua, Ibrahim Kalin, conselheiro de Erdogan, disse que a Turquia pesará cuidadosamente a sua reacção, e as suas contramedidas poderão mesmo envolver o fim da cooperação militar com a NATO, acrescentando que “Haverá uma reacção de diferentes formas e tipos e graus nos próximos dias e meses”.

No entanto, tal reacção, se implicar atacar a NATO a partir do seu interior, precisará do apoio da Rússia e mesmo da China, apoio esse que Ancara não pode obter sem proceder a algumas mudanças políticas cruciais em algumas áreas sensíveis da política. Um aprofundamento dos laços com a Rússia poderá não ser possível a menos que a Turquia concorde em alterar a sua política de complicar desnecessariamente as zonas de conflito da Síria para a Ucrânia. No que diz respeito à China, a Turquia terá de recalibrar a sua compreensão das alegações de “genocídio” dos muçulmanos uigur na região de Xinjiang, liderada pelos EUA. Para a Turquia, o reconhecimento americano do genocídio arménio deveria servir de lição sobre como tal retórica é frequentemente motivada politicamente, procurando desestabilizar uma determinada política.

Por conseguinte, se a Turquia pode ou não compensar os problemas desencadeados por Biden dependerá da forma como contrabalançar através de uma cuidadosa criação de laços com a Rússia e a China, dois dos mais poderosos concorrentes estratégicos dos EUA.

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube