Congresso dos EUA Intensifica ataques à China

Por Vladimir Terehov

No último terço de abril, o Congresso dos EUA marcou-se mais uma vez com uma série de acções anti-chinesas. Estamos a falar, acima de tudo (mas não só), do projecto de lei com o título revelador da Lei da Concorrência Estratégica 2021, preparada por representantes de ambas as partes no Senado dos EUA, o mais alto órgão legislativo.

Tomemos nota antecipadamente do papel destrutivo do Congresso na recente política externa dos EUA. Referimo-nos, por exemplo, a uma série de actos legislativos anteriores (e futuros), de uma forma ou de outra, que afectam o problema de Taiwan, o que complica dramaticamente as relações EUA-China.
Salientemos também o trabalho educativo realizado pelo Comité de Relações Exteriores da Câmara “entre” o secretário de Estado Antony Blinken na véspera da sua viagem a Anchorage para se encontrar com os seus homólogos chineses. Não surpreendentemente, no primeiro dia de negociações, ele comportou-se de uma forma extremamente incongruente. Assim também foi o seu colega de governo Lloyd Austin, na Índia amiga dos EUA, que desagradavelmente surpreendeu os seus anfitriões ao trazer à colação a mesma questão (não na sua especialidade) dos “direitos humanos” nas conversações.

No entanto, o Congresso não é de modo algum uma reunião dos monstros políticos do país. As suas actividades reflectem em grande medida o estado de espírito do público, cujo nível de primitivismo e mitologismo nos Estados Unidos dificilmente é superior ao de outros países. Em todo o lado e sempre, a massa média dos cidadãos está pronta a atribuir a fonte dos seus próprios problemas às “forças externas”.
Por vezes um “sinal vindo de cima” é suficiente. O que disse a administração anterior que foi a causa do desenvolvimento catastrófico da pandemia de coronavírus nos EUA? – Que era “o vírus chinês”, pelo qual Pequim tem de pagar um preço real pela propagação. Não é surpreendente que grupos de pessoas “politicamente ignorantes” nos Estados Unidos se tenham envolvido em actos de difamação dirigidos contra as comunidades chinesas.

Muitas vezes confundindo-os com representantes de outros grupos étnicos asiáticos. Em Los Angeles, uma professora japonesa de 44 anos de idade numa escola secundária local, residente de longa data na cidade, foi exposta a tal acto. Uma “pessoa desconhecida” bateu-lhe na cabeça com algo na rua, danificando os seus ossos faciais e arrancando-lhe dois dos seus dentes. Aparentemente, ela foi confundida com uma mulher chinesa, porque o Japão e os japoneses nos EUA são vistos muito positivamente (até 84%, de acordo com uma sondagem recente). Note-se, a propósito, que o nível de afecto que os americanos têm pelos japoneses é muito mais elevado do que os últimos têm pelos primeiros. Sobre os quais podemos (se a ocasião surgir) falar separadamente.

Então, o que é que o Congresso americano (neste caso, o seu Senado) “concebeu” desta vez em relação à RPC? – Muita coisa. Quase todos os principais aspectos da política externa de Washington, legendados “Dirigido à República Popular da China”, são abordados em quase 300 páginas do documento submetido para aprovação. Também explicita as suas disposições vinculativas em relação ao principal adversário geopolítico sob a forma de Pequim. Apenas uma lista sequencial de capítulos, parágrafos, e cláusulas leva várias páginas.

Nos termos mais gerais, o significado desta iniciativa legislativa foi delineado por um dos seus autores, o senador democrata Robert Menendez. A propósito, ele vem de uma família de imigrantes cubanos, o que ilustra a conhecida tese de que não existem chauvinistas maiores do que os antigos “estrangeiros oprimidos”. Robert Menendez acredita que a sua proposta de legislação seria a primeira de uma série que se seguiria. Juntos, terão como objectivo proporcionar um quadro legal para “responder ao desafio da China” em todas as áreas das relações inter-estatais, tais como “política, diplomacia, economia, inovação, defesa, e até mesmo cultura”.

De facto, esta última frase é a primeira tese fundamental de todo o documento, que acusa agora o principal adversário geopolítico na utilização de todas estas áreas, a fim de alcançar um estatuto competitivo “quase igual” com os Estados Unidos. É claro que a elite americana não pode perdoar tal “insolência”. Por esta razão, foi expressa a intenção de se opor a tal perspectiva de todas as formas possíveis.

O processo de discussão do projecto deste texto legislativo teve alguns efeitos secundários notáveis. Em particular, os senadores estavam novamente preocupados com a forma de estragar a futura celebração em Pequim em relação aos próximos Jogos Olímpicos de Inverno, agendados para fevereiro do próximo ano, que deverão realizar-se apenas na China. O famigerado “genocídio uigur” em Xinjiang, sobre o qual Washington está a travar uma guerra de propaganda anti-chinesa juntamente com Bruxelas, foi visto como uma desculpa adequada.

Note-se, contudo, que o actual ramo executivo dos EUA ainda está a tentar deixar alguma margem de manobra fora da paranóia política interna anti-chinesa que é generalizada, mais uma vez, não apenas entre a elite no poder. Em particular, sobre a questão da participação nos Jogos Olímpicos de Inverno de 2022, já em fevereiro deste ano houve sinais da nova administração de que não concordava com a iniciativa de alguns dos seus próprios deputados e deputados canadianos de boicotar a mesma. A 6 de abril, o Departamento de Estado negou os rumores de que tal boicote estava a ser discutido com os aliados.

Mas tudo isto não diminui a actividade anti-chinesa nos Estados Unidos da América. A 21 de abril, a chamada “Comissão sobre Liberdade Religiosa Internacional” (criada como uma organização “independente” no final dos anos 90 pelo mesmo Congresso) apelou aos funcionários da administração dos EUA para não viajarem para a cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2022.

Note-se também que este gabinete tinha “estragado muito sangue” dos planificadores da política externa americana. Em particular, isto aplica-se à direcção indiana, que é altamente relevante para Washington. Aparentemente, após receber a referida “recomendação”, alguém na administração foi bastante generoso com as suas fortes declarações (não demasiado alto, claro, que seria perigoso) sobre o livro e os seus autores.

Mas os opositores políticos dos democratas no poder não perderam a oportunidade de lhes dar outro golpe. Nas audições da Lei de Competição Estratégica 2021, o senador republicano Mitt Romney ofereceu uma emenda que teria levado a um “boicote diplomático” dos próximos Jogos Olímpicos de Inverno de 2022, mas teria permitido que “os nossos jovens atletas” estivessem presentes.

Comentando a iniciativa, o porta-voz do Departamento de Estado Ned Price disse que o seu gabinete iria certamente considerá-la. Salientando, contudo, que nasceu na mesma “Comissão sobre a Liberdade Religiosa Internacional”, cujo estatuto é “pouco claro”.

Contra o pano de fundo de todos estes jogos políticos domésticos americanos, os contínuos sinais positivos para Washington vindos da liderança chinesa chamam a atenção. Além disso, (e é também importante notar isto) os líderes chineses têm manifestado recentemente a sua disponibilidade para se confrontarem com o seu principal adversário geopolítico ao estilo do princípio tradicional chinês de “borda contra borda”.

Mas os discursos feitos pelo presidente chinês no recente Fórum de Boao (o equivalente asiático do Fórum de Davos) e na recém-concluída “cimeira climática” continham sinais bastante positivos. Também digno de nota foi o discurso do ministro dos Negócios Estrangeiros chinês Wang Yi na videoconferência organizada pelo Council on Foreign Relations, também uma “organização americana independente, mas muito autoritária”.

O ponto principal do discurso foi delinear cinco princípios que, segundo Wang Yi, permitirão que os EUA tenham sucesso nas suas relações com a RPC. Na opinião do autor, estes são princípios perfeitamente aceitáveis. Desde que, claro, os planos de Washington incluam realmente a construção de uma relação construtiva com a Segunda Potência Mundial.

Entretanto, devemos notar que o sucesso potencial da China em alcançar a supracitada “quase igualdade” com os Estados Unidos privará a elite americana da reivindicação (que sempre esteve presente, mas especialmente perceptível sob a nova administração) de ensinar ao resto do mundo as regras do bom tom internacional. Washington não pode permitir que isso aconteça (pelo menos ainda não), e o acto legislativo do Congresso em discussão tem como objectivo a paridade de tal perspectiva.

Embora já seja hoje claro que a postura moralista acima delineada é tomada por aqueles a quem menos convém. Como, de facto, tem sido sempre o caso na história.

Fonte: New Eastern Outlook

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube