Washington atraiu Erdogan para uma armadilha de ursos?

Depois de não ter conseguido bloquear a compra pela Turquia do avançado sistema de defesa aérea russo S-400, a diplomacia de Washington nos últimos meses parece ter conseguido “virar” o presidente turco Recep Tayyip Erdogan para apoiar os interesses dos EUA em vários países críticos, desde a Líbia à Arménia e à Ucrânia, até ao Afeganistão. Com a economia turca à beira da catástrofe à medida que a lira se afunda, parece cada vez mais que os cínicos estrategas de Washington poderiam ter meramente atraído o astuto Erdogan para uma armadilha mortal de ursos



O presidente turco Erdogan tem sido chamado de mestre no jogo de todos os lados em seu benefício, um camaleão político que se desviou de Washington e da NATO, da qual a Turquia é membro vital, para a Rússia e o Irão e também para a China.

Em 2016 acusou a CIA de estar por detrás de uma tentativa de golpe de Estado para o assassinar e levar as redes controladas pela CIA do exilado Fethullah Gülen ao poder, uma vez que Washington já estava farto das reviravoltas de fidelidade de Erdogan. O golpe falhou e os relatos foram de que os serviços secretos russos interceptaram Erdogan, que salvou a sua vida. Depois disso, as relações com Moscovo melhoraram acentuadamente. Em novembro de 2015, a Rússia tinha imposto uma severa proibição de viajar à Turquia de turistas russos e uma proibição de importação de alimentos turcos como retaliação por um jacto turco ter abatido um jacto russo dentro do território sírio, um acto de guerra. As sanções russas atingiram profundamente a economia turca.

Então Erdogan iniciou uma mudança em direcção a Moscovo. Em 2017, a Turquia ignorou repetidos protestos de Washington e da NATO e concordou em comprar o avançado sistema russo de mísseis de defesa aérea S-400, dito ser o mais avançado do mundo. Ao mesmo tempo, a Rússia iniciou a construção do primeiro de dois gasodutos do Mar Negro para a Turquia, o TurkStream, em outubro de 2016, distanciando ainda mais Ancara e Washington.

Crise da lira em 2018

Em 2018, as relações entre Washington e Ancara tinham-se tornado tensas para o dizer de forma suave. As três grandes agências de notação de crédito dos EUA, Fitch, Moody’s e S&P, baixaram a dívida soberana da Turquia para o estatuto de “lixo”, citando as recentes medidas políticas hostis de Erdogan. O resultado foi uma queda livre da lira forçando o Banco Central a aumentar acentuadamente as taxas de juro e estrangular o crescimento económico no processo. Em agosto de 2018, os EUA estavam também a impor sanções económicas à Turquia, exigindo a libertação de Andrew Brunson e outros cidadãos americanos acusados de espionagem em nome da tentativa de golpe de Gülen de 2016. As exportações turcas de aço e alumínio foram atingidas com tarifas americanas duplicadas à medida que a inflação aumentava. Uma promessa do aliado de Erdogan e parceiro da Irmandade Muçulmana, Qatar, de investir 15 mil milhões de dólares na Turquia conseguiu acalmar a crise e uma visita subsequente de Erdogan a Pequim garantiu alguns milhares de milhões adicionais em ajuda chinesa. O ministro dos Negócios Estrangeiros turco acusou as “potências estrangeiras” de estarem por detrás da crise da lira por razões políticas.

Após uma perda chocante do bastião político chave da Câmara Municipal de Istambul em 2019, Erdogan tem claramente tentado melhorar a sua “utilidade” para o Ocidente, especialmente para Washington. Enfrenta grandes eleições nacionais em 2023 e pode correr o risco de perder o seu controlo se a economia continuar a cair. Tanto Donald Trump como agora Joe Biden pareceram acolher a ajuda turca, especialmente quando esta prejudicava os interesses russos. Assim, em 2019, quando a Turquia emprestou material e apoio militar ao governo apoiado por Washington em Trípoli na sua guerra com as forças apoiadas pela Rússia do general Haftar, evitou o colapso do regime corrupto de Trípoli, com a aprovação da NATO. Indirectamente, Erdogan foi contra Putin e a Rússia.

Do mesmo modo, em setembro de 2020, durante a eclosão da “Guerra Arménia-Azerbaijão”, a Turquia forneceu drones críticos e conselheiros militares ao seu aliado muçulmano do Azerbaijão contra a Arménia, membro da União Económica Eurasiática da Rússia. Foi mais um ataque indirecto turco contra interesses estratégicos russos, isto, muito perto de casa.

Em outubro de 2020, na sequência dos significativos avanços militares azeris no Nagorno-Karabakh, Erdogan elogiou a “grande operação do Azerbaijão tanto para defender os seus próprios territórios como para libertar o Karabakh ocupado”, acrescentando que a Turquia está e continuará a estar “com o amigável e fraterno Azerbaijão com todos os nossos meios e todo o nosso coração”. Putin não terá achado divertido.

As relações entre a Turquia e a Arménia são hostis e remontam à Primeira Guerra Mundial, quando a Turquia otomana foi acusada de exterminar mais de 1,5 milhões de arménios numa limpeza étnica. Até hoje, a Turquia rejeita veementemente aceitar a responsabilidade pelo genocídio contra os arménios que, após 1920, se tornaram parte da União Soviética até à sua dissolução em 1991.

Agora, ainda a 10 de abril, quando a Casa Branca de Biden aumentou a pressão sobre a Ucrânia para agir militarmente no sentido de recuperar a região separatista do Donbass, bem como a Crimeia, que hoje faz parte da Rússia, Erdogan convidou o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky a deslocar-se à Turquia para conversações sobre cooperação militar. Em Istambul, após as conversações, Erdogan anunciou que os dois presidentes tinham assinado um acordo estratégico de 20 pontos que incluía o apoio turco às exigências da Ucrânia para o regresso do Donbass a Kiev, bem como da Crimeia, a base da frota naval russa do Mar Negro. Na sequência do golpe apoiado pela CIA na Ucrânia em março de 2014, os habitantes da Crimeia realizaram um referendo no qual os cidadãos votaram esmagadoramente a favor da adesão à Rússia, algo com o qual a NATO não ficou satisfeita, para dizer de forma branda. Além disso, Erdogan anunciou a 10 de abril que a Turquia apoiava a candidatura da Ucrânia à adesão à NATO, uma questão explosiva uma vez que seria uma ameaça estratégica directa a Moscovo.

Já em janeiro de 2020, a Turquia e a Ucrânia assinaram importantes acordos comerciais militares, incluindo um acordo de que a Ucrânia forneceria à Turquia 600 milhões de dólares de motores de mísseis de cruzeiro. A Ucrânia também fornece os militares turcos com motores para os seus drones que escapam às sanções dos EUA contra a Turquia por causa do S-400. Mais recentemente, a Turquia tem vindo a revender os seus drones de combate Bayraktar TB2 aos militares ucranianos que planeiam utilizá-los contra os combatentes do Donbass. Em resumo, Erdogan tem feito muitas coisas para apoiar as acções dos EUA contra a Rússia nos últimos meses.

Mistério do genocídio?

Isto torna ainda mais curioso que o presidente dos EUA Biden, a 25 de abril, se tenha tornado o primeiro presidente dos EUA a ir contra a Turquia aliada da NATO e a acusá-la de genocídio contra os arménios em 1915. Desde que a Turquia aderiu à NATO, o tema do genocídio arménio tem sido tabu, como Ancara tem repetidamente deixado claro. Por que razão, precisamente quando Erdogan está a desempenhar um papel de apoio fundamental na agenda anti-Rússia da Administração dos EUA, Biden ou os seus conselheiros acharam necessário culpar a Turquia otomana por um genocídio contra os arménios que teve lugar há 106 anos?

Dada a reemergência da crise da lira desde que Erdogan despediu o chefe do Banco Central no mês passado, substituindo-o por um aliado partidário, a Turquia tornou-se ainda mais vulnerável do que em 2018. Neste momento, parece que Washington tem o astuto Erdogan numa armadilha para ursos. Se o seu novo chefe do Banco Central se movimentar agora para reduzir as taxas de juro para estimular a economia no meio da crise da lira, dezenas de milhares de milhões de fundos de investimento ocidentais poderão sair da Turquia e mergulhar a economia na sua pior crise desde 2018, provavelmente ainda pior, antes das eleições nacionais de 2023. Durante anos, as empresas turcas voltaram-se para mercados de dívida em dólares, onde as taxas de juro eram muito mais baixas do que as taxas turcas. A queda da lira torna o reembolso em dólares muito mais caro, especialmente porque a economia é atingida pela crise do Corona e o turismo foi novamente bloqueado por Moscovo até junho, alegando risco de covid, mas claramente relacionado com as recentes movimentações de Erdogan na Ucrânia.

Erdogan perdeu pouco tempo a reagir à afronta. Os protestos turcos começaram fora da estratégica Base Aérea Incirlik da NATO estão a exigir a retirada das tropas norte-americanas.

No dia 24 de abril, um dia depois de Washington ter notificado Erdogan da sua planeada declaração do genocídio arménio, Erdogan lançou acções militares no Iraque e na Síria. Os militares turcos anunciaram que a sua Operação Garra-relâmpago tinha sido retomada, com o objectivo de “pôr completamente fim” à ameaça terrorista na fronteira sul da Turquia com a Síria. Envolveu ataques aéreos a posições das forças curdas do PKK que os EUA apoiam contra Damasco. A Turquia afirma que os curdos do PKK são terroristas que ameaçam a Turquia. Ao mesmo tempo, as forças turcas fortificaram a sua posição estabelecida no Grande Idlib, onde existem agora milhares de tropas, bem como armas pesadas, incluindo tanques de combate, veículos de combate de infantaria, artilharia, lança-foguetes, sistemas de vigilância, bloqueadores e sistemas de defesa aérea. Desde 2018, a presença do Idlib turco deveria, supostamente, monitorizar em conjunto com a Rússia uma desescalada mútua no território sírio.

Remendando cercas árabes

Mais surpreendente foi a rápida mudança de Erdogan para consertar as cercas com os seus vizinhos árabes. A 26 de abril, o porta-voz de Erdogan, Ibrahim Kalin, disse que a Turquia procurava rectificar as relações com a Arábia Saudita, onde o comércio bilateral caiu 98% desde um boicote oficial saudita aos produtos turcos em 2020 por causa daquilo a que os sauditas chamavam actos turcos hostis, uma referência às acusações provocadoras e muito públicas de Erdogan de que os sauditas assassinaram brutalmente o jornalista saudita Jamal Khashoggi em Istambul, em outubro de 2018, bem como o apoio turco ao Qatar no meio de um boicote saudita. Antes de 2013, Riade tinha sido um grande financiador de Erdogan, que era então um actor-chave na guerra contra Assad na Síria. O novo regime em Washington até agora tem sido bastante frio com a Arábia Saudita, uma grande mudança em relação ao tempo de Trump.

Ao mesmo tempo, Ancara procura reconstruir os laços com o presidente egípcio al-Sisi que têm sido tensos desde que os militares egípcios depuseram Morsi e apoiaram al-Sisi num contra-ataque em 2013 à Primavera Árabe da Irmandade Muçulmana apoiada pelos EUA. Se Erdogan conseguisse recuperar o apoio dos estados árabes do Golfo, incluindo a Arábia Saudita, o apoio militar turco ao Golfo poderia muito bem alterar a geopolítica do Médio Oriente em detrimento de Washington. Nos últimos dois anos, a Turquia emergiu como uma força militar de grande surpresa através do destacamento dos seus drones Bayraktar TB2 comprovados no campo de batalha, de propriedade da família do genro do presidente Recep Tayyip Erdogan, Selcuk Bayraktar. Eles foram decisivos na Líbia, no Nagorno-Karabakh e na Síria.

O que se segue no turbulento governo de Recep Tayyip Erdogan é mais incerto do que em qualquer altura dos seus quase vinte anos de posse do poder, primeiro como primeiro-ministro e agora como presidente. Com as eleições nacionais previstas para 2023, se a economia continuar a aquecer, todas as apostas estão canceladas. A declaração de “genocídio” de Biden sugere que Washington pode tentar empurrá-lo para além do limite muito antes de 2023. Contudo, o resultado está longe de ser claro neste momento, e depende muito da capacidade de Erdogan de forçar novas alianças eficazes.

Fonte: New Eastern Outlook

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube