Definindo o cenário de destruição global: Agora é o Ártico

Os EUA estão a preparar-se para a guerra no Árctico, e o “ponto de ebulição” pode não estar longe

Por Brian Cloughley

A 8 de abril as primeiras páginas dos principais jornais dos EUA observaram que o presidente Biden estava “aberto ao compromisso” e um olhar rápido levou ao optimismo de que o Tio Joe poderia estar a ver algum sentido sobre os desenvolvimentos internacionais. Ele disse que “o debate é bem-vindo”. O compromisso é inevitável. As mudanças são certas”, o que é uma declaração profunda e importante que seria imensamente encorajadora se se referisse às relações dos EUA com a China e a Rússia.

Lamentavelmente, as suas palavras referiam-se a assuntos puramente domésticos, na medida em que a Casa Branca se preparava para fazer compromissos com o Partido Republicano de olhos vendados, que pretende defender interesses comerciais – e especialmente os que se preocupam com a produção de armas – em detrimento do cidadão médio. Joe declarou que está “farto e cansado de pessoas comuns a serem enganadas”, o que é um ponto de vista compreensível. Mas a forma como ele se dirige na política externa significa que estas pessoas comuns, e todas as outras nos EUA e em todo o mundo, podem muito bem ser enganadas, e possivelmente em última instância. Eles enfrentam um perigo cada vez maior de serem destruídos, porque Joe está a apoiar os brande-sabres no seu encorajamento de confrontos e provocações que podem muito bem levar a uma grande guerra.

Não se enganem: não haverá guerra “limitada” se a aliança militar EUA-NATO continuar a fazer batota e a antagonizar a Rússia e a China. Se houver um choque de forças militares, haverá uma escalada, e o conflito que se seguirá aumentará inevitavelmente o risco de trocas nucleares que destruiriam o planeta.

O cenário – estabelecido pelo complexo industrial-militar de Washington e no subescritório do Pentágono em Bruxelas – inclui avisos sobre um ” acumular” russo no Árctico, como relatado pela CNN, que citou um representante do Pentágono como dizendo “A Rússia está a remodelar os aeródromos e instalações de radar da era soviética, a construir novos portos e centros de busca e salvamento, e a construir a sua frota de quebra-gelos nucleares e convencionais”. Esta actividade está de facto a decorrer, e está a acontecer em território soberano russo, o que nada tem a ver com o Pentágono ou com qualquer outra pessoa. Não é de modo algum semelhante à “presença militar avançada” dos militares dos EUA no estrangeiro de cerca de 200.000 soldados em mais de 800 bases em todo o mundo.

O USA Today afirma que Trump “abriu bases adicionais no Afeganistão, Estónia, Chipre, Alemanha, Hungria, Islândia, Israel, Letónia, Lituânia, Luxemburgo, Níger, Noruega, Palau, Filipinas, Polónia, Roménia, Arábia Saudita, Eslováquia, Somália, Síria e Tunísia”, o que parece bastante impressionante, mas na terra da realidade é inteiramente contraproducente. E parece que o tio Joe não vai fechar nenhuma delas.

É lamentável que tantas destas bases se tenham revelado totalmente inúteis em termos práticos, mas isto não pára nem sequer abranda a expansão global do Pentágono. Apesar de todas as bases no Afeganistão, por exemplo, ainda grassa uma guerra civil caótica. Como o USA Today observa, “O conflito de 19 anos custou mais de 2 mil milhões de dólares e mais de 2.300 vidas americanas. Mais de 38.000 civis afegãos foram mortos. No entanto, os talibãs controlam vastas extensões do país, que continua a ser devastado pela violência…”. Então, o que é que todas estas bases americanas conseguiram? O que é que elas conseguem em qualquer lugar, para além da apreensão e reacção por parte daqueles a quem são concebidas para ameaçar?

Num mundo já em guerra, uma das mais recentes ameaças à paz está a crescer no Ártico, onde os EUA pretendem aumentar as suas capacidades militares. Os destacamentos e operações futuras incluíram até agora voos sobre o Mar de Barents por bombardeiros estratégicos da USAF B-1 Lancer baseados em Ørland, na Noruega, onde a grande base aérea “é importante não só para a Noruega, mas também para a NATO”. A estação aérea é a base do F-35A Lightning II Joint Strike Fighter, aviões de combate F-16, bombardeiros estratégicos B-1B, helicópteros de busca e salvamento Westland Sea King e um local para E-3A Sentry AWACS”…

O foco ameaçador de Washington no Ártico é alegadamente justificado pelo melhoramento legítimo da Rússia das suas instalações de defesa no seu próprio território soberano. A posição oficial do Pentágono é que “Obviamente que estamos a observar isto, e como disse antes, temos ali interesses de segurança nacional que sabemos que precisamos de proteger e defender”. O porta-voz declarou então (presumivelmente desconhecendo o destacamento de bombardeiros estratégicos dos EUA e outras operações militares), que “ninguém está interessado em ver o Ártico tornar-se militarizado”.

O Árctico tem sido sempre uma região importante, mas tem assumido um maior significado desde que o aquecimento global resultou numa extensa fusão do gelo e na abertura de vias marítimas, incluindo o que é agora chamado de Rota do Mar do Norte ou NSR. O grupo comercial Arctic Bulk, com sede na Suíça, descreve a NSR como “uma rota marítima entre o Oceano Atlântico e o Pacífico ao longo da costa russa da Sibéria e do Extremo Oriente, atravessando cinco mares árticos”. Além disso – e nunca mencionado pelo Pentágono ou pelos meios de comunicação social americanos – a NSR está localizada inteiramente dentro da Zona Económica Exclusiva da Rússia.

A 5 de abril, o Pentágono anunciou que “a região é um terreno-chave vital para a nossa própria defesa da pátria e como um potencial corredor estratégico entre o Indo-Pacífico, a Europa e a pátria – o que a tornaria vulnerável a uma concorrência alargada”.

Não foi explicado como uma rota de navegação comercial poderia afectar a “defesa da pátria” de Washington, ou que “concorrência alargada” poderia haver, mas o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, deixou essa característica clara na Deutsche Welle a 22 de março, quando disse que “O derretimento do gelo no Árctico poderia levar ao aquecimento das tensões geopolíticas entre as diferentes potências do mundo”. Assistimos ao aumento da presença militar da Rússia”. Estão a abrir as instalações militares soviéticas no Ártico”.

A China é também uma ameaça, segundo Stoltenberg, mas a principal no norte é identificada como Rússia, pelo que, para além dos voos de bombardeiros estratégicos dos EUA, houve outros preparativos de guerra envolvendo países da NATO, incluindo um destacamento no qual “os Fuzileiros Navais e Marinheiros dos EUA com Força Rotacional Marítima-Europa 21.1 melhoraram a sua capacidade de combate acima do Círculo Ártico durante o exercício Arctic Littoral Strike no norte da Noruega, de 11 a 31 de março”.

Outros confrontos incluirão o Exercício “Exercise Northern Edge” de 3-12 de maio, no qual, de acordo com o U.S. Air Force Times, “Dez mil tropas descerão ao Alto Norte para praticar a forma como os militares dos EUA poderão reagir se as tensões latentes no Árctico atingirem um ponto de ebulição”.

Os EUA estão a preparar-se para a guerra no Árctico, e o “ponto de ebulição” referido pelo Air Force Times poderá não estar muito longe. Cabe inteiramente a Washington decidir por quanto tempo as manobras militares continuarão e que nível atingirão. Se as provocações forem tão implacáveis que resultem em trocas de fogo locais, há toda a possibilidade de que a escalada seja rápida – e poderá ser definitiva. A solução é que Washington se acalme, e o presidente Joe Biden faria bem em alargar a sua política interna aos assuntos internacionais, nos quais “o debate é bem-vindo. O compromisso é inevitável. As mudanças são certas”.

Fonte: Strategic Culture

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube