Sistema financeiro global: destruição deliberada em curso

Por Ernst Wolff

Muitas pessoas estão neste momento desesperadamente à espera que o encerramento termine. Esperam que as empresas reabram, que o desemprego diminua, que a economia recupere e que possam finalmente regressar às suas velhas vidas. Mas isso não vai acontecer, e eis porquê: os ‘lockdowns’ não são a causa dos problemas actuais, mas apenas um acelerador que está a exacerbar dramaticamente o colapso económico.

As pequenas e médias empresas, que já estavam em dificuldades antes dos ‘lockdowns’, já foram levadas à ruína em grande medida, os pequenos e médios bancos enfrentam uma onda de incumprimento de empréstimos insuportáveis e os orçamentos governamentais têm imensos buracos.

Estamos perante uma inundação sem precedentes de insolvências de pequenas e médias empresas. Os bancos terão de ser socorridos, o desemprego explodirá, os preços subirão, os impostos serão aumentados e os benefícios sociais serão reduzidos. O nível de vida da grande maioria da população entrará em colapso. Nos próximos meses assistiremos a uma desolação do interior das cidades e a uma propagação da pobreza e dos sem-abrigo que não se via desde a Segunda Guerra Mundial.

Ao mesmo tempo, assistiremos a um maior crescimento da já gigantesca especulação nos mercados financeiros. Isto irá exacerbar ainda mais a desigualdade social, que já atingiu um máximo histórico. Veremos também o fracasso na devolução dos direitos fundamentais que nos foram retirados durante os últimos doze meses, e a censura que foi exercida durante vários meses, em vez de ser abolida, será intensificada.

Tudo isto pode ser previsto se não olharmos para as incidências e mutações em estado de choque, como faz a maioria das pessoas, mas em vez disso olharmos de forma muito sóbria para os números da economia e do sector financeiro. Mostram que o sistema financeiro global, que tem sido mantido artificialmente a funcionar desde a crise de 2007/08, já não pode ser sustentado por meios convencionais. Como as taxas de juro atingiram zero em todo o mundo, o colapso do sistema só pode ser adiado no tempo através da criação ilimitada de dinheiro. O preço para isto é a desvalorização incessantemente progressiva do dinheiro.

Os responsáveis sabem disto, e é por isso que já estão a preparar um novo sistema monetário nos bastidores. Isto acabará com o sistema bancário tal como o conhecemos e colocará a criação de dinheiro exclusivamente nas mãos dos bancos centrais. Desta forma, será possível controlar a oferta de dinheiro, cobrar taxas de juro negativas e visar a procura económica.

No entanto, existe um problema com este novo sistema monetário. Embora a moeda prevista seja a moeda digital, ao contrário das actuais moedas criptográficas como a Bitcoin, não será de todo descentralizada; pelo contrário, será cem por cento centralizada. Isto significa que todas as transacções podem ser monitorizadas, controladas e prevenidas tanto pelo Estado como pelas empresas digitais envolvidas na emissão do dinheiro. O dinheiro centralizado digital significa assim nada mais do que a completa sujeição dos titulares de contas à supervisão do Estado e da economia digital.

Em circunstâncias normais, contudo, a população dificilmente aceitaria isto sem qualquer contestação. Então, como podem ser persuadidos a aceitar a nova servidão? Há obviamente um plano para isso também: pilhando sistematicamente o sistema existente e criando assim condições socialmente insustentáveis que levam uma grande parte da população a dificuldades existenciais, de modo a que possam então aparecer como salvadores.

De que outra forma se pode explicar que estamos agora a viver num confinamento interminável que continua a agravar diariamente a situação económica e financeira das pessoas afectadas? O que garante que aqueles que lutam por um salva-vidas são deliberadamente pressionados para debaixo de água?

Esta é obviamente uma agenda que visa colocar um grande número de pessoas em extrema necessidade para depois lhes oferecer – como medida humanitária, por assim dizer – dinheiro do banco central digital para as salvar do empobrecimento. Quem pensa que esta é uma visão apocalíptica do futuro que está muito longe da realidade, deve descobrir urgentemente até que ponto os preparativos dos bancos centrais para a introdução das moedas dos bancos centrais digitais já progrediram.

Traduzido de KenFM

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram e VK