Porque é que a Turquia não pode fazer lobby para a sua normalização com os EUA

Por Salman Rafi Sheikh

Enquanto que os laços entre a Turquia e os EUA se tornaram tensos nos últimos anos e um divórcio estratégico já não é completamente irrealista, a política externa da Turquia continua a girar em torno da questão de alcançar um equilíbrio entre o Ocidente e o Oriente. Enquanto que a sua localização geográfica nas fronteiras da Ásia e da Europa parece moldar em grande medida a sua orientação mais ampla de política externa, a Turquia, sob Erdogan, adquiriu também, ou pelo menos está a tentar adquirir, um estatuto de grande potência que lhe permite agir como um “equilibrista” entre os dois grandes pólos de poder do mundo. Mas o posicionamento estratégico particular da Turquia, inspirado por uma procura de se restabelecer como um império “Neo-Otomano” capaz de seguir uma política externa verdadeiramente independente e de agir como uma grande potência, provocou, acima de tudo, uma cisão entre a Turquia e os seus aliados da NATO, especialmente os EUA. Os EUA expulsaram a Turquia do programa de desenvolvimento dos F-35, e as suas relações bilaterais nunca estiveram tão tensas como hoje. Se a principal motivação da Turquia para reparar as suas relações com a Rússia era contrabalançar a sua dependência dos EUA e assim adquirir uma melhor posição negocial, o tiro saiu claramente pela culatra; Daí as tentativas da Turquia de restabelecer o equilíbrio.

Se a Turquia conseguir adquirir os jactos F-35 como membro da NATO, será um grande impulso para a sua capacidade de defesa aérea. Para tal, contratou recentemente uma firma de advogados sediada em Washington para exercer pressão para a sua readmissão no programa de jactos de caça F-35 dos EUA. Ancara tinha encomendado mais de 100 caças furtivos e tem estado a fabricar peças para a sua produção, mas foi retirada do programa em 2019 depois de ter adquirido os sistemas de defesa antimísseis russos S-400, que os EUA acreditam poder ameaçar os F-35.

A contratação pela Turquia de uma empresa de representação de interesses afirma que uma transição política na Casa Branca não levou a uma transição automática nas suas relações bilaterais. Confirma que os seus desacordos se baseiam em diferenças políticas que vão muito além dos presidentes em exercício. Por conseguinte, as tentativas da Turquia de recalibrar os seus laços com os EUA não são susceptíveis de pagar quaisquer dividendos por uma razão: as suas divergências não são políticas; são estratégicas e a sua identidade como aliada da NATO é repetidamente compensada pelas suas divergências.

A 23 de fevereiro, o Pentágono confirmou-o:

“Não houve qualquer mudança na política da administração em relação ao F-35 e ao S-400″. Mais uma vez, instamos a Turquia a não avançar com a entrega dos S-400”.

A posição dos EUA permanece inalterada apesar de uma recente dica do ministro da Defesa da Turquia, Hulusi Akar, sobre a possibilidade de encontrar uma “solução controlável” para o sistema S-400.

A posição estratégica da Turquia como actor independente, posicionada na intersecção do Ocidente e do Oriente, é a razão fundamental para a posição inalterada dos EUA.

Por um lado, a rivalidade EUA-Rússia está muito enraizada no pensamento de soma nula da competição da guerra fria. A Turquia, por outro lado, com a sua posição geo-gráfica muito peculiar aliada à sua procura de traduzir esta localização numa política externa, não serve o jogo de soma zero dos EUA contra a Rússia.

O facto de a Turquia ter estabelecido fortes laços políticos e militantes com a Rússia mostra que os EUA e a Turquia têm percepções de ameaça fundamentalmente diferentes. Consequentemente, enquanto a Turquia parece acreditar que o sistema internacional actual não é tão centrado no Ocidente e dominado pelos EUA como costumava ser, e que a Turquia deveria prosseguir o seu interesse através de um acto de equilíbrio geopolítico mais variado, Washington, obcecada como está por resistir à queda dos EUA como única superpotência, vê essa interpretação da Turquia dos assuntos internacionais como anormal e irreal. Para Erdogan e os decisores políticos turcos em Ancara, é visto como um ajustamento ao novo normal na política global.

Estas diferenças produziram também certos pontos de tensão política, cuja manifestação mais importante é uma crise de longa duração entre a Turquia e o Comando Central dos EUA (CENTCOM) sobre a crise síria e a forma como os EUA continuam a apoiar militarmente as milícias curdas, especialmente o YPG.

Neste contexto, a administração Biden, que prometeu trabalhar no sentido de restabelecer o domínio dos EUA a nível global, é muito provavelmente capaz de resistir às tentativas da Turquia de operar como actor independente no âmbito da NATO, uma organização que permanece presa no pensamento da guerra fria e que continua a imaginar e a reinventar-se para travar uma guerra contra a Rússia na Europa.

Consequentemente, enquanto os EUA quereriam restabelecer os laços com a Turquia se este país desistir do sistema S-400 e regressar à NATO, a Turquia quer efectuar esse restabelecimento de uma forma que leve os EUA à ideia de aceitar a nova realidade geopolítica na vizinhança da Turquia, incluindo o papel da Turquia na mesma, e as mudanças mais amplas nos assuntos internacionais.

Embora um idealista argumentasse a favor de encontrar um “meio-termo” para aproximar os dois países, continua a ser que os EUA não têm razões imperiosas para redefinir a sua visão de mundo central para a Turquia. Na sua forma actual, a Turquia não é um aliado indispensável da NATO. Isto é evidente pelo facto de os EUA já estarem a preparar planos para deslocar a sua base aérea de Incirlik na Turquia para a ilha grega de Creta.

Embora esta deslocalização fosse um grande revés para a Turquia, continuará a servir os interesses dos EUA na região. Por outro lado, se a Turquia decidir desistir dos S-400, continuará a ser um importante revés estratégico para o seu auto-posicionamento como um importante actor internacional capaz de influenciar regiões muito para além das suas fronteiras territoriais, e para a sua auto-imagem como um império ‘Neo-Otomano’.

Embora a Turquia se tenha oferecido para encontrar uma fórmula de compromisso e estabelecer condições sob as quais o S-400 possa ser tornado operacional e utilizado, o futuro desta oferta continua a depender da forma como a administração Biden lê e responde, o que por sua vez depende da forma como esta fórmula pode preservar e reforçar os interesses dos EUA a nível regional e global.

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram e VK