Relatório anónimo do Atlantic Council apela à mudança de regime na China

O relatório traça um plano para os Estados Unidos perseguirem uma China sem Xi Jinping, com um Partido Comunista enfraquecido, e operando numa região dominada pelos EUA e seus aliados.


Influente think tank de D.C., o Atlantic Council imprimiu um relatório de 26.000 palavras que expõe a sua estratégia de combate à China. Publicado anonimamente, o relatório afirma que “o desafio mais importante que os Estados Unidos enfrentam” no século XXI é o crescimento da China para rivalizar com o seu próprio poder.

Para tal, o relatório afirma que os EUA devem usar “o poder dos seus militares”, o papel do dólar como moeda de reserva global, e o controlo americano sobre tecnologia e comunicação para sufocar a nação de 1,4 mil milhões de pessoas. O relatório aconselha o presidente Biden a traçar uma série de “linhas vermelhas” passadas que os EUA interviriam directamente (presumivelmente militarmente). Estas incluem tentativas chinesas de expansão para o Mar do Sul da China, um ataque às disputadas Ilhas Senkaku, ou movimentos contra a independência de Taiwan. Um ataque norte-coreano contra qualquer um dos seus vizinhos também exigiria uma resposta americana contra a China, insiste o relatório, porque “a China deve ser plenamente responsável pelo comportamento do seu aliado norte-coreano”. Qualquer recuo nesta posição, afirma o conselho, resultaria numa “humilhação” nacional para os Estados Unidos.

Talvez mais notavelmente, no entanto, o relatório também prevê como seria uma política americana bem sucedida para a China até 2050: “os Estados Unidos e os seus principais aliados continuam a dominar o equilíbrio de poder regional e global em todos os principais índices de poder”; e esse chefe de estado Xi Jinping “foi substituído por uma liderança partidária mais moderada; e que o próprio povo chinês chegou a questionar e a desafiar a proposta de século do Partido Comunista de que a antiga civilização chinesa está para sempre destinada a um futuro autoritário”. Por outras palavras, que a China foi desmembrada e que ocorreu algum tipo de mudança de regime.

Reafirmar o estado de segurança nacional

O Atlantic Council é uma organização da NATO financiada pelos Estados Unidos e outros governos aliados, incluindo as ditaduras do Golfo. Entre os seus maiores patrocinadores empresariais incluem-se fabricantes de armas como Raytheon, Lockheed Martin, Northrop Grumman e Boeing. O seu conselho de administração está repleto de altos chefes de Estado como Henry Kissinger, Colin Powell e Condoleezza Rice, bem como de figuras militares superiores, como os generais reformados Wesley Clark, David Petraeus, H.R. McMaster, James “Mad Dog” Mattis, o general Brent Scowcroft e o almirante James Stavridis. Pelo menos sete ex-directores da CIA também fazem parte do conselho. Assim, poderia dizer-se que o conselho representa a opinião consensual do Estado de segurança nacional.

A organização tem sido responsável por grande parte da retórica mais belicosa que rodeia a Rússia e a China há já algum tempo. Por exemplo, publicou uma série de estudos que afirmam que praticamente todos os partidos políticos europeus fora da faixa do estabelecimento – desde o Labour e UKIP no Reino Unido até Syriza e Golden Dawn na Grécia e PODEMOS e Vox em Espanha – são secretamente controlados pela Rússia, funcionando como os “Cavalos de Tróia do Kremlin”.

“The Longer Telegram” (O telegrama mais longo)

O novo relatório anónimo do conselho, denominado “The Longer Telegram”, é uma referência directa ao diplomata americano George Kennan, “Long Telegram” de 1946. O relatório de Kennan, enviado de Moscovo, defendia que os EUA deveriam abandonar completamente a sua aliança em tempo de guerra com a União Soviética e prosseguir imediatamente uma estratégia de “contenção” hostil, sendo considerado um dos documentos fundadores da Guerra Fria. Ao associar-se conscientemente a Kennan, o Atlantic Council está implicitamente a anunciar a chegada de um novo conflito global com a China.

Kennan é apreciado entre os historiadores por ser um dos mais directos oradores no establishment da segurança nacional. Em 1948 ele delineou qual era a posição e os interesses dos EUA:

Temos cerca de 50% da riqueza do mundo, mas apenas 6,3% da sua população…. Nesta situação, não podemos deixar de ser objecto de inveja e ressentimento. A nossa verdadeira tarefa no próximo período é conceber um padrão de relações que nos permita manter esta posição de disparidade… Não precisamos de nos iludir que hoje podemos dar-nos ao luxo do altruísmo e da benfeitoria mundial… Devemos deixar de falar de objectivos vagos e… irreais como os direitos humanos, o aumento do nível de vida e a democratização. O dia não está longe quando vamos ter de lidar com conceitos de poder directo. Quanto menos formos então prejudicados por slogans idealistas, tanto melhor”.

Biden toma o leme

Ao longo de 2020, a equipa do presidente Biden declarou discretamente que toda a sua política industrial e externa giraria em torno da “concorrência com a China”, sendo as suas principais prioridades “lidar com governos autoritários, defender a democracia e combater a corrupção, bem como compreender como estes desafios se cruzam com novas tecnologias, tais como 5G, inteligência artificial, computação quântica e biologia sintética”. A administração Trump já tinha iniciado uma campanha global para prejudicar gigantes chineses como Huawei e TikTok. Das declarações da sua equipa, parece provável que Biden prossiga a sua posição anti-Pequim.

No entanto, muitos altos funcionários em Washington vêem a perspectiva de uma guerra quente com a China como algo distante. “A maior parte da competição EUA-China não vai estar a combater a Terceira Guerra Mundial… Vai estar a dar pontapés uns aos outros debaixo da mesa”, disse uma fonte ao Financial Times em maio. Outras defendem uma guerra cultural mundial contra Pequim, incluindo os romances do Pentágono “Tom Clancy Taiwanês”, destinados a demonizar a China e desmoralizar os seus cidadãos, bombardeando o seu povo com histórias da morte dos seus (únicos) filhos.

Seja o que for que Washington decida fazer, parece que o trabalho de base já foi lançado em casa. Há apenas três anos, os americanos tinham uma visão neutra da China (e há nove anos era fortemente favorável). Hoje, as mesmas sondagens mostram que 73% dos americanos não gostam da China, com apenas 22% a ter uma opinião positiva sobre o país. Assim, está longe de ser claro que haverá um grande recuo público para uma segunda Guerra Fria que se avizinha.

Traduzido de MintPress News

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol