O emergente eixo estratégico Turquia-Ucrânia

Por Shakir Ali

Nos últimos anos, a Turquia tem vindo a prestar muita atenção ao Mar Negro, onde está a desenvolver uma relação cada vez mais estreita com outro país importante da região, a Ucrânia. A cooperação estratégica de Ancara-Kiev está gradualmente a expandir-se para cada vez mais áreas, especialmente a segurança, e tem o potencial de alterar significativamente o equilíbrio geopolítico no Mar Negro.

A anexação da Crimeia pela Rússia e o surto de guerra na Ucrânia em 2014 foram o ponto de viragem nas relações bilaterais. Embora anteriormente os dois lados não atribuíssem grande importância às suas relações, para além do lado comercial, o conflito Ucrânia-Rússia e a subsequente escalada das tensões geopolíticas no Mar Negro, fizeram da cooperação turco-ucraniana uma prioridade máxima para os dois países. As reuniões entre altos funcionários e outros contactos diplomáticos intensificaram-se. Além disso, as negociações sobre a assinatura de um acordo de livre comércio, que tinham sido suspensas em 2013, foram retomadas.

A Turquia, por outro lado, tem sido cautelosa e recusou-se a impor sanções à Rússia pelas suas acções, tal como os EUA e a União Europeia, a fim de manter um equilíbrio nas suas relações extremamente sensíveis com Moscovo. Por outro lado, Ancara apoiou claramente a integridade territorial da Ucrânia e recusou-se a reconhecer a Crimeia como território russo, posição que mantém até aos dias de hoje.

A principal razão para a posição fortemente negativa da Turquia é que a anexação da Crimeia alterou o equilíbrio do poder militar no Mar Negro em favor da Rússia. Anteriormente, a frota russa do Mar Negro estava em péssimo estado, consistindo principalmente em embarcações antigas. Contudo, ao impor o seu controlo sobre a Crimeia, a Rússia aumentou significativamente a sua Zona Económica Exclusiva e a sua linha costeira do Mar Negro, que agora é quase igual à da Turquia. Subsequentemente, Moscovo cancelou acordos anteriores com a Ucrânia, que limitaram a frota do Mar Negro, e começou a reforçar a frota com novos navios e submarinos de superfície melhorados. Ao mesmo tempo, a Rússia instalou uma densa rede de sistemas avançados de armas na península da Crimeia, tais como os sistemas antiaéreos S-400. S-300 e Pantsir-S1 e o sistema anti-navio Bastion-P, bem como vários tipos de radares e sistemas de guerra electrónica. A anexação da Crimeia significa que quase todo o Mar Negro se encontra agora no âmbito destes sistemas.

A alteração do equilíbrio do poder militar em favor da Rússia fez temer na Turquia que o Mar Negro esteja gradualmente a transformar-se num “lago russo”. Mas Ancara está relutante em aumentar as tensões com Moscovo, permitindo que a NATO aumente a sua presença na região. Por conseguinte, o desenvolvimento de relações bilaterais mais estreitas com a Ucrânia surgiu como um meio de equilibrar o aumento da actividade russa no Mar Negro. Além disso, a cooperação com um Estado pró-ocidental como a Ucrânia deu um contributo positivo para as relações da Turquia com os Estados Unidos, que enfrentaram muitos problemas nos últimos anos.

Para Kiev, o cultivo de relações com a Turquia faz parte da sua política geral anti-russa e do seu esforço para reforçar as forças armadas após o deflagrar do conflito com a Rússia. A cooperação bilateral com a Turquia é uma grande oportunidade, dado que a Turquia tem o segundo exército mais forte da OTAN e é também um país do Mar Negro.

Na cooperação turco-ucraniana em matéria de segurança comum, a indústria da defesa é proeminente. Nesta área, os interesses dos dois Estados são complementares. A Turquia procura desenvolver a sua indústria de defesa a fim de assegurar a auto-suficiência no domínio do armamento. Uma vez que os parceiros ocidentais de Ancara não têm estado dispostos a fornecer-lhe o know-how necessário para o efeito, a Ucrânia é uma alternativa importante. Kiev tem uma notável indústria de defesa, que herdou da União Soviética. Neste contexto, foi desenvolvida uma cooperação multilateral e mutuamente benéfica, com a Ucrânia a fornecer tecnologia militar e know-how à Turquia e a gerir programas de armamento em conjunto com o lado turco.

As bases da cooperação na indústria da defesa foram lançadas com acordos assinados em 2014, 2016 e 2018. Em 2018, a Ucrânia adquiriu 6 veículos aéreos turcos não tripulados Bayraktar TB2. Em 2019, o Baykar Makina turco, fabricante do Bayraktar, e o Ukrpetrskport ucraniano assinaram um acordo para criar um consórcio, com o objectivo de produção conjunta de sistemas de armamento modernos. A cooperação irá alegadamente resolver os problemas de longa data da indústria de defesa turca na construção de motores. Por exemplo, o novo drone turco Akinci utiliza um motor ucraniano. Além disso, as duas partes expressaram a sua ambição durante o ano passado de alargar esta cooperação ao sector espacial e à produção de satélites, aviões de combate, armaduras e mísseis.

Em outubro, durante a visita do presidente ucraniano Volodymyr Zelenskiy a Istambul, foi assinado um novo acordo geral de cooperação no sector da defesa. Nos últimos dois meses, foram assinados acordos de cooperação espacial, para a venda de quatro navios de guerra turcos MILGEM à Ucrânia, bem como para a criação de um novo consórcio turco-ucraniano, com o objectivo de produzir até 48 Bayraktar TB2 na Ucrânia. Alguns deles serão implantados perto da frente na Ucrânia oriental, para possível utilização futura contra as forças separatistas pró-russas.

Outro motivo por detrás do interesse da Turquia na Ucrânia são os laços históricos e culturais de Ancara com a comunidade tártara da Crimeia. Durante séculos, o reino autónomo tártaro da Crimeia fez parte do Império Otomano. A anexação pela Rússia no final do século XVIII, a política russa contra os tártaros trouxe grandes movimentos populacionais para a Turquia, durante os anos 19 e 20 do século. Actualmente, a população tártara na Turquia é estimada entre três e seis milhões, enquanto a Crimeia alberga cerca de 250.000 tártaros, representando 12% da população.

A comunidade tártara na Turquia é activa, com mais de 50 organizações, e mantém laços estreitos com a terra ancestral. A anexação da Crimeia mobilizou ainda mais a diáspora tártara, uma vez que a liderança tártara se opôs fortemente à Rússia por causa do seu passado histórico. Relatórios do governo turco e dos meios de comunicação internacionais apontam para violações dos direitos dos tártaros por parte das autoridades russas. A Turquia, que se vê a si própria como uma força protectora de todas as comunidades turcas no estrangeiro, manifesta frequentemente preocupações sobre a situação dos tártaros na Crimeia. A declaração conjunta Erdogan-Zelensky na reunião de outubro passado enfatizou a discriminação contra os tárataros e falou de “protecção conjunta dos direitos humanos” na Crimeia.

O desenvolvimento significativo das relações turco-ucranianas nos últimos cerca de sete anos mostra que, apesar dos frequentes relatos sobre a aproximação Rússia-Turquia, o que é absolutamente certo, a Turquia ainda considera a Rússia uma ameaça grave, que deve ser tratada. A estreita cooperação com a Ucrânia demonstra o entendimento comum da Turquia e dos EUA-NATO sobre a geopolítica do Mar Negro. A longo prazo, se esta cooperação continuar ao ritmo actual, é provável que contribua significativamente para a assistência militar tanto à Ucrânia como à Turquia, consolidando um novo eixo regional apoiado pelo eixo euro-atlântico, o que representará um sério desafio aos interesses russos na região.

Publicado originalmente em Modern Diplomacy

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube