Estará a Rússia a preparar-se para se aproximar do Irão na Era Biden?

Por Fardin Eftekhari
Perito do RIAC

Moscovo prepara-se para contrariar a política rigorosa do presidente Biden contra a Rússia, que foi descrita como a “maior ameaça” para os EUA. Observações recentes de funcionários russos sugerem que Moscovo vê os dois principais legados políticos da administração Trump no Médio Oriente, ou seja, a retirada da JCPOA e o encorajamento de Israel através de acordos de paz, como uma oportunidade para aprofundar o alinhamento com o Irão e promover o estatuto de grande potência da Rússia. Embora a vitória nas próximas eleições presidenciais iranianas por parte dos adeptos da linha dura crie uma capacidade adicional para contribuir ainda mais para as relações russo-iranianas, algumas complexidades exigem uma abordagem matizada de ambos os lados.

Nas suas entrevistas pré-eleitorais, o presidente Joe Biden chamou à Rússia a “maior ameaça” para os Estados Unidos. Não foram divulgados mais pormenores sobre o que isso significa exactamente e que política e objectivos as suas equipas de política externa e de segurança nacional irão prosseguir em relação à Rússia. No entanto, qualquer possível política de “contenção” contra a Rússia por parte de Washington não excluirá provavelmente a abordagem da presença e das políticas russas em regiões como o Médio Oriente ou, por exemplo, a Europa Oriental. Tal abordagem irá inevitavelmente afectar os laços bilaterais da Rússia com os seus aliados e parceiros, incluindo o Irão. Poderá obrigar Moscovo a conceber novas rotas para alcançar os seus interesses e propósitos regionais e internacionais.

Observações recentes de funcionários russos causaram especulações de que Moscovo tem um plano calculado em relação ao Irão, sugerindo que Moscovo quer mais proximidade e talvez mais relações interligadas com Teerão na era Biden. A Rússia espera que o Irão não ignore os seus esforços durante a campanha de “pressão máxima” de Trump e não se envolva com os EUA, em detrimento da sua parceria com a Rússia. Moscovo afirma que se os passos passados da Rússia a favor do Irão se transformarem em dinheiro, “serão milhares de milhões de dólares” que “Teerão conhece muito bem”. A estimativa parece sensata da perspectiva do Kremlin porque a Rússia se vê a si própria como um salvador da JCPOA através da influência diplomática em Teerão, um contribuinte encoberto do Irão para suportar as sanções, impulsionador das capacidades de radar de defesa aérea e de reconhecimento do país, e abridor de novos mercados regionais para o Irão.

Por outro lado, ouvem-se algumas vozes diferentes do Irão, o que, em certa medida, pode ser preocupante para a Rússia. Ali Akbar Salehi, chefe da Organização da Energia Atómica do Irão (OEAI), afirmou recentemente que o Irão é a “fivela” do “cinto que o Ocidente atirou à volta da Rússia” e o presidente Biden quer “comprometer-se de alguma forma com o Irão para aumentar a pressão sobre a Rússia”. Concluiu que o Irão é um “grande e independente vizinho da Rússia”, o que agora poderia beneficiar de uma nova “oportunidade histórica” no “triângulo EUA, China e Rússia”. A noção oportunista de Salehi não é uma visão dominante em Teerão. Por outras palavras, a nova política de “contenção” de Washington contra Moscovo não significaria necessariamente oportunidades únicas e únicas para Teerão. O próprio Irão enfrentará um emaranhado com a administração Biden nos seus dossiers não nucleares, que poderão mesmo conter uma base comum para a Rússia e o Irão aprofundarem as suas relações e utilizarem potenciais inexplorados sob certas condições estratégicas. Como foi dito, a Rússia está a tentar preparar o terreno para proporcionar tais condições, mas como?

O surgimento de uma nova convergência das necessidades entre Teerão e Moscovo não implica necessariamente a determinação de ambos os lados em iniciar uma nova fase de coordenação a nível regional e bilateral contra os EUA. Apesar de algumas opiniões exageradas no Irão sobre as relações russo-iranianas, a Rússia tem sempre uma abordagem de política externa equilibrada e evitou relações com o Irão, suportando qualquer custo adicional e afectando as relações com os EUA, a Europa e o Médio Oriente.

Com base nesta perspectiva, aderir à escalada nuclear ilimitada do Irão, ao programa de mísseis e às actividades regionais poderia ser muito dispendioso para Moscovo. Mesmo enfrentando a nova e agressiva campanha dos EUA, a Rússia verá o Irão através do grande quadro de competição de poder. Condutores como novas sanções ou outras medidas diplomáticas destinadas a isolar a Rússia no Médio Oriente e a reduzir a sua influência não serão suficientemente profundas para provocar Moscovo a reconsiderar o seu envolvimento com Teerão.

O Irão precisa de compreender as limitações regionais e globais da Rússia. O poder e influência russos são limitados e só podem ter impacto em algumas mudanças e reequilíbrios suaves. Se Teerão atingir uma escalada final com os EUA e mantiver a sua posição actual, antecipar contribuições russas significativas será improdutivo e em vão.

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube