A China liderará a recuperação verde mundial

O presidente Xi fez um importante discurso durante a Cimeira da Ambição Climática virtual a 12 de dezembro, que foi organizada para celebrar o quinto aniversário dos Acordos de Paris. Ele fez três propostas: cerrar fileiras e fazer novos avanços na governação das alterações climáticas; assegurar que todos participem o melhor possível neste processo; e ser pioneiro numa nova abordagem à recuperação verde.

O líder chinês estabeleceu vários objectivos específicos para 2030. Ele quer reduzir as emissões de carbono por unidade do PIB em 65% ao nível de 2005, aumentar a percentagem de recursos não-fósseis de combustível para cerca de 25%, aumentar o espaço florestal em 6 mil milhões de metros cúbicos, e gerar 1,2 mil milhões de kilowatts de energia solar e eólica.

Tudo isto é consistente com o que o presidente Xi declarou ao dirigir-se à Assembleia Geral da ONU em setembro, à qual se referiu neste discurso. Nessa altura, comprometeu-se a cumprir o objectivo zero da China até 2060, antes do qual planeou ter o pico de emissões de gases com efeito de estufa do seu país em 2030.

Estes objectivos são a definição de ambiciosos, mas são no entanto exequíveis porque a China tem claramente a vontade política de os levar à sua realização. Vale também a pena mencionar que o líder chinês descreveu as intenções finais do seu país como apoiando uma recuperação verde para a economia global pós-COVID-19.

A China está na vanguarda das tecnologias de energia verde, e não há melhor altura do que durante a encruzilhada sem precedentes em que a civilização global se viu envolvida como resultado da pandemia da COVID-19 para que o país desempenhe um papel fundamental no estabelecimento de padrões globais a este respeito.

Combater as alterações climáticas, tal como conter a COVID-19, é impossível sem a China. Com os seus inigualáveis avanços tecnológicos neste campo, a China pode não só reduzir as suas próprias emissões de carbono possivelmente antes do previsto, mas também ajudar todos os seus parceiros a fazê-lo também, especialmente aqueles que participam na Iniciativa “Belt & Road” (BRI).

Deve também ser dito que o plano de recuperação verde pós-COVID-19 do Presidente Xi complementa perfeitamente o novo paradigma de desenvolvimento da China de “dupla circulação”. A venda generalizada de tecnologias de energia verde no país serve o propósito de apoiar a circulação interna, o mesmo que os seus ambiciosos planos de exportação fazem em relação à circulação internacional, demonstrando assim como estas tecnologias incorporam a convergência entre esses dois ciclos de circulação. Esta observação reforça o optimismo sobre as perspectivas futuras da estratégia de recuperação verde pós-CVID-19 da China para a economia global.

O novo compromisso da administração Biden dos Estados Unidos de voltar a aderir ao Acordo de Paris abre a oportunidade à China e aos EUA de pôr de lado a sua concorrência estratégica para cooperar no combate às alterações climáticas. O regresso dos EUA ao acordo poderá mesmo levar a mais boa vontade e confiança entre estes dois países, depois de os Estados Unidos se aperceberem que a China respeitou devidamente as suas promessas anteriores durante todo este tempo, o que desmistifica a falsa narrativa de que Pequim não obedece à ordem internacional baseada em regras. Foram os EUA, e não a China, que abandonaram unilateralmente as suas obrigações internacionais sob o presidente Trump.

A China é uma força imparável na luta contra as alterações climáticas, e a América não pode alcançar os seus próprios objectivos a este respeito sem cooperar estreitamente com ela. A dinâmica positiva de trabalho que poderia desenvolver-se entre estes dois países poderia potencialmente abrir o caminho para a desescalada das tensões entre si noutras frentes, tais como o comércio, a tecnologia e o Mar do Sul da China, por exemplo. Tudo o que é necessário é que Biden tenha vontade política.

Com ou sem os EUA, contudo, a China não parará em nada na sua cruzada contra as alterações climáticas, uma vez que o presidente Xi a considera inseparável da visão do seu país de construir uma comunidade com um futuro comum para a humanidade.

O líder chinês concluiu mesmo o seu discurso lembrando a todos que “a Terra é a nossa única e partilhada casa”, razão pela qual a luta global contra as alterações climáticas deve ser bem sucedida. O fracasso não é uma opção, mas esse cenário também não é credível de qualquer forma, uma vez que a China está a liderar a recuperação verde mundial, o que melhora muito as hipóteses da humanidade de sobreviver à crise das alterações climáticas.

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube