Está a Turquia prestes a deixar a NATO?

Nicolas Gauthier
Boulevard Voltaire

Existe agora, mais do que nunca, um problema turco. É culpa deles ou dos europeus? A questão merece ser colocada por outras palavras. Ancara está a tentar reconectar-se com o seu passado.

É certo que o exército turco foi em tempos o exército mais importante do pacto anti-soviético e a sua palavra tinha a força de lei na altura. Será objectado que o “perigo vermelho” foi no entanto um pouco subjectivo, uma vez que a URSS nunca pretendeu seriamente invadir a Europa Ocidental, enquanto outra ameaça, muito mais objectiva, permitiu aos Estados Unidos multiplicar o estabelecimento de bases militares no nosso Velho Continente, que só conhecemos muito mais tarde, os arquivos soviéticos depois de terem sido abertos com a queda do Muro de Berlim.

As coisas mudaram desde então, abrindo uma janela de oportunidade ao Presidente Erdoğan para restaurar o Império Otomano à sua antiga glória. Para o fazer, tinha dois ferros no fogo: a sua entrada na União Europeia, que era constantemente adiada, uma vez que se baseava num breviário humanista completamente estranho ao seu povo e ao “doce comércio” tão caro aos sumos sacerdotes desta construção de Bruxelas, para quem o nosso destino consistia em deixar para trás a História, sendo a única vocação da Europa permanecer um espaço aberto aos quatro ventos do mercado livre e, finalmente, encontrar-se livre das contingências do velho mundo.

Como sempre, nada aconteceu como os peritos tinham previsto: o novo Sultão não tem nada a ver com direitos humanos e o comércio livre só funciona em seu benefício. Por outras palavras, Erdoğan está a jogar política, enquanto a Europa se contenta em gesticular, empurrando cada vez mais as margens do tabuleiro de xadrez, intervindo no Mediterrâneo (recursos de gás), no Azerbaijão (zona de língua turca), correndo o risco de desafiar a Rússia, um inimigo que é certamente hereditário, mas do qual, no entanto, comprou estes mísseis S-400, uma afronta que a indústria da poderosa América, o seu tradicional fornecedor de armas, esforça-se para suportar.

Do lado da Casa Branca, Biden gostaria de reconsiderar a atitude de esperar e ver de Trump, que o fez relutar em intervir fora das suas fronteiras americanas, enquanto reconsiderava os laços com o seu “amigo turco”, especialmente para evitar que Trump se aproximasse demasiado do “inimigo” russo. Também aqui, os americanos parecem ter permanecido na era da Guerra Fria de há algumas décadas atrás, enquanto os seus interlocutores ainda pensam numa dimensão secular.

Esta questão espinhosa será provavelmente discutida no Conselho Europeu nos próximos dias. A Turquia deve ser expulsa da NATO? Mais uma vez, a França estará mais do que isolada, sabendo que a frase “morte cerebral” de Emmanuel Macron ainda não passa para o poderoso padrinho americano. É certo que Hubert Védrine, antigo ministro dos Negócios Estrangeiros de François Mitterrand, declarou no Le Figaro a 10 de dezembro: “Joe Biden será menos complacente com Erdoğan, mas o sistema NATO-EUA continuará a pensar que não podemos passar sem a Turquia”. Ou a persistência do tropismo anti-russo ancestral, com o objectivo de conter qualquer indício de uma forte potência continental e, acima de tudo, susceptível de desafiar a sua liderança mundial.

Entretanto, a poderosa Alemanha só pensa em si própria; assim como a Turquia, tal como os Estados Unidos. O caminho da França é decididamente mais estreito do que nunca; especialmente quando carrega o fardo europeu apenas sobre os seus ombros. Os de Emmanuel Macron serão suficientemente amplos? É esta a questão.

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol