Tentativa de violação do espaço aéreo e das fronteiras marítimas da Rússia

Tentativa de violação do espaço aéreo e das fronteiras marítimas da Rússia por parte da NATO é muito perigosa


Parece que quase todas as semanas os meios de comunicação russos noticiam a tentativa de violação do espaço aéreo e das fronteiras marítimas por parte da NATO, mas dois acontecimentos ultra-perigosos ocorreram durante a semana passada, o que significa que esta tendência se irá intensificar. A Marinha russa ameaçou abalroar o USS John McCain depois de este ter passado agressivamente para as águas territoriais do país perto do golfo de Pedro, o Grande, ao largo de Vladivostok, após o que, felizmente, inverteu o seu curso. O segundo incidente envolveu o lançamento de projécteis dos EUA para o Mar Negro a partir da Roménia, capazes de atingir a Crimeia num cenário de guerra. Estes dois acontecimentos merecem ser discutidos mais em pormenor devido ao seu significado para a grande estratégia da NATO.

A aliança transatlântica pretende provocar a Grande Potência eurasiática a reagir de uma forma que poderia então ser manipulada como “pretexto plausível” para lhe impor mais pressão. Trata-se de um “brinksmanship” de facto e é, portanto, incrivelmente perigoso, uma vez que ambas as partes são potências nucleares. Além disso, é a definição de agressão não provocada, uma vez que a Rússia não participa em provocações simétricas contra a NATO. Se se pode acusar de alguma coisa, é apenas o facto do país ter realizado exercícios militares dentro das suas próprias fronteiras que, por acaso, abrigam vários estados da NATO depois de o bloco se ter estendido para leste, após o fim da Velha Guerra Fria.

É a expansão oriental da NATO e as recentes actividades da aliança no Oceano Árctico que representam a maior ameaça à paz entre ambos. Na frente oriental, os EUA estão mais uma vez a provocar a Rússia a fim de criar a falsa impressão entre os japoneses, de que Moscovo é uma ameaça militar aos seus interesses. Washington está muito perturbada com os seus últimos anos de conversações tecnicamente infrutíferas, mas no entanto altamente simbólicas sobre a assinatura de um tratado de paz para pôr fim à Segunda Guerra Mundial e resolver o que Tóquio subjectivamente considera como a “Disputa dos Territórios do Norte”. A recuperação de Moscovo do controlo sobre as Ilhas Curilas, na sequência desse conflito, foi aceite pelos Aliados, mas depois a América voltou atrás na sua palavra, a fim de dividir e dominar os dois.

A sua intenção mútua de entrar numa aproximação poderia, em teoria, ocorrer em paralelo com uma aproximação semelhante entre o Japão e a China, o que poderia reduzir completamente a necessidade de Tóquio manter como robusta uma presença militar americana nas suas ilhas. Isso, por sua vez, enfraqueceria a postura militar dos EUA e, por conseguinte, reduziria a viabilidade dos seus grandes projectos estratégicos para “conter” ambos os países multipolares nesse teatro. No que diz respeito às frentes árctica e da Europa de Leste, estas também fazem parte da mesma política de “contenção”, embora visem mais directamente a Rússia e apenas tangencialmente “Rota da Seda Polar” da China.

É compreensível que os EUA continuem a competir com estas duas grandes potências rivais, mas tal competição deve ser regulada de forma responsável, a fim de evitar o cenário não intencional de uma guerra por erro de cálculo. É por essa razão que o mundo deve ficar preocupado com a atitude americana contra elas, especialmente os últimos desenvolvimentos com respeito à Rússia que foram anteriormente descritos. Basta um movimento errado para que tudo fique fora de controlo e para além do ponto de não retorno. Lamentavelmente, embora Biden possa aliviar alguma pressão sobre a China, ele provavelmente compensará duplicando contra a Rússia.

Trump também deveria assumir a responsabilidade por isto, uma vez que afinal está a acontecer durante a sua presidência, mesmo que possa estar nos seus últimos meses, se ele não for capaz de impedir a tomada ilegal do poder pelos democratas, na sequência da sua fraude em grande escala nas eleições deste mês. Ele capitulou à pressão hostil do “Estado profundo” no início deste mandato, talvez por causa da crença errada de que “comprometer-se” com os seus inimigos nas burocracias militares, de inteligência e diplomáticas permanentes os levaria a aliviar a sua pressão sobre ele noutras frentes, mas esta aposta obviamente falhou, uma vez que apenas os encorajou a pressioná-lo ainda mais.

É lamentável que Trump nunca tenha sido capaz de concretizar a sua aproximação à Rússia pelas razões acima mencionadas, mas ele poderia ter desafiado de forma rebelde o “Estado profundo” após as eleições fraudulentas deste mês, invertendo a sua política actualmente agressiva contra Moscovo se tivesse realmente a vontade política para o fazer. Mas não o faz, e isto pode hoje em dia dever-se mais ao seu apoio ao complexo industrial-militar do que a qualquer pressão do “Estado profundo” como no inicio. Afinal, a guerra é um negócio muito lucrativo e a amplificação artificial da chamada “ameaça da Rússia”, provocando Moscovo em várias respostas, poderia valer muito a pena.

Por conseguinte, é extremamente improvável que esta perigosa tendência mude a qualquer momento no futuro próximo. Pelo contrário, provavelmente só se intensificará e ficará muito pior sob uma possível Administração Biden. No entanto, à Rússia não falta a determinação de defender os seus legítimos interesses e fará sempre o que for necessário a este respeito, embora de forma responsável (desde que seja realista reagir de tal forma) para evitar cair na armadilha dos americanos. Os que deveriam estar mais preocupados, então, são a NATO dos EUA e outros vassalos “aliados” que mais perdem ao serem apanhados em qualquer potencial fogo cruzado para facilitar a agressão americana.◼

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol